Cirurgia de lente intraocular: quando é necessária?

A maioria das causas da diminuição da acuidade visual se deve a problemas dos meios refrativos. Uma boa solução para esses casos é a cirurgia de lente intraocular.
Cirurgia de lente intraocular: quando é necessária?

Última atualização: 23 Junho, 2021

O olho humano é uma estrutura anatômica que possui diferentes meios de refração, sendo o cristalino o mais importante de todos. Muitas patologias podem afetar as estruturas oculares, por isso é necessário tomar medidas corretivas. Um dos tratamentos disponíveis é a cirurgia de lente intraocular.

A principal função do meio de refração é fazer com que os raios de luz atinjam um ponto específico da retina para conseguir a acuidade visual máxima. Quando há um problema com a córnea ou com o cristalino, a luz atinge o ponto errado, o que pode causar vários problemas de visão na pessoa afetada.

A cirurgia de lente intraocular é o tratamento médico mais adequado para resolver problemas refrativos e cataratas. O procedimento consiste na introdução de uma lente natural transparente no olho para corrigir ou substituir toda a lente. É um campo no qual foram alcançados vários avanços e inovações.

O que pode modificar a função do cristalino?

O cristalino é a estrutura principal voltada para o redirecionamento da luz na retina. Quando sua função é prejudicada, as pessoas apresentam problemas de visão perceptíveis e outros sintomas oculares.

Doenças de vários tipos podem afetar essa estrutura, sendo a catarata uma das mais frequentes. Podemos definir esta patologia como a presença de uma opacidade na lente de magnitude muito variável.

É um problema associado à idade, sendo mais comum em pessoas idosas. Outras doenças do cristalino que afetam sua função são as seguintes:

  • Presbiopia.
  • Opacidade capsular.
  • Síndrome pseudoexfoliativa.

Por outro lado, existem distúrbios que, embora não afetem diretamente o cristalino, podem alterar a sua função. Entre eles estão a miopia, a hipermetropia e o astigmatismo. Todas essas condições alteram o ponto onde a luz atinge a retina, causando a visão turva.

Idosa com catarata
A catarata pode levar à cegueira e, portanto, a cirurgia é sugerida em casos avançados.

Você pode se interessar: Os 8 principais sintomas da catarata

Quando é necessário fazer cirurgia de lente intraocular?

A cirurgia de lente intraocular é uma técnica usada há muitos anos para corrigir problemas refrativos e eliminar a dependência de óculos ou lentes de contato. Seu uso era recomendado apenas em problemas graves, porém, nos últimos anos também tem sido utilizada para corrigir distúrbios de intensidade moderada.

Existem duas condições características em que se utiliza esse tratamento: doenças refratárias e catarata. Nesse sentido, a lente utilizada e o procedimento em geral podem variar dependendo da patologia.

Problemas de refração

Em linhas gerais, a cirurgia em questão é indicada para todos aqueles que apresentam problemas refrativos notórios. Além disso, também é prescrita para uso em pacientes não candidatos à cirurgia a laser nas camadas superficiais ou profundas da córnea.

As lentes usadas em pacientes com problemas de refração são intraoculares fácicas. Este tipo específico é colocado na câmara anterior ou posterior do olho sem a necessidade de remover o cristalino. Dessa forma, o artefato redirecionará a luz e a focalizará no ponto de maior acuidade visual da retina.

Catarata

A presença de opacidade na lente impede a passagem de luz por ela, de modo que uma pessoa com catarata pode ficar cega. Segundo o National Eye Institute, o uso de óculos ajuda nos estágios iniciais, mas os tratamentos disponíveis nos casos avançados são mais invasivos.

Uma das mais utilizadas em pacientes com catarata é a cirurgia de lente intraocular. Nesse caso, os médicos usarão lentes pseudofácicas para corrigir o problema, que envolve a remoção e substituição do cristalino. Esta operação também é útil em pacientes com presbiopia com mais de 45 anos de idade.

Como é a cirurgia de lente intraocular?

O procedimento é muito rápido e geralmente leva cerca de 30 minutos se não houver complicações. O preparo para a cirurgia começa uma semana antes, quando o oftalmologista faz pequenos orifícios com um laser entre a câmara anterior do olho e a lente para evitar o aumento da pressão intraocular.

O profissional também indica que o paciente aplique antibióticos e anti-inflamatórios no olho que será operado alguns dias antes para evitar complicações. De um modo geral, a cirurgia de lente intraocular é realizada através das seguintes etapas:

  • O paciente ficará deitado de costas e o profissional aplicará um anestésico local para inibir a inervação sensível do olho. Podem ser administrados sedativos para acalmar a pessoa.
  • A seguir, o médico eliminará os germes localizados na área dos olhos e procederá à abertura das pálpebras com um instrumento especial denominado espéculo oftálmico.
  • O cirurgião colocará um lubrificante na córnea para evitar lesões. Depois disso, realiza-se uma pequena incisão no olho para inserir a lente intraocular.
  • Por último, o especialista removerá o lubrificante da córnea e procederá ao fechamento da incisão com pontos muito finos.
  • Depois de concluída a sutura, o cirurgião colocará óleos lubrificantes na superfície ocular e fechará o olho com um curativo.

Benefícios da cirurgia

O maior benefício expresso pelos pacientes é a melhora considerável na acuidade visual após a colocação do dispositivo. Além disso, as lentes são tão finas que a diferença será imperceptível e não representará nenhum desconforto.

Outros benefícios da cirurgia de lente intraocular incluem os seguintes:

  • É capaz de curar condições severas que as lentes tradicionais não podem melhorar.
  • Melhora significativamente a visão noturna.
  • Elimina a dependência de óculos ou lentes de contato.
  • Pode ser removida se houver necessidade.
  • A recuperação é rápida e geralmente não gera secura ocular.
Cirurgia ocular

Possíveis riscos e complicações

Como acontece com todos os tratamentos cirúrgicos, a cirurgia de lente intraocular inclui riscos. No entanto, sua incidência é muito baixa.

Uma das complicações mais graves é a rotação da lente dentro do olho. É muito raro que isso aconteça, felizmente. Entre outras complicações, destacam-se as seguintes:

  • Edema da córnea.
  • Infecções pós-cirúrgicas.
  • Glaucoma e perda da acuidade visual.
  • Descolamento de retina.

Outra complicação da cirurgia é a formação de cataratas posteriores. No entanto, sua incidência também é baixa e não se associa à idade. Estudos encontraram o problema em apenas 46 pacientes de um total de 1.653 casos estudados.

Cirurgia de lente intraocular: uma solução de baixo risco

O procedimento cirúrgico em questão é o tratamento de escolha em alguns casos de catarata grave e problemas refrativos. É uma técnica rápida e minimamente invasiva com pouquíssimos riscos e complicações. As restrições que os pacientes apresentam também são poucas e pode ser praticada em idosos.

Uma das limitações da cirurgia de lente intraocular é que as pessoas devem consultar um especialista a cada 2 anos para verificar a condição da lente e a patologia subjacente. No entanto, este não parece ser um problema quando o comparamos com os benefícios obtidos.

Pode interessar a você...
As mudanças na cor dos olhos são preocupantes?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
As mudanças na cor dos olhos são preocupantes?

Mudanças na cor dos olhos são um fenômeno raro e alarmante para qualquer pessoa. Os olhos são uma das partes mais marcantes do rosto.



  • Martínez-Plaza E, López-Miguel A, Holgueras A, Barraquer R, Alió J, Maldonado M. Lentes intraoculares fáquicas: recientes avances e innovaciones. Archivos de la Sociedad Española de Oftalmología. 2020;95(4):178-187.
  • Packer M. The Implantable Collamer Lens with a central port: review of the literature. Clin Ophthalmol. 2018;12:2427-2438.
  • Gimbel HV, LeClair BM, Jabo B, Marzouk H. Incidence of implantable Collamer lens-induced cataract. Can J Ophthalmol. 2018;53(5):518-522.
  • Zhang J, He F, Liu Y, Fan X. Implantable collamer lens with a central hole for residual refractive error correction after corneal refractive surgery. Exp Ther Med. 2020;20(6):160.
  • Li Z, Xu Z, Wang Y, Liu Q, Chen B. Implantable collamer lens surgery in patients with primary iris and/or ciliary body cysts. BMC Ophthalmol. 2018;18(1):287.
  • Chen H, Feng X, Niu G, Fan Y. Evaluation of dry eye after Implantable Collamer Lens surgery. Ophthalmic Res. 2020 Sep 22.