Causas da tendinopatia do bíceps

27 de setembro de 2019
A principal causa da tendinopatia do bíceps é o uso excessivo da porção longa do bíceps. Principalmente, deve-se ao movimento repetitivo e frequente de colocar os braços por cima dos ombros.

A tendinopatia do bíceps é uma condição que afeta o tendão desse músculo. Em geral, não provoca consequências graves. O mais comum é que se perceba quando uma pessoa sente dor ao apenas mover o braço.

Há muitos fatores que favorecem o aparecimento da tendinopatia do bíceps. Entre eles, estão a atividade esportiva, a atividade profissional que implique o uso habitual de força nos braços e a idade. Embora seja pouco comum, esse problema pode levar à ruptura do tendão se não for adequadamente tratado.

Considera-se a tendinopatia como uma das principais causas de dor nos ombros. Começa com uma inflamação que causa dor, mas com o tempo pode levar a uma lesão crônica, na qual ocorre a ruptura parcial ou total do tendão.

O bíceps e seus tendões

A tendinopatia causa dor no braço

O bíceps é o músculo que está localizado na parte superior do braço. O tendão distal une a parte inferior do bíceps ao cotovelo. Por sua vez, os tendões proximais unem esse músculo ao ombro.

Os tendões são tecidos conjuntivos dotados de grande resistência. Os tendões proximais são dois: a porção curta e a porção longa. Ambos se unem à omoplata em vários pontos. Eles ajudam a sustentar a parte mais alta do braço na cavidade do ombro. Da mesma forma, facilitam o movimento do mesmo.

O bíceps está envolvido em vários movimentos. Participa da supinação do antebraço, ou seja, do movimento por meio do qual é possível girar as palmas da mão para cima. E também da flexão do cotovelo. Ao mesmo tempo, contribui para estabilizar a articulação do ombro.

O que é a tendinopatia do bíceps?

A patologia do bíceps abarca um amplo conjunto de lesões, que podem surgir tanto no ombro como na sua inserção no cotovelo. A tendinopatia do bíceps aparece quando há uma inflamação na porção longa dos tendões proximais.

O mais comum é que a tendinopatia do bíceps esteja associada a alguma patologia do ombro. A mais frequente é a lesão do manguito rotador. Este último corresponde ao conjunto de músculos e tendões que recobrem a cabeça do úmero. Permite levantar e girar os braços, além de proporcionar estabilidade ao mesmo.

A condição causa uma forte dor na parte anterior do ombro. Geralmente, aparece quando o braço é levantado acima do ombro. No entanto, essa condição faz com que se torne muito doloroso realizar atividades cotidianas, como vestir uma camiseta, arremessar uma bola, dormir sobre a região afetada, etc.

Leia também: Exercícios para ganhar músculo e força

Causas da doença

Mulher fortalecendo o bíceps
.

A causa mais frequente da tendinopatia do bíceps é o uso excessivo, seja devido a algum traumatismo, a uma atividade profissional ou esportiva, seja porque há alguma condição concomitante. As mais frequentes são doenças inflamatórias, lesões do manguito rotador, sequelas de lesões anteriores, traumatismos, choque subacromial ou síndrome de comprometimento.

Às vezes, a cabeça do úmero está anormalmente levantada e deslocada para frente. Isso causa danos secundários à porção longa do bíceps. Ocorre, então, um conflito entre a porção longa do bíceps e o acrômio. Por sua vez, isso gera um quadro conhecido como impacto ou comprometimento subacromial, que origina a tendinopatia do bíceps.

Por outro lado, tudo isso dá origem a uma inflamação, um edema ou pequenas rupturas. Se o problema progredir, ocorre uma degeneração crônica. Isso faz com que se altere o padrão normal de colágeno no tendão. Eventualmente, pode levar a uma ruptura parcial ou total do mesmo.

Leia mais: Espondilose cervical: sintomas e tratamentos naturais

A prevenção da tendinopatia do bíceps

Sem dúvida alguma, a principal maneira de prevenir uma tendinopatia do bíceps é evitando todas as atividades que exijam colocar os braços acima da cabeça com excessiva frequência. Em atividades esportivas como o beisebol e o tênis, por exemplo, esse tipo de movimento é muito comum.

Quando não for possível se abster de realizar esses movimentos, o mais adequado é realizar exercícios a fim de fortalecer a musculatura do ombro e da parte superior do braço. Se os músculos do ombro estiverem bem desenvolvidos, o braço não vai perder estabilidade e, portanto, estará menos propenso a sofrer lesões.

Finalmente, outra medida de prevenção é realizar esse tipo de movimento seguindo uma técnica apropriada. As posturas inadequadas ou incômodas submetem o ombro a um estresse excessivo, o qual termina desencadeando problemas como a tendinopatia do bíceps. Se você sentir dor, a atividade deve ser suspensa até passar por um exame médico.

Bard, H. (2012). Tendinopatías: etiopatogenia, diagnóstico y tratamiento. EMC-Aparato locomotor, 45(3), 1-20.