O câncer afeta a saúde emocional

Assim como outras doenças crônico-degenerativas, o câncer afeta a saúde emocional dos pacientes de uma maneira muito significativa. Neste artigo, explicaremos os motivos.
O câncer afeta a saúde emocional

Última atualização: 01 Dezembro, 2020

O câncer é uma das doenças mais prevalentes no mundo. Somente em 2018, 18,1 milhões de novos casos foram diagnosticados. Além disso, estima-se que o número de pacientes continue a crescer nas próximas décadas, atingindo 29,5 milhões de novos diagnósticos em 2040. Embora ele tenha um impacto enorme na saúde física, não podemos nos esquecer de que o câncer também afeta a saúde emocional dos pacientes.

Embora as causas do câncer sejam multifatoriais – origem genética, infecções, radiação ou exposição a agentes cancerígenos químicos -, existe uma alta porcentagem de casos que ocorrem devido ao estilo de vida.

Cigarro, álcool, sedentarismo, estresse crônico, obesidade e dieta inadequada são fatores que aumentam direta ou indiretamente o risco de desenvolver um tumor maligno.

Assim como qualquer outra doença que se desenvolve ao longo do tempo e cuja taxa de mortalidade é alta, o câncer afeta a saúde emocional de uma maneira muito profunda.

Como os pacientes reagem ao diagnóstico?

Diante do diagnóstico de malignidade, os indivíduos reagem de maneiras muito diferentes, dependendo da sua personalidade e do significado que o câncer tem para eles. Segundo Moorey e Greer (1989), os pacientes respondem de acordo com seu próprio estilo de ajuste. Os cinco principais são:

  1. Luta. A pessoa adota uma atitude proativa em relação à doença, buscando informações e se engajando no tratamento.
  2. Negação. O paciente não fala sobre o problema e age como se não estivesse doente.
  3. Fatalismo. O paciente se coloca no pior cenário possível, possuindo dados objetivos para corroborar esse pensamento ou não.
  4. Desespero. O paciente tem um excesso de pensamentos negativos que favorecem um quadro depressivo.
  5. Preocupação ansiosa. O paciente sente uma grande dificuldade em gerenciar a incerteza gerada pela doença.
Diagnóstico de câncer
Quando diagnosticados com câncer, os pacientes podem ter várias reações. Suas emoções também vão mudando à medida que a doença progride.

As emoções do paciente mudam com o tempo?

Assim como os pacientes passam por diferentes fases da doença física, seus pensamentos, sentimentos e emoções também evoluem e se adaptam a cada estágio.

Portanto, a atitude será muito diferente se o paciente responder ao tratamento e houver uma cura, se houver remissão parcial, se houver recaída, se ele apresentar metástases ou se estiver em fase terminal.

Portanto, a personalidade anterior do paciente, mais o estágio do câncer em que se encontra, determinarão o ajuste psicológico da pessoa.

Como o câncer afeta a saúde emocional: ansiedade e depressão

A ansiedade e a depressão são as reações psicológicas mais frequentes em pacientes com câncer.

Depressão

Segundo vários estudosa prevalência de depressão pode variar entre 4% e 58% dos pacientes, dependendo do tipo de população estudada e do estágio em que os pacientes estão.

A média é de cerca de 40%, uma porcentagem muito alta em comparação com a população geral, que é de cerca de 3-5% em média na Europa.

Um quadro depressivo pode fazer com que o paciente controle menos os sintomas da doença e rejeite o tratamento com mais frequência.

Portanto, é importante que os familiares estejam familiarizados com os sintomas depressivos e mantenham uma comunicação direta com o psico-oncologista ou a pessoa encarregada de fornecer apoio emocional ao paciente.

Mulher em tratamento contra o câncer
A ansiedade e a depressão são comuns em pacientes com câncer. Por esse motivo, o apoio emocional é decisivo para enfrentar a doença.

Ansiedade

O câncer pode causar muitas situações nas quais os pacientes sentem nervosismo, e inclusive um medo intenso. Alguns dos motivos mais frequentes são:

  • Ansiedade reativa no momento do diagnóstico.
  • Dificuldade de gerenciar a incerteza.
  • Reativação de ansiedade prévia: fobias, ataques de pânico, ansiedade generalizada ou estresse pós-traumático.
  • Medo do sofrimento físico e da dor.
  • Sensação de perda de controle.
  • Angústia existencial.
  • A ansiedade incrementada pelos próprios tratamentos farmacológicos.
  • Sofrimento com a dor do ambiente familiar.
  • Medo dos tratamentos (efeitos colaterais, intervenções cirúrgicas, consequências físicas e psicológicas).
  • Medo da morte.

O apoio emocional é importante para um paciente com câncer

A taxa de sobrevivência do câncer melhorou nos últimos anos em muitas das suas tipologias, mas esta ainda permanece como uma doença mortal para muitos pacientes. 

Muitas vezes, a família e os amigos se concentram mais nos resultados dos testes ou biópsias e deixam o estado emocional do paciente em segundo plano. No entanto, estudos mostram que o paciente pode estar sofrendo de forma muito significativa.

Por esse motivo, é fundamental que a família e os mais próximos aprendam a fornecer apoio emocional ao paciente, seja através de formação específica, consultando-se com um terapeuta ou um especialista em psico-oncologia.

Pode interessar a você...
Benefícios de sair com os amigos para a nossa saúde emocional
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Benefícios de sair com os amigos para a nossa saúde emocional

Além de nos ajudar a nos desconectar dos problemas, sair com os amigos nos permite ter uma maior empatia e nos dá apoio psicológico.



  • García-Fabela, R. Prevalencia de depresión en una población de pacientes con cáncer (2010). Gaceta mexicana de oncología, Vol. 9 (3), 89-93. [último acceso el 10/05/20]. Disponible en: http://www.gamo-smeo.com/temp/GAMO%20V9%20No%20%203%20mayo-junio%202010.PDF#page=6
  • Gil, F.L., Costa, G., Pérez, F.J., Salamero, M., Sánchez, N. & Sirgo, A. (2008).  Adaptación psicológica y prevalencia de trastornos mentales en pacientes con cáncer.  Medicina clínica, Vol. 130, (3), 90-92. doi: 10.1157/13115354
  • Matías, J., Manzano, J.M., Montejo, A.L., Llorca, G. & Carrasco, J.L. (1995). Psicooncología: ansiedad. Actas luso-españolas de neurología, psiquiatría y ciencias afines, Vol. 23, (6), 305-309. [último acceso el 10/05/20]. Disponible en: https://www.researchgate.net/publication/329718399_1995_Actas_Psicooncologiaansiedad
  • Mota, C., Aldana, E., Bohórquez, L.M., Martínez, S. & Peralta, J.R. (2018). Ansiedad y calidad de vida en mujeres con cáncer de mama: una revisión teórica. Psicología y Salud, Vol. 28, (2) 155-165. doi: 10.25009/pys.v28i2.2551
  • Sociedad Española de Oncología Médica (2020). Las cifras del cáncer en España 2020. [último acceso el 10/05/20]. Disponible en: https://seom.org/seomcms/images/stories/recursos/Cifras_del_cancer_2020.pdf
  • Niedzwiedz CL, Knifton L, Robb KA, Katikireddi SV, Smith DJ. Depression and anxiety among people living with and beyond cancer: a growing clinical and research priority. BMC Cancer. 2019;19(1):943. Published 2019 Oct 11. doi:10.1186/s12885-019-6181-4