O que é e quais são os benefícios do taro?

O taro é semelhante à batata, à mandioca e ao inhame. É comum em muitas culinárias e representa uma alternativa saudável com um excelente sabor e uma textura muito leve.
O que é e quais são os benefícios do taro?

Última atualização: 09 Setembro, 2021

Conheça os benefícios do taro (Colocasia esculenta var. Schott), um alimento muito popular na América Central, no Havaí e em outras regiões tropicais do mundo. Também é conhecido pelos nomes de inhame-coco, inhame, taioba, taiova, taioba-de-são-tomé e matabala.

Graças à rápida difusão de vários tipos de gastronomia pelo mundo, seu consumo se espalhou há alguns anos. Isso se deve, em parte, às suas qualidades nutricionais e por ser uma excelente fonte de energia.

Descrição e características do taro

A raiz do taro vem de uma planta nativa da Papua Nova Guiné. No entanto, seu cultivo rapidamente se expandiu para outras regiões asiáticas, e hoje seu uso é comum em muitos países.

A parte comestível é o tubérculo que cresce no subsolo. Deve ser ingerido após o cozimento, caso contrário, é indigesto e pode causar irritação na boca e na garganta.

A casca externa é marrom e sua polpa é branca ou amarela com manchas roxas. Depois de cozido, tem um sabor bastante adocicado e uma textura muito semelhante à da batata e da mