Como as máscaras faciais funcionam?

As máscaras faciais podem ser um ótimo complemento nas rotinas de cuidado com a pele. Elas são usadas ​​em cosméticos e até mesmo no tratamento de certas doenças dermatológicas.
Como as máscaras faciais funcionam?

Última atualização: 10 Março, 2021

As máscaras faciais vêm ganhando importância nas rotinas diárias de cuidados com a pele, mas você sabe exatamente como elas funcionam? O grande número de opções as torna uma alternativa muito interessante para incluir em uma rotina de beleza.

No mercado, é possível encontrar máscaras feitas de argila, carvão, ácido hialurônico, com enzimas ou apenas hidratantes. Portanto, a escolha é feita de acordo com as necessidades da pele. A seguir, entenda como elas agem.

Como os nutrientes são absorvidos pela pele?

As máscaras faciais são muito úteis quando incorporadas a uma rotina de cuidados com a pele. Por si só, não geram grandes mudanças que possam ser sustentadas ao longo do tempo.

Os pilares básicos do cuidado dermatológico são a limpeza, a proteção solar e a hidratação. As máscaras faciais cumprem sua funcionalidade com base em seus ingredientes, e devem ser combinadas com a limpeza prévia da pele e a posterior hidratação.

Quando aplicadas, o contato direto dos ingredientes com a superfície da pele é acentuado. Eles limpam os poros e permitem que a pele absorva mais produto. Elas podem gerar um efeito imediato de luminosidade e brilho na pele. No entanto, ele é temporário.

Esse tipo de prática cosmética oferece ingredientes terapêuticos e nutritivos para o cuidado da pele em formato concentrado. Ou seja, os benefícios são acumulados em uma determinada substância.

Homem usando máscara facial
As máscaras faciais funcionam devido ao tempo de contato com a pele, mas a sessão deve ser repetida para manter o efeito ao longo do tempo.

Você pode se interessar: Experimente este peeling feito naturalmente

Quando as máscaras podem ser aplicadas na pele?

Antes de colocar a máscara de pele, recomenda-se limpar suavemente o rosto para remover qualquer resíduo de maquiagem ou sujeira. A água micelar é uma boa aliada para realizar esta etapa antes da aplicação.

Após a limpeza com água micelar, o rosto deve ser enxaguado com água morna, o que permitirá que os poros fiquem mais permeáveis ​​e os ingredientes possam ser facilmente absorvidos.

Na maioria dos casos, os produtos ficam em contato com a pele por um período de 20 a 30 minutos. É exatamente isso que dá aos ingredientes mais tempo para penetrar na superfície dérmica e exercer o seu efeito.

Como as máscaras faciais funcionam em cada tipo de pele?

Na escolha da máscara facial, os resultados pretendidos devem ser levados em consideração. De acordo com o tipo de pele, os ingredientes que serão selecionados devem ser adaptados de forma a atender a uma preocupação específica do usuário.

Pele desidratada

A pele seca requer hidratação significativa, por isso este tipo de tratamento cosmético é muito útil e recomendado a cada 15 dias. Ingredientes como ácido hialurônico, abacate ou manteiga de karité contribuem para a hidratação e a retenção de água.

Acne ou inflamação

As máscaras faciais não são um tratamento de longo prazo para a acne. No entanto, elas podem ajudar a reduzir a inflamação e a prevenir possíveis surtos agudos.

O ácido salicílico, o peróxido de benzoíla e os alfa-hidroxiácidos (AHAs) removem as células mortas da superfície e os resíduos de obstrução dos poros. Em relação a este último, pesquisas mostram um efeito positivo nas cicatrizes de acne.

Pele oleosa

Nesse tipo de pele, todos os produtos que eliminam o excesso de gordura e, portanto, aumentam a permeabilidade dos poros são úteis. Alguns dos produtos que oferecem benefícios para a oleosidade são ácido salicílico, ácido glicólico, enxofre e carvão.

Rugas finas

As máscaras não removem completamente as rugas do rosto, mas podem ajudar a minimizar a aparência das linhas mais finas. A vitamina C é recomendada para esse tipo de pele devido ao seu alto potencial antioxidante. Ela gera um estímulo constante na produção de colágeno.

A vitamina E também é uma opção antienvelhecimento eficaz, junto com o resveratrol e o ácido ferúlico. Eles atuam protegendo a pele de agentes externos que causam rugas finas, como poluição e danos causados ​​pelo sol.

