Coceira na pele ou prurido: sintomas, causas e recomendações

O prurido é uma sensação que causa desconforto, porque a pessoa está constantemente se coçando e acaba causando arranhões e lesões secundárias. Na maioria das vezes, são distúrbios que se resolvem espontaneamente.
Coceira na pele ou prurido: sintomas, causas e recomendações

Última atualização: 03 Junho, 2021

Com frequência, a coceira na pele ou prurido é um motivo para consulta em crianças e adultos. A lista de possíveis causas é múltipla e variada, desde as mais banais até as mais graves.

A coceira é definida como uma sensação de desconforto que leva ao desejo ou necessidade de se coçar. Isso é uma consequência da resposta reflexa do corpo aos mediadores imunológicos e químicos. A substância histamina quase sempre está envolvida nesse processo.

O que é a coceira na pele ou prurido?

É importante esclarecer que a coceira é um sintoma, não uma doença em si. Portanto, ocorre em uma grande variedade de órgãos, mesmo sem se referir à pele. Por sua vez, pode se manifestar de forma localizada ou generalizada.

É importante revisar como o prurido começou. Se houve algum ou alguns fatores que puderam desencadear o problema, o que o atenua, se já ocorreu anteriormente, se houve algum tratamento prévio e qual foi a resposta. Tudo servirá como guia de diagnóstico para decifrar a origem.

A coceira aguda é aquela que dura menos de seis semanas. Quando dura além desse limite, é chamada de crônica. Pode ser evidente no couro cabeludo, tronco e extremidades.

Jovem coçando a sua pele
Tanto jovens quanto idosos sofrem com o prurido. Esta é uma causa muito frequente de consultas médicas.

Principais causas de coceira na pele ou prurido

Como já mencionamos, o prurido pode acompanhar lesões cutâneas primárias. Se existirem, essas lesões sugerem um distúrbio dermatológico.

Por outro lado, em pessoas sem lesões cutâneas ou apenas com danos secundários causados pela coceira, deve-se considerar a possibilidade de causas sistêmicas fora da pele. Aqui, incluímos distúrbios neurológicos ou psicogênicos.

Pessoas com prurido e lesões cutâneas primárias

As doenças de pele mais comuns que causam coceira generalizada são:

  • Urticária: com a presença de lesões semelhantes a vergões que podem aumentar ou se fundir e desaparecer.
  • Escabiose: uma infestação causada por um ectoparasita, também chamada de sarna.
  • Prurigo: relativamente frequente em crianças, sendo uma forma rara que é nodular.
  • Eczema atópico: manchas ou placas inflamatórias no contexto de dermatite atópica e de contato.
  • Varicela: uma infecção viral que se manifesta como bolhas na pele.
  • Pitiríase rósea de Gilbert: lesões rosadas e escamosas.
  • Psoríase: doença caracterizada pela presença de escamas geradas por uma doença autoimune.

Pessoas com coceira na pele e sem lesões cutâneas primárias

Aqui, uma variedade de entidades causais podem ser apresentadas. Entre as mais comuns, estão as seguintes:

  • Insuficiência renal crônica: consiste na falha da função normal dos rins.
  • Doenças oncológicas: especialmente as do sangue, como policitemia vera e linfoma.
  • Colestase intra-hepática ou extra-hepática: falha do fluxo normal da bile.
  • Hipertireoidismo ou hipotireoidismo: alterações nos hormônios produzidos na glândula tireoide.
  • Pele seca ou xerose: os idosos merecem uma consideração especial, pois a coceira é comum nessa faixa etária. A desidratação pode ser a causa mais comum nessa população, embora possa ser devido a outros mecanismos. É caracterizada por tender a se localizar nas extremidades inferiores.

Coceira localizada

O prurido localizado na ausência de erupção cutânea sugere a possibilidade de prurido neuropático ou psicogênico. Em particular, esses pacientes podem sentir sintomas associados como ardência, dor ou perda sensorial.

