Como a gripe afeta o corpo?

03 Março, 2020
Com a ajuda dos estudos científicos, sabemos cada vez mais a respeito de como a gripe afeta o corpo. Quase todos nós já sofremos com essa doença e sabemos que ela não é agradável. Neste artigo, vamos falar sobre como os sintomas da gripe se originam.

A gripe é uma doença viral e sazonal. Muitos de nós já a tivemos e sabemos, de acordo com a experiência, como a gripe afeta o corpo. No entanto, existem mecanismos que são ativados contra a infecção e que são os culpados pela sintomatologia.

Classicamente, os sinais da gripe são febre, dor de cabeça, dores musculares e cansaço. Quando a gripe evolui normalmente, sem complicações, tudo se resolve sem sequelas.

No entanto, alguns casos de gripe são mais graves. Quando o vírus se instala em organismos enfraquecidos pela imunossupressão, pela idade avançada ou pela presença de outra patologia subjacente, ele pode até ser fatal.

Também devemos deixar claro que, quando nos referimos a uma gripe, não se trata da mesma coisa que um resfriado. O resfriado é muito mais leve e as consequências são menores e superficiais. É diferente de como a gripe afeta o corpo, já que a agressão é maior.

O vírus da gripe também tem efeitos sociais. Quatro em cada dez pessoas com quadro de gripe ficam ausentes do trabalho durante o ciclo da doença e quase todas ficam reclusas, reduzindo as suas atividades esportivas e sociais.

Entre os sintomas que os indivíduos apresentam, de acordo com diferentes pesquisas, o mais incômodo é a sensação de cansaço. Quase metade das pessoas gripadas relatam um período de inatividade durante a doença.

Embora o cansaço seja o sintoma mais notável e incômodo, vamos ver que ele ocorre devido à febre e às dores musculares. Por trás disso, há também uma inflamação dos tecidos.

Descubra: 10 mitos sobre a gripe infantil

O processo microscópico da gripe

Os sinais e sintomas manifestados externamente pela doença são a expressão de como a gripe afeta o corpo microscopicamente. Vários mecanismos celulares explicam o fato de que temos febre, dor de cabeça e mialgia.

Depois que o vírus da gripe entra no corpo, sabemos que ele tem cerca de oito horas para se replicar antes de ser detectado pelo sistema imunológico humano. Sua porta de entrada é a via aérea, e ele se acomoda nas células epiteliais do pulmão.

Ao penetrar nas células humanas, o vírus se apropria das organelas das células que produzem proteínas e, então, coloca essas organelas para trabalhar em seu benefício. Em resumo, aproveita o que o hospedeiro já tem para se multiplicar e sobreviver. Posteriormente, as novas cópias virais procuram outras células para infectar.

Quando o sistema imunológico do ser humano é ativado para combater o vírus da gripe, várias reações são desencadeadas. Essas reações estabelecerão os sintomas conhecidos da gripe, e são a explicação de como a gripe afeta o corpo.

Os primeiros a serem ativados para a defesa são os glóbulos brancos. Essas células constituirão a primeira linha para a subsequente ativação dos mediadores da inflamação: as citocinas.

As citocinas podem ser entendidas como pequenos hormônios que transmitem uma mensagem no sistema imunológico. Sua missão é causar a ativação de órgãos e tecidos para eliminar o vírus do corpo o mais rápido possível.

Sistema imunológico do corpo
O sistema imunológico interrompe a doença, mas também é ele que gera os sintomas da gripe.

Como a gripe afeta o corpo: febre

Ao falar sobre como a gripe afeta o corpo, precisamos nos referir, inevitavelmente, à febre. Essa patologia tem a febre como é um dos seus sinais característicos.

A febre ocorre quando o hipotálamo dá uma ordem para aumentar a temperatura corporal. Essa ordem é emitida porque o hipotálamo percebe a presença de substâncias que chamamos de pirógenos. Entre as substâncias pirogênicas, temos os componentes das bactérias, dos vírus, e também das citocinas.

Com o aumento da temperatura corporal, nossos glóbulos brancos se tornam mais eficientes. Na realidade, a febre é um mecanismo de defesa, e não uma consequência patológica. Além disso, diante de altas temperaturas, os microrganismos têm a sua reprodução dificultada.

Leia sobre: A dieta influencia o sistema imunológico?

Como a gripe afeta o corpo: dor de cabeça

O processo que explica como a gripe afeta o corpo para provocar dor de cabeça ainda não está completamente claro. Entende-se que, como há febre, a dor de cabeça é uma consequência lógica. Ela não é apenas uma sintoma de gripe, como veremos a seguir.

As citocinas também foram associadas à dor de cabeça. Uma em particular, chamada interleucina-1, é uma citocina inflamatória, assim como o interferon.

Tanto as citocinas quanto a temperatura elevada levam à vasodilatação. Os vasos do corpo ficam aumentados e esse fluxo sanguíneo pode explicar a dor de cabeça como um mecanismo intrínseco, semelhante ao que explica a enxaqueca.

Homem gripado
Febre e dor de cabeça são dois sintomas clássicos da gripe.

Como a gripe afeta o corpo: dores musculares

Finalmente, as mialgias também são características da gripe. Estudos científicos encontraram uma explicação genética para essa dor muscular da gripe, e também existe, é claro, a ação das citocinas.

Durante a infecção, nosso corpo aumenta a expressão de certos genes promotores da destruição de miócitos. Os miócitos são células do tecido muscular.

Ao mesmo tempo, as citocinas inflamatórias ordenam que os músculos inchem para combater o vírusA inflamação dos músculos é dolorosa e os esgota, uma vez que os recursos celulares estão determinados a combater o vírus. Daí surge o intenso cansaço relatado pelos portadores de gripe.

Conclusão

Sabemos muito sobre os mecanismos que explicam como a gripe afeta o corpo, mas ainda há muito mais a investigar. O certo é que, quando temos a infecção, sentimos febre, dor de cabeça e dores musculares.

Portanto, os sintomas são um sinal de que o nosso sistema imunológico está combatendo o vírus. Ao mesmo tempo, devemos fazer a nossa parte para acelerar o processo, mantendo um descanso adequado e consultando um médico caso seja necessário.

  • Nicholson, K. G. “Clinical features of influenza.” Seminars in respiratory infections. Vol. 7. No. 1. 1992.
  • Stöhr, Klaus. “Influenza—WHO cares.” The Lancet infectious diseases 2.9 (2002): 517.
  • Bouvier, Nicole M., and Peter Palese. “The biology of influenza viruses.” Vaccine 26 (2008): D49-D53.