Dicas para controlar a artrose

· 7 de fevereiro de 2014
Ainda que seja mais comum quando chegamos a uma certa idade, o sedentarismo e o excesso de peso podem favorecer o surgimento da artrose também em pessoas mais jovens.

Durante a terceira idade, as pessoas geralmente são afetadas por diversas doenças e condições físicas que as tornam vulneráveis e criam a necessidade de cuidados especiais, seja por um sistema imunológico já debilitado e desgastado ou por condições predispostas na herança genética.

A seguir, descreveremos uma das principais doenças que afligem as pessoas que transitam por essa faixa etária. Além disso, daremos algumas dicas que, logicamente, não substituem a consulta médica nem a medicação adequada.

São dicas recomendadas para ajudar a amenizar os efeitos da doença, tornando essa fase de nossas vidas o mais digna possível. A doença da qual trataremos hoje é a artrose. Confira algumas dicas para controlar essa doença.

A artrose

É uma das doenças degenerativas mais comuns. Com o passar do tempo, pode causar o desgaste da cartilagem articular que, em seu estado normal, permite o livre movimento das articulações.

Leia mais: Dores nas articulações: exercícios para aliviá-las

Esse desgaste produz o atrito dos ossos, causando dor e incapacitando os idosos de se deslocarem livremente. Afeta principalmente as seguintes regiões do corpo: quadris, joelhos, pescoço, costas, mãos e pés.

a artrose

Levar uma vida sedentária e o excesso de peso faz com que as pessoas se tornem mais propensas a sofrer com essa doença, incluindo os mais jovens.

No momento, não foi encontrada a cura. Os tratamentos médicos vão desde a prescrição de medicamentos para dor e inflamação até injeções aplicadas diretamente na região afetada.

Em casos mais graves, em que o desgaste e as dores são mais severos, são realizadas cirurgias para retirar os componentes danificados da articulação e substituí-los por próteses. A dor desaparece, mas ao colocar a prótese a articulação perde a mobilidade.

Medidas paliativas

Dentro das medidas paliativas, podemos mencionar a hidroterapia e as massagens.

Os pacientes que sofrem de artrose se veem muito beneficiados com os tratamentos de reabilitação, mesmo sabendo que não chegarão a eliminar o problema.

Nesses casos, o objetivo é proporcionar um importante alívio dos sintomas, evitando maior desgaste. Como consequência, estimula a melhora da qualidade de vida.

Hidroterapia

O médico que avaliar o paciente e prescrever a medicação necessária para tratar os sintomas da artrose é quem se encarregará de indicar a reabilitação correspondente.

A hidroterapia é uma ferramenta da fisioterapia utilizada como medida paliativa nesses casos e consiste em realizar exercícios terapêuticos em uma piscina condicionada e climatizada. Tudo supervisionado por um fisioterapeuta.

Leia também: Hidroterapia para bebês: descubra suas vantagens

Essa terapia ajuda a manter mobilidade das articulações e interromper sua perda. Como não existe gravidade na água, a articulação não é sobrecarregada durante a realização de uma rotina de exercícios.

Dessa maneira, evitamos os danos que ocorrem quando o corpo não se mantém em movimento. Quanto menos a atividade física, maior será a deterioração e degeneração.

Massagens

Outra ferramenta com que contamos são as massagens. A pessoa que sofre desse mal apresenta a musculatura periarticular bastante contraída e dolorida.

As massagens realizadas por um profissional ajudam a relaxar e afrouxar esses músculos atingidos pela deterioração da articulação, diminuindo os incômodos dos pacientes.

Remédios naturais

a artrose

Dentro da variedade de plantas que podem nos ajudar, escolhemos a camomila por suas propriedades analgésicas e anti-inflamatórias.

Se puder, aplique um pouco de óleo de camomila com suaves massagens na articulação afetada para aliviar a dor. Você pode adquirir o óleo em sua farmácia de confiança ou ervanário.

Conclusão

Se investirmos em nossa saúde hoje, nosso corpo agradecerá amanhã. Uma vida saudável, sem excessos, com bons hábitos alimentares e, claro, com atividade física constante nos ajudará a diminuir a gravidade das consequências próprias da terceira idade.

  • Laplante, B. L., & DePalma, M. J. (2012). Spine Osteoarthritis. PM and R. https://doi.org/10.1016/j.pmrj.2012.03.005