Carne de peru e carne de frango: quais são as diferenças?

Vamos mostrar as diferenças entre a carne de peru e a carne de frango, bem como os métodos de cozimento mais adequados para ambas. Embora semelhantes, existem pequenos detalhes que as distinguem.
Carne de peru e carne de frango: quais são as diferenças?

Última atualização: 10 Março, 2021

Carne de peru e carne de frango são dois alimentos saudáveis ​​que podem ser incluídos na dieta. Na verdade, ambos são recomendados para melhorar a saúde das pessoas, independentemente da sua idade.

Estes são dois alimentos que estão incluídos nas consideradas carnes brancasElas têm uma melhor reputação do que as carnes vermelhas, associadas a um maior risco de desenvolver doenças crônicas quando seu consumo é excessivo. Além disso, aqueles que são processados ​​pela indústria devem ser evitados, pois podem conter aditivos perigosos com efeitos no metabolismo.

Carne de frango

Este alimento se destaca pelo seu teor de proteínas, um nutriente comprovadamente essencial para garantir a saúde muscular adequada. Essas substâncias se caracterizam por seu alto valor biológico, por conterem todos os aminoácidos essenciais e por apresentarem níveis adequados de digestibilidade.

Além disso, a carne de frango apresenta um baixo percentual de gordura. É verdade que os lipídios que fornece são saturados, embora não representem um risco à saúde. A posição da ciência em relação ao consumo de ácidos graxos saturados tem variado muito nos últimos anos, como mostra um estudo publicado na Critical Reviews in Food Science and Nutrition.

Por outro lado, não se deve esquecer que este alimento se destaca pelo seu teor de vitaminas do complexo B. Esses micronutrientes são essenciais para o organismo e participam de uma infinidade de reações metabólicas relacionadas à obtenção de energia. A vitamina B12, por exemplo, é uma substância fundamental para prevenir a anemia.

Comprar carne de frango
O frango é uma carne branca que contém vitaminas do complexo B e proteínas.

Carne de peru

A carne de peru também possui proteínas de alto valor biológico em sua composição. Quase não existem diferenças entre os dois alimentos em termos de fornecimento desses nutrientes. A única coisa que pode ser especificada é que, dependendo da parte do animal consumida, a quantidade dessas proteínas pode ser maior ou menor.

No entanto, existem diferenças significativas na presença de gordura. A carne de peru não contém lipídios do tipo saturado. Na verdade, a sua quantidade total de gordura é consideravelmente menor do que a do frango. Além disso, a presença de colesterol é notavelmente menor.

Apesar de tudo, isso não tem implicações graves para a saúde. Os lipídios saturados não são considerados prejudiciais, desde que sejam cis, e não trans.

Finalmente, deve-se notar que a carne de peru contém uma quantidade maior de cálcio do que a frango: quase o triplo. Essa informação é interessante na hora de montar uma dieta com o objetivo de prevenir patologias ósseas. Há evidências de que a ingestão regular de cálcio reduz o risco de desenvolver osteoporose na velhice.

Você também pode se interessar: O que é melhor: lácteos integrais ou desnatados?

A forma de preparo da carne importa

Ao cozinhar carne de peru e carne de frango, certas considerações devem ser levadas em conta. A primeira é que as opções preferidas são grelhar, assar ou cozinhar em água. Desta forma, os ácidos graxos não sofrem variações, permitindo proteger a saúde.

Evite fritar esses alimentos, bem como empaná-los. Nessas situações, podem ser gerados compostos nocivos e até tóxicos à saúde humana, como as gorduras do tipo trans e a acrilamida. Ambas as substâncias são capazes de aumentar a inflamação sistêmica, afetando órgãos, tecidos e células.

Além disso, é melhor acompanhar estas carnes com vegetais. Desta forma, é possível garantir um fornecimento adequado de micronutrientes e antioxidantes.

No caso de querer introduzir um carboidrato, as opções preferidas são tubérculos, leguminosas e arroz integral. É importante evitar macarrão e pão, tanto quanto possível, uma vez que seu alto índice glicêmico pode ser prejudicial para o metabolismo dos açúcares em geral.

Carne branca com vegetais
A carne de peru é muito semelhante à de frango no seu teor nutricional, exceto pelo conteúdo de gordura.

Carne de peru e carne de frango são dois alimentos saudáveis

Carne de peru carne de frango podem ser incluídas em uma dieta saudável. Devem aparecer na dieta de forma regular, assumindo uma das fontes preferidas de proteínas de alto valor biológico. Além disso, acredita-se que seja uma boa opção que o consumo de carnes brancas supere o de carnes vermelhas.

Em qualquer caso, os métodos de cozimento influenciam o resultado final de ambos os produtos, que dificilmente apresentam diferenças significativas entre eles. O melhor é prepará-los na grelha ou no forno, podendo também cozinhá-los. Isso mantém a integridade dos ácidos graxos.

Não se esqueça de que a variedade é a base da alimentação, por isso, alterne esses produtos com outros alimentos com alto teor proteico, como ovos, peixes e laticínios.

Pode interessar a você...
3 receitas de espetinhos de peru saudáveis
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
3 receitas de espetinhos de peru saudáveis

A grande vantagem dos espetinhos de peru é que, sendo de carne branca, quando cozidos, podem ser muito saudáveis. Aprenda receitas deliciosas aqui!



  • Landi F., Calvani R., Tosato M., Martone AM., et al., Protein intake and muscle health in old age: from biological plausibility to clinical evidence. Nutrients, 2016.
  • Szajewska H., Szajewski T., Saturated fat controversy: importance of systematic reviews and meta analysis. Crit Rev Food Sci Nutr, 2016. 56 (12): 1947-51.
  • Cano A., Chedraui P., Goulis DG., Lopes P., et al., Calcium in the prevention of postmenopausal osteoporosis: EMAS clinical guide. Maturitas, 2018. 107: 7-12.
  • González, María Isabel Castro. “Ácidos grasos omega 3: beneficios y fuentes.” Interciencia 27.3 (2002): 128-136.
  • Manuzza, Marcela Alejandra, et al. “Índice glucémico y carga glucémica: su valor en el tratamiento y la prevención de las enfermedades crónicas no transmisibles.” Diaeta 36.162 (2018): 29-38.