Rosácea

A niacinamida tem propriedades antioxidantes, reduz o eritema e melhora o tom da pele. Na verdade, segundo estudos realizados pelo The British Journal of Dermatology, ela contribui para a inibição dos processos oxidativos.

Manchas e hiperpigmentação

Os resultados neste tipo de patologia não são observados de imediato, portanto, as máscaras cutâneas são utilizadas como complementos aos tratamentos de despigmentação. Ingredientes úteis incluem ácido kójicoácido tranexâmico e ácido azelaico.

Mulher aplicando máscara facial
Cada tipo de pele deve receber um tratamento de acordo com os ingredientes correspondentes.

Cuidado com os ingredientes das máscaras faciais

Existem muitas máscaras faciais que parecem interessantes em sua aparência estética e sensorial, mas não cumprem as funções que oferecem ou que o consumidor busca. Você deve ter cuidado para não cair em falsas promessas comerciais.

Aquelas que contêm fragrâncias, tinturas ou parabenos podem ser prejudiciais à pele, especialmente aquelas que são mais sensíveis. O ideal é ler os rótulos e analisar a sua composição, evitar esses produtos e optar pelos hipoalergênicos.

Máscaras caseiras podem ser seguras e eficazes, desde que você conheça os ingredientes que pode e não pode usar. Devido aos seus efeitos nocivos, é preferível evitar o seguinte:
  • Limão: assim como o vinagre, são produtos ácidos que geram pigmentação e irritação residual.
  • Clara de ovo: pode causar infecções na pele, ainda mais se você tiver feridas ativas.
  • Bicarbonato de sódio: possui altos níveis de alcalinidade que destroem a barreira da pele, perdendo a umidade própria.

As máscaras faciais funcionam como complemento de uma rotina de cuidados

As máscaras faciais são o complemento de uma boa rotina de cuidados dermatológicos. Juntamente com a limpeza, hidratação e proteção solar, é uma grande aliada para melhorar a textura e a aparência da pele.

O preço nem sempre indica a qualidade ou eficácia do produto, e isso deve ser levado em consideração pelos consumidores. É importante conhecer as peculiaridades de cada tipo de pele e o objetivo de cada usuário para escolher a melhor opção.

Pode interessar a você...
Máscara de cílios: dicas para escolher o adequado
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Máscara de cílios: dicas para escolher o adequado

Se você precisa de ajuda para escolher sua máscara de cílios, siga estas 4 dicas que dirão a você como conquistar com o seu olhar!



  • Nilforoushzadeh MA, Amirkhani MA, Zarrintaj P, Salehi Moghaddam A, Mehrabi T, Alavi S, Mollapour Sisakht M. Skin care and rejuvenation by cosmeceutical facial mask. J Cosmet Dermatol. 2018 Oct;17(5):693-702. doi: 10.1111/jocd.12730. Epub 2018 Aug 21. PMID: 30133135.
  • Fu JJ, Hillebrand GG, Raleigh P, et al. A randomized, controlled comparative study of the wrinkle reduction benefits of a cosmetic niacinamide/peptide/retinyl propionate product regimen vs. a prescription 0.02% tretinoin product regimen. Br J Dermatol. 2010;162(3):647-654. doi:10.1111/j.1365-2133.2009.09436.x
  • Bukhari SNA, Roswandi NL, Waqas M, Habib H, Hussain F, Khan S, Sohail M, Ramli NA, Thu HE, Hussain Z. Hyaluronic acid, a promising skin rejuvenating biomedicine: A review of recent updates and pre-clinical and clinical investigations on cosmetic and nutricosmetic effects. Int J Biol Macromol. 2018 Dec;120(Pt B):1682-1695. doi: 10.1016/j.ijbiomac.2018.09.188. Epub 2018 Oct 1. PMID: 30287361.
  • Smit N, Vicanova J, Pavel S. The hunt for natural skin whitening agents. Int J Mol Sci. 2009;10(12):5326-5349. Published 2009 Dec 10. doi:10.3390/ijms10125326
  • Telang PS. Vitamin C in dermatology. Indian Dermatol Online J. 2013;4(2):143-146. doi:10.4103/2229-5178.110593
  • Asz-Sigall, Daniel, Isabel C. Sánchez-Yarzgaray, and Pilar Simón-Díaz. “Dermocosmetic therapy of acne and management of scars.” Dermatología Revista Mexicana 63.S1 (2020): 46-52.