5 conselhos fundamentais para controlar a pré-diabetes

4 de março de 2020
O diagnóstico de pré-diabetes pode ser alarmante; no entanto, existem diversas recomendações que contribuem para melhorar o estilo de vida e facilitar o controle da doença. Se você sofre com este problema, não deixe de ler o artigo a seguir.

Receber um diagnóstico de pré-diabetes indica que os níveis de açúcar no sangue estão acima do normal, mas não altos o suficiente para caracterizar um quadro de diabetes. Diante dele, muitos podem se perguntar: como é possível controlar a pré-diabetes?

Essa condição costuma ter sua origem na resistência à insulina, um problema que se caracteriza pela incapacidade do organismo de utilizar a insulina de maneira adequada. Além disso, na maioria dos casos, aparece antes da diabetes tipo 2 e pode ser reversível.

Por isso, logo após detectá-la, é essencial colocar em prática um plano para regular os níveis de glicose e melhorar a qualidade de vida. É preciso manter o tratamento prescrito pelo médico enquanto o profissional considerar pertinente.

Conselhos para controlar a pré-diabetes

Para um diagnóstico preciso da pré-diabetes, o médico deverá pedir um exame de sangueOs exames rápidos de glicose, como a punção realizada no dedo, não servem para detectar esta doença. Em seu lugar, são feitos exames como o exame de hemoglobina glicada (A1C) e o exame de glicemia em jejum (FPG).

O tratamento para controlar a pré-diabetes pode variar em cada pessoa de acordo com as suas necessidades. Esse controle desempenha um papel essencial na prevenção da diabetes tipo 2, já que a pré-diabetes costuma ser a precursora da doença. O que é necessário considerar?

1. Aumentar o consumo de fibras

Alimentos ricos em fibras
Para prevenir doenças metabólicas, as fibras devem representar uma parte importante da dieta.

Os alimentos ricos em fibras desempenham um papel importante na hora de controlar a pré-diabetes. A fibra ajuda a prolongar a sensação de saciedade, melhora os movimentos intestinais, bem como previne os picos de açúcar no sangue. Como se fosse pouco, sua ingestão ajuda a ter mais energia ao longo do dia.

Algumas das fontes mais saudáveis são:

  • Frutas e vegetais com casca
  • Leguminosas
  • Pães integrais e cereais
  • Cereais como a quinoa
  • Oleaginosas e sementes

Você pode se interessar: Receitas ricas em fibras para cuidar da sua digestão

2. Limitar o consumo de açúcares

Por razões óbvias, o plano para enfrentar a pré-diabetes deve incluir a eliminação de todas as fontes de açúcares refinados na dieta. Em resumo, as fontes dessa substância dificultam a atividade do metabolismo e incidem de maneira considerável nos descontroles da glicose, bem como no desenvolvimento da diabetes.

Dessa maneira, é essencial evitar o açúcar, os cereais do café da manhã, refrigerantes e qualquer outro alimento que o contenha em grandes quantidades. Atualmente existem alternativas saudáveis para adoçar os alimentos sem prejudicar a saúde. Se você não consegue viver sem os doces, escolha uma dessas opções.

3. Aumentar o consumo de água

Consuma bastane água para prevenir a pré-diabetes
Aumentar o consumo de água ajudará a melhorar o funcionamento dos rins, bem como do aparelho digestivo.

A água desempenha um papel muito importante em muitos aspectos da saúde. Em resumo, grande parte da composição do corpo é água. Nesse caso em particular, o consumo de água é uma boa alternativa para controlar a pré-diabetes, assim como para manter a glicose sob controle.

Esta bebida, que não contém calorias, substitui os refrigerantes açucarados, sucos, bebidas energéticas e muitos outros produtos que só disfarçam a sede. Além disso, contribui para melhorar o funcionamento dos rins, o que favorece a expulsão de líquidos e resíduos através da urina.

Descubra: Como mudar a dieta para controlar a diabetes tipo 2 naturalmente

4. Perder peso

Ainda que a perda de peso dependa de vários fatores, é importante lhe fazer uma menção especial. As pessoas com sobrepeso e obesidade têm um risco maior de desenvolver diabetes e transtornos metabólicos. Por isso, se o seu peso está elevado, é essencial adotar medidas para reduzi-lo.

Um bom plano de exercícios e alimentação pode favorecer a eliminação dos quilos ‘extras’. Além disso, perder pelo menos 10% do peso total melhora a saúde cardiovascular e articular.

5. Fazer exercício físico para controlar a pré-diabetes

Mulher fazendo exercício físico
Juntamente com os hábitos alimentares, o exercício é o tratamento mais recomendado para a prevenção e controle da diabetes.

A prática regular de exercício físico é uma das formas mais eficazes de controlar a pré-diabetes, bem como de prevenir a diabetes tipo 2. De acordo com o Instituto Nacional de Diabetes e Doenças Digestivas e dos Rins (NIDDK), o sedentarismo está associado com uma maior resistência à insulina.

Essa mesma entidade recomenda fazer exercício pelo menos 5 dias por semana, durante 30 minutos. Não precisam ser atividades de alta intensidade; caminhar, dançar ou andar de bicicleta são opções benéficas.

Você recebeu um diagnóstico de pré-diabetes? Aplique todas essas recomendações para reduzir o risco de outras complicações. Não deixe de consultar seu médico de confiança de forma regular para monitorar constantemente os níveis de glicose no sangue.

  • Anderson, J. W., Baird, P., Davis, R. H., Ferreri, S., Knudtson, M., Koraym, A., … Williams, C. L. (2009). Health benefits of dietary fiber. Nutrition Reviews. https://doi.org/10.1111/j.1753-4887.2009.00189.x
  • Lattimer, J. M., & Haub, M. D. (2010). Effects of dietary fiber and its components on metabolic health. Nutrients. https://doi.org/10.3390/nu2121266
  • Weickert, M. O., & Pfeiffer, A. F. H. (2008). Metabolic effects of dietary fiber consumption and prevention of diabetes. The Journal of Nutrition. https://doi.org/10.1093/jn/138.3.439
  • Basu, S., Yoffe, P., Hills, N., & Lustig, R. H. (2013). The Relationship of Sugar to Population-Level Diabetes Prevalence: An Econometric Analysis of Repeated Cross-Sectional Data. PLoS ONE. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0057873
  • Schulze, M. B., Manson, J. A. E., Ludwig, D. S., Colditz, G. A., Stampfer, M. J., Willett, W. C., & Hu, F. B. (2004). Sugar-sweetened beverages, weight gain, and incidence of type 2 diabetes in young and middle-aged women. Journal of the American Medical Association. https://doi.org/10.1001/jama.292.8.927
  • Popkin, B. M., D’Anci, K. E., & Rosenberg, I. H. (2010). Water, hydration, and health. Nutrition Reviews. https://doi.org/10.1111/j.1753-4887.2010.00304.x
  • Colditz, G. A., Willett, W. C., Rotnitzky, A., & Manson, J. E. (1995). Weight gain as a risk factor for clinical diabetes mellitus in women. Annals of Internal Medicine. https://doi.org/10.7326/0003-4819-122-7-199504010-00001
  • Ellies, L. G., Johnson, A., & Olefsky, J. M. (2013). Obesity, inflammation, and insulin resistance. In Obesity, Inflammation and Cancer. https://doi.org/10.1007/978-1-4614-6819-6_1
  • Thomas, D., Elliott, E. J., & Naughton, G. A. (2006). Exercise for type 2 diabetes mellitus. Cochrane Database of Systematic Reviews. https://doi.org/10.1002/14651858.CD002968.pub2
  • &NA; (2010). Exercise and Type 2 Diabetes. Medicine & Science in Sports & Exercise. https://doi.org/10.1249/mss.0b013e3181eeb61c