Como o HPV afeta a relação sexual

7 de junho de 2019
Apesar de ser muito comum, o HPV pode causar estresse e desconfiança no casal sem motivo aparente. Portanto, conhecer as características deste vírus nos permitirá ter uma conversa aberta e confiante com o nosso parceiro.

O HPV é a doença sexualmente transmissível mais disseminada. Pode ser contraído quando há relações sexuais convencionais, sexo oral e sexo anal.

As mulheres são mais afetadas pelos efeitos do vírus do papiloma humano, embora os homens possam ser portadores sem saber. Segundo dados do Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos, 50% dos homens têm o vírus sem saber que são transmissores.

Perigos do HPV

A maioria das cepas de HPV não apresenta sintomas e desaparece sozinha, sem causar sérios problemas de saúde. No entanto, 14 dos mais de 100 tipos de HPV podem causar câncer.

Cartaz com a inscrição "diagnóstico HPV"

Dois tipos de HPV são responsáveis ​​por 70% dos casos de câncer cervical e lesões pré-cancerosas cervicais, segundo dados da Organização Mundial de Saúde. Além disso, essas mesmas estatísticas indicam que o câncer do colo do útero é o segundo tipo mais comum de câncer em mulheres, após o câncer de mama.

Embora o câncer do colo do útero seja o mais comum quando o HPV é contraído, esse vírus pode causar outros tipos de câncer, principalmente nas áreas genitais, no ânus, na boca ou na garganta, pois são áreas em que o contato sexual pode ocorrer. De fato, o aumento do câncer de boca e garganta na população masculina está ligado ao HPV.

Nos homens, existe também o risco de desenvolver cancro do pênis ou do ânus, mas é raro e está geralmente relacionado com deficiências do sistema imunológico.

Infecções por HPV de baixo risco podem causar verrugas genitais, tanto em mulheres quanto em homens. Em geral, as verrugas não causam dor e não são um problema sério.

Confira ademais esse artigo: Exames médicos anuais que todas as mulheres devem fazer

Como gerenciar o HPV no relacionamento do casal

Considerando que o HPV pode estar presente em qualquer pessoa sexualmente ativa sem apresentar sintomas, é aconselhável realizar exames periódicos que incluam análise citológica.

Se uma pessoa tem o vírus, é mais provável que o parceiro também a tenha. O mais aconselhável é ter uma conversa aberta e sincera.

Casal conversando

Para isso, o melhor é se informar bem. Dizer ao seu parceiro que você tem uma doença sexualmente transmissível e que você provavelmente o infectou certamente gerará desconfiança, suspeita e ressentimento.

O conhecimento nos dá poder, e uma das melhores maneiras de abordar a questão é gerenciar informações que podem ajudar o casal a entender as causas e consequências do problema.

Além disso, também pode acontecer que uma pessoa com HPV se sinta estigmatizada, ansiosa e estressada. No entanto, saber que é um vírus muito comum e facilmente contagioso, além de que na maioria dos casos não causa grandes problemas, ajuda a lidar melhor.

A Associação de Saúde Sexual dos Estados Unidos enfatiza lembrar que ao conversar com o/a parceiro/a não deve haver nenhum sentimento de culpa, nem a sensação de que se está confessando um erro.

O que você deve dizer ao seu parceiro?

O projeto HPV do Departamento de Saúde dos EUA recomenda compartilhar alguns tópicos específicos com o parceiro se você descobrir que contraiu o HPV. Veja quais são em seguida:

  • 80% dos adultos não vacinados contraem o HPV em algum momento.
  • Na maioria dos casos, nenhum sintoma se manifesta imediatamente.
  • A maioria das cepas não representa nenhum risco.
  • Não há como saber se o vírus foi contraído recentemente ou há muito tempo.
  • Se você tiver relações sexuais frequentes com seu parceiro, é mais provável que ambos compartilhem o vírus.
  • Não há tratamento para combater o HPV e o sistema imunológico do corpo é responsável por eliminá-lo com o tempo.
  • O HPV pode levar meses ou anos para desaparecer.

Leia também: 5 remédios naturais para aliviar o vírus do papiloma humano

Você pode fazer sexo com o HPV?

Usar proteção nas relações sexuais evita o contagio por HPV

Como a maioria das doenças sexualmente transmissíveis, é melhor não fazer sexo até que o vírus seja controlado.

Mas, se o médico confirmar que a cepa do vírus não é agressiva, você pode fazer sexo com proteção para não infectar o parceiro/a.

Em qualquer caso, é sempre aconselhável consultar o especialista e seguir os seus conselhos. Isso porque cada caso é diferente dependendo do tipo de tensão e da área do corpo infectada.

Se você for fazer sexo com um novo parceiro, é melhor avisá-lo. Além disso, use preservativo para se proteger e evite o sexo oral.

Prevenção

Embora a disseminação do HPV seja muito comum, conhecer seus riscos e tomar medidas pode ajudar a reduzir as chances de infecção. Algumas medidas que podem ser tomadas são as seguintes:

  • Vacinação. As vacinas ajudam a proteger homens e mulheres. Eles são aplicados em 3 doses em um período de 6 meses. O Centro de Controle de Doenças dos EUA recomenda a vacinação a partir dos 11 anos.
  • Uso de preservativos e proteções orais de látex.
  • Evite fazer sexo sem proteção.
  • Mantenha uma boa higiene genital.
  • Social and psychological impact of HPV testing in cervical screening: a qualitative study
    K McCaffery, J Waller, J Nazroo, and J Wardle. School of Public Health, Edward Ford Building (A27), University of Sydney, Australia. Department of Epidemiology and Public Health, London, England.
  • Human papillomavirus (HPV). World Health Organization. https://www.who.int/immunization/diseases/hpv/en/
  • Sixteen, Going on HPV 16
  • HPV, oral sex, oral cancer, anal cancer, other cancer, fingers, sex toys. Mark Borigini M.D.Pscology Today. https://www.psychologytoday.com/us/blog/overcoming-pain/201711/sixteen-going-hpv-16
  • Psychological Impact of Primary Screening (PIPS) for HPV: a protocol for a cross-sectional evaluation within the NHS cervical screening programme. Emily McBride, Laura Marlow, Alice S Forster, Sue Moss, Jonathan Myles, Henry Kitchener, Julietta Patnick, Jo Waller. Epidemiology and Public Health, Health Behaviour Research Centre, University College London, London, UK, Wolfson Institute of Preventive Medicine, Queen Mary University of London, London, UK. https://bmjopen.bmj.com/content/6/12/e014356
  • Virus del papiloma humano genital. La realidad. Centro de Control y Prevención de Enfermedades. https://npin.cdc.gov/stdawareness/the-facts/spanish/04_genital_hpv_sp.pdf