Quais são as causas das cólicas na gravidez?

21 Julho, 2020
Durante a gravidez, as alterações pelas quais o corpo da mulher passa fazem com que o surgimento de cólicas e dores abdominais seja comum.

As cólicas na gravidez podem ter muitas causas diferentes. Portanto, é muito importante prestar atenção à intensidade da dor e a outros possíveis sintomas que surgirem. O médico será o responsável por realizar os exames e fazer o diagnóstico adequado.

Neste artigo, iremos explorar quais são as causas de cólicas na gravidez, tanto as mais comuns quanto as mais graves. Estas últimas podem ser um indício de uma gravidez extrauterina ou de um parto prematuro.

As causas das cólicas na gravidez

1. Implantação do embrião

Para começar, um dos primeiros sinais da gravidez é a cólica, que pode sinalizar o implante do embrião no útero. Esse tipo de dor geralmente dura de um a dois dias e é semelhante à da menstruação.

Essas cólicas aparecem mesmo antes de o feto atingir a parte baixa do ventre materno. No entanto, elas também podem se repetir à medida em que o bebê cresce, causadas pela pressão exercida sobre o útero.

2. Gases e constipação: causas das cólicas na gravidez

Mulher grávida
As alterações fisiológicas que ocorrem durante a gravidez afetam o ritmo digestivo, o que pode causar dores e cólicas abdominais.

Durante a gravidez, muitas mudanças fisiológicas ocorrem, incluindo uma digestão muito mais lenta. Isso causa mais inchaço e acúmulo de gases, o que pode provocar um tipo de cólica que não é grave.

Além disso, à medida que o útero aumenta de tamanho durante a gravidez, o intestino se move para cima. Isso diminui o trânsito intestinal e também pode causar dor.

3. Contrações de Braxton Hicks

As contrações de Braxton Hicks são comuns em muitas mulheres grávidas, especialmente no segundo e terceiro trimestresElas são esporádicas e não são indicativas de um parto iminente, mas sim de uma preparação do corpo para quando a hora realmente chegar.

Esses tipos de contrações são desconfortáveis, mas não dolorosas, embora possam se intensificar à medida que a data do parto se aproxima. Podemos reconhecê-las porque são irregulares e não aumentam em frequência; acabam diminuindo.

Talvez você possa se interessar: Como são as contrações do parto?

4. Dor muscular e nos ligamentos

Dores na gravidez
A presença do feto no abdômen provoca uma extensão de ligamentos e músculos.

Como discutimos no primeiro ponto, as cólicas na gravidez entre as semanas 16 e 20 podem ser devido à pressão do bebê nos músculos e ligamentos. Especificamente, nos referimos às cãibras do ligamento redondo, responsável por apoiar o útero. 

Mais de 70% das mulheres grávidas experimentam esse tipo de dor aguda na parte inferior do abdômen. No entanto, na maioria dos casos, geralmente é um desconforto leve que dura alguns segundos ou minutos, sem risco para o bebê.

5. Relações sexuais

A relação sexual é segura na maioria dos casos. No entanto, em algumas situações, o médico pode recomendar a abstinência, como quando se trata de uma gravidez de alto risco.

No entanto, devemos saber que também pode haver algum desconforto causado por uma cólica após a relação sexual. Em geral, são leves e não apresentam riscos, mas se eles não desaparecerem, é preciso consultar um médico.

Não deixe de ler: Pré-eclâmpsia e suas complicações na gravidez

Cólicas em uma gravidez de risco

Gravidez de risco
Existem casos mais graves nos quais dor pode indicar uma causa subjacente que requer atendimento médico imediato.

Além dessas causas, que na maioria dos casos não são graves, há outras que apresentam riscos:

  • Gravidez extrauterina ou ectópica: o óvulo é implantado fora do útero, geralmente em uma das trompas de Falópio.
  • Aborto: alguns casos de cólicas graves acompanhadas de sangramento podem indicar que houve um aborto espontâneo, mas esse nem sempre é o caso. Nesse caso, a placenta se separa do útero e o quadro pode se tornar muito grave.
  • Pré-eclâmpsia: este tipo de cólica geralmente ocorre na parte superior do abdômen. Além disso, a mulher grávida sofrerá de pressão alta e terá proteínas na urina.
  • Infecção urinária: uma das maneiras de detectá-la é porque a gestante também sente dor ao urinar.
  • Descolamento de placenta: o tipo de cólica que indica o rompimento placentário é intenso e não desaparece.
  • Trabalho de parto prematuro: o trabalho de parto prematuro é aquele que ocorre antes das 37 semanas e envolve a dilatação do colo do útero.

Por fim, agora você já conhece as causas mais comuns de cólica na gravidez, bem como as que representam um maior risco. Portanto, não hesite em ir ao médico ao detectar qualquer sintoma, especialmente se ele não desaparecer e for acompanhado por outros desconfortos.

  • Bouyou, J., Gaujoux, S., Marcellin, L., Leconte, M., Goffinet, F., Chapron, C., & Dousset, B. (2015). Abdominal emergencies during pregnancy. Journal of Visceral Surgery. https://doi.org/10.1016/j.jviscsurg.2015.09.017
  • Constance, E. S., & Moravek, M. B. (2017). Diagnosis and management of ectopic pregnancy. In Handbook of Gynecology. https://doi.org/10.1007/978-3-319-17798-4_30
  • Kilpatrick, C. C., & Monga, M. (2007). Approach to the Acute Abdomen in Pregnancy. Obstetrics and Gynecology Clinics of North America. https://doi.org/10.1016/j.ogc.2007.06.002
  • Raines, D. A., & Whitten, R. A. (2018). Braxton Hicks Contactions. StatPearls.