Como o estresse afeta o coração?

Embora os mecanismos exatos da interação mente-corpo ainda não sejam totalmente compreendidos, foi demonstrado que o estresse emocional influencia uma ampla variedade de doenças, incluindo as relacionadas ao coração.
Como o estresse afeta o coração?

Última atualização: 17 Fevereiro, 2021

Os fatores psicológicos podem afetar negativamente vários órgãos do corpo humano. Neste artigo, vamos falar sobre como o estresse afeta o coração e todo o sistema cardiovascular. Na prática, quase todas as doenças são influenciadas pela saúde mental.

Mente e corpo mantêm um relacionamento íntimo e uma interação constante. Quando não estão equilibrados, os fatores de risco aumentam e elevam a morbidade e a mortalidade. 

O que é o estresse?

O estresse é a forma como o corpo reage a situações que são perigosas ou desafiadoras. Esse tipo de reação tem o objetivo de nos proteger contra problemas ameaçadores.

Em doses pequenas, as situações estressantes não ameaçam a saúde. No entanto, se se tornarem permanentes ou muito intensas, podem ser prejudiciais.

O estresse pode afetar quase todas as doenças gerais, como já mencionamos, incluindo a doença coronariana, a diabetes, a enxaqueca, a síndrome do intestino irritável e a fibromialgia.

Homem estressado no trabalho
O estresse relacionado ao trabalho é uma das formas desse transtorno que aumenta o risco cardiovascular.

Como o estresse afeta o coração e o sistema cardiovascular?

A relação negativa que existe entre o estresse e a doença isquêmica do coração foi demonstrada há quase 20 anos por meio de estudos com pacientes com doença coronariana. Mais tarde, muitas outras pesquisas confirmaram a mesma coisa. No entanto, os mecanismos exatos pelos quais essa associação ocorre permanecem incertos.

Foram propostas várias hipóteses pelas quais o estresse emocional poderia desencadear um infarto agudo do miocárdio, como aumento da pressão arterial, frequência cardíaca, tônus ​​vascular e até mesmo capacidade de agregação plaquetária. Todos eles estão intimamente relacionados à liberação de neurotransmissores.

O aumento significativo da frequência cardíaca e da pressão arterial pode levar a um aumento na demanda de oxigênio do miocárdio. Em certas condições do paciente, ou seja, naqueles que apresentam um maior risco prévio, isso pode levar a um infarto agudo.

Todos esses fatores também se referem a certas anormalidades no sistema nervoso autônomo. Esta é a parte neural responsável por ações involuntárias, como a respiração e os batimentos cardíacos.

Se a pessoa apresenta fatores de risco, como placas ateroscleróticas nas pequenas artérias, a descarga do sistema nervoso pode causar um acidente com a placa. Nesta situação, os ateromas se rompem e obstruem a circulação, interrompendo o fluxo de oxigênio para os tecidos.

Além disso, deve-se esclarecer que situações estressantes do dia a dia podem causar um aumento no número de cigarros consumidos pelos fumantesDa mesma forma, em algumas pessoas, há uma piora na qualidade da alimentação, com consequente aumento do colesterol no sangue.

Você pode se interessar: Principais causas do infarto do miocárdio

Sintomas de estresse que afetam o coração

Algumas pessoas estão mais propensas a sinais de estresse do que outras, seja por causa da sua personalidade ou por causa de situações vividas. Para elas, será muito importante desenvolver mecanismos que lhes permitam lidar de forma saudável com os gatilhos que as desestabilizam.

Um dos sintomas clássicos de estresse que afetam o coração são as palpitações, acelerações do batimento cardíaco que parecem batidas intensas no peito.

A dor no peito também pode ser uma manifestação do problema. Nem sempre leva a um infarto, mas pode ser maçante e insidiosa, como uma opressão constante que oscila entre períodos agudos e calmos.

Dicas para combater o estresse que afeta o coração

O reconhecimento da interação entre estressores e diversas doenças cardíacas deve favorecer o desenvolvimento de estratégias de prevenção. Existem pessoas que correm um maior risco de apresentar doenças que podem levar a ataques cardíacos ou derrames.

A prevenção de eventos cardiovasculares pode ser possível se, junto com dieta e exercícios físicos, forem prescritas técnicas que reduzam o estresse. Estratégias de relaxamento podem ser usadas em momentos de graves problemas emocionais. Por sua vez, seria ideal evitar desencadeadores de estresse conhecidos.

Em geral, o objetivo de um programa de gerenciamento de estresse será reduzir o impacto no paciente. Os estressores nunca serão totalmente eliminados, mas podem ser limitados, da mesma forma que podem ser contidos e transformados em estímulos para o aprimoramento individual.

Mulher estressada com dor de cabeça
O estresse deve ser controlado para minimizar os riscos cardiovasculares.

Quando é necessário procurar um médico?

É impossível prever qual será o impacto do estresse no coração de uma pessoaApesar disso, a identificação de situações problemáticas, como o luto, por exemplo, deve nos alertar para a necessidade de buscar ajuda profissional para evitar consequências negativas.

Além disso, é aconselhável adotar hábitos saudáveis. Dentre eles, devemos especificar uma alimentação saudável e balanceada, evitar o cigarro e o excesso de álcool, bem como realizar atividades físicas regulares, preferencialmente aeróbicas. A rotina do sono é outra ferramenta que reduz a ansiedade.

Além disso e, na medida do possível, devemos evitar ou reduzir as situações estressantes que podem ser alteradas. Tudo isso não terá apenas um impacto positivo na saúde do seu coração, mas também no seu bem-estar geral.

Pode interessar a você...

Dor e tensão muscular por estresse
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Dor e tensão muscular por estresse

A dor e a tensão muscular se manifestam de muitas maneiras devido ao estresse, aos sentimentos e às emoções presentes no nosso dia a dia.