Cefuroxima: usos e precauções

23 Outubro, 2020
Ao administrar este antibiótico, é importante notar que há uma série de grupos populacionais em que o efeito da cefuroxima pode causar sérios problemas.

A cefuroxima é um antibiótico que pertence à família cefosporina. Especificamente, é uma cefalosporina de segunda geração.

É usado para tratar infecções causadas por bactérias suscetíveis a antibióticos betalactâmicos. A cefuroxima tem atividade antimicrobiana contra microrganismos como:

  • Haemophilus influenzae.
  • Neisseria gonorrhoeae.
  • Borrelia burgdoferi.

É indicada quando esse tipo de bactéria desencadeia uma infecção nos ouvidos, garganta, seios paranasais, trato urinário e pele.

O que são os antibióticos?

É essencial entender bem esse termo para compreender corretamente como funciona a cefuroxima e qual é a sua origem. O termo antibiótico se refere a compostos químicos produzidos por um ser vivo, ou derivados sintéticos deles, que matam ou impedem o crescimento de certos tipos de microrganismos sensíveis.

Eles também são chamados de antibacterianos, pois geralmente são usados para combater infecções causadas por bactérias.

Dessa forma, eles visam erradicar ou matar as bactérias ou inibir o seu crescimento. Para isso, apresentam diferentes mecanismos de ação. Alguns afetam a síntese proteica, outros afetam a síntese de DNA, e outros afetam a parede celular, por exemplo.

Dependendo do mecanismo de ação que eles acionam, são classificados em uma família ou outra. No caso em questão, a cefuroxima pertence à família betalactâmica, sobre a qual falaremos mais tarde.

Por fim, cabe destacar a importância de evitar a automedicação com antibióticosEssa prática representa um sério problema de saúde pública.

Antibióticos

Mais sobre os betalactâmicos

Os betalactâmicos são antibióticos que devem sua ação à sua capacidade de inibir a síntese de peptidoglicano da parede celular. Especificamente, inibem o processo de transpeptidação. Para fazer isso, eles precisam entrar na célula para que possam fazer o seu efeito. Uma vez dentro, eles se unem a proteínas de fixadoras de penicilinas.

Os antibióticos pertencentes a este grupo são medicamentos de baixo espectro, ou seja, só são eficazes contra bactérias gram+. Além disso, são bactericidas, o que significa que provocam a morte do patógeno.

Por outro lado, são medicamentos que podem ser administrados por via oral e parenteral. Eles têm um bom perfil de segurança e, embora possam atravessar a placenta, também são usados durante a gestação.

Entre os mais usados, estão:

  • Penicilinas.
  • Cefalosporinas: é o grupo ao qual a cefuroxima pertence.
  • Monobactâmicos: ativo contra gram-.

Não deixe de ler: Excesso de higiene e resistência a antibióticos

Reações adversas da cefuroxima

Cefuroxima

Como outras cefalosporinas, a administração de cefuroxima pode desencadear uma série de efeitos adversos. Normalmente, os gastrointestinais predominam, como:

  • Desconforto.
  • Dor de estômago.
  • Vômitos.
  • Diarreia.

Como curiosidade, alguns pacientes que sofrem de alergia à cefalosporina foram detectados em cerca de 10% da população alérgica a penicilinas. No entanto, nenhuma alergia cruzada foi demonstrada entre penicilina e cefuroxima e outras cefosporinas de segunda geração e mais recentes.

Precauções para o uso da cefuroxima

Ao administrar este antibiótico, é importante notar que há uma série de grupos populacionais para os quais o efeito da cefuroxima pode causar sérios problemas. Entre essas situações que requerem uma cautela especial, podemos mencionar:

  • Reações de hipersensibilidade: antes de iniciar o tratamento, deve ser estabelecido se o paciente tem um histórico de reações de hipersensibilidade grave à cefuroxima, outras cefosporinas ou qualquer agente betalactâmico. Deve-se ter cuidado se a cefuroxima for dada a pacientes com histórico de hipersensibilidade não grave a outros agentes betalactâmicos.
  • Reações de jarisch-herxheimer: Esta reação pode ser desencadeada após o tratamento da doença de Lyme com cefuroxima. A reação é diretamente causada pela atividade bactericida da cefuroxima na bactéria causadora da doença de Lyme, Borrelia burgdoferi.
  • Crescimento excessivo de microrganismos não sensíveis: o uso de cefuroxima pode resultar em superinfecção provocada por Candida. Além disso, o uso prolongado pode desencadear uma proliferação de microrganismos que não são sensíveis a este antibiótico e que pode exigir a interrupção do tratamento.
  • Interferência com testes diagnósticos: O tratamento com este antibiótico pode alterar os resultados de alguns testes diagnósticos. Por exemplo, pode interferir com exames cruzados de sangue.

Descubra também: Como prevenir o abuso de medicamentos prescritos?

Conclusão

A cefuroxima é um antibiótico da família cefosporina. Inibe a síntese da parede celular das bactérias sensíveis, causando a sua morte.

É fundamental promover o uso racional deste medicamento e de outros antibióticos. A automedicação e o abuso estão causando um grande problema de saúde pública e complicações maiores no desenvolvimento clínico de novos medicamentos antimicrobianos.

  • Gutierrez Silva, C., & Guerrero Vasquez, E. (1991). Cefuroxima en el tratamiento de niños con neumonia complicada TT – Cefuroxime in the treatment complicated pneumonia in children. Bol. Venez. Infectol.
  • Ricardo Suárez, F. S., Carballo Hechavarría, B. L., Orges Ramírez, M., Sera Velázquez, S., Fernández Domínguez, T. M., & Sanchez Miranda, M. (2017). Efectividad y costos de la cefuroxima intracameral en la profilaxis de la endoftalmitis poscirugía de catarata. Revista Mexicana de Oftalmologia. https://doi.org/10.1016/j.mexoft.2016.03.005
  • García-Sáenz, M. C. (2006). La historia de la cefuroxima intraocular. Archivos de La Sociedad Espanola de Oftalmologia.
  • Revista Facultad de Medicina. CEFALOSPORINAS. DE LA PRIMERA A LA CUARTA GENERACIÓN. http://ve.scielo.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0798-04692002000200003
  • Enfermedades Infecciosas y Microbiología Clínica. Vol. 29. Núm. 9. Páginas 710-711 (Noviembre 2011).Reacción de Jarisch-Herxheimer grave en fiebre recurrente transmitida por garrapatas. https://www.elsevier.es/es-revista-enfermedades-infecciosas-microbiologia-clinica-28-articulo-reaccion-jarisch-herxheimer-grave-fiebre-recurrente-S0213005X11001777