A explicação está nos distúrbios de condução nervosa associados às neuropatias. Os nervos periféricos transmitem mal as informações e geram um estímulo de coceira na pele ou prurido, de modo que a pessoa sente a necessidade de se coçar com frequência.

Coceira intensa na pele

Cuidados gerais até obter um diagnóstico

O prurido é um distúrbio comum, entretanto, ainda não se conhecem com exatidão os mecanismos patogênicos que levam à sensação de coceira. Um componente chave da avaliação é a presença de um distúrbio cutâneo primário.

Caso sejam identificadas lesões cutâneas primárias, mas o diagnóstico permanecer incerto, poderá ser realizada uma biópsia de pele. Em termos gerais, a ausência de manifestações óbvias e visíveis sugere uma causa extradermatológica.

Embora muitas origens sejam triviais e resolvidas espontaneamente, há outras que exigirão uma avaliação profissional. Enquanto investiga-se a causa da coceira, a sugestão é a de manter as unhas curtas e limpas, coçar delicadamente com a palma da mão, evitar roupas apertadas, preferir tecidos de algodão a tecidos sintéticos e de lã e evitar tomar banhos muito prolongados e quentes.

Podem-se usar sabonetes neutros e cremes hidratantes. Não se recomenda o consumo de café, álcool e temperos apimentados, pois eles podem estimular a liberação de histamina. Existem muitos recursos para o tratamento, mas é indispensável seguir as orientações do médico.

Pode interessar a você...
O que é dermatite atópica?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
O que é dermatite atópica?

A dermatite atópica é uma doença de pele que aumentou nos últimos anos. Atualmente, um grande parte da população sofre com ela. Saiba como lidar co...



  • Castells M. and col, Mast cell-derived mediators, retrieved on 14 Sep 2020, Evidence-based Clinical Decision Support- UpToDate. https://www.uptodate.com/contents/mast-cell-derived-mediators?search=histamina&source=search_result&selectedTitle=1~150&usage_type=default&display_rank=1
  • Kasper y col., Principios de medicina interna de Harrison, edición número 19, Editorial McGrawHill.
  • Rubinstein A., Medicina familiar y práctica ambulatoria, editorial médica panamericana. Primera edición, 2001.
  • Fazio S., Pruritus: Overview of management, retrieved on 14 Sep 2020, Evidence-based Clinical Decision Support- UpToDate. https://www.uptodate.com/contents/pruritus-overview-of-management?search=prurito&source=search_result&selectedTitle=1~150&usage_type=default&display_rank=1
  • Fazio S., Pruritus: Etiology and patient evaluation, retrieved on 14 Sep 2020, Evidence-based Clinical Decision Support- UpToDate. https://www.uptodate.com/contents/pruritus-etiology-and-patient-evaluation?search=prurito&source=search_result&selectedTitle=2~150&usage_type=default&display_rank=2
  • SCOTT MOSES, M.D., Fairview Lakes Regional Health Care, Lino Lakes, Minnesota, Am Fam Physician. 2003 Sep 15;68(6):1135-1142.
  • Villa-Arango, Ana María, Margarita María Velásquez-Lopera, and Ricardo Cardona. “Prurito crónico.” Revista Alergia México 66.1 (2019): 85-98.
  • Chirinos, Maria Fabiola, et al. “Notalgia parestésica: el prurito anonimo.” Dermatología Venezolana 57.2 (2020).
  • Belda, Lydia Landete, and Esther Escriche Catalá. “Caso clínico complejo de lesiones cutáneas por prurito de origen renal.” Enfermería Dermatológica 10.29 (2016): 34-36.
  • del Valle Díaz, Sergio, et al. “Colestasis: un enfoque actualizado.” Medisan 21.7 (2017): 876-900.
  • Lagos, Armando, Andrés Tirado-Sánchez, and Rosa María Ponce-Olivera. “Actualidades en el tratamiento del prurito crónico.” Dermatología Revista Mexicana 60.3 (2016): 229-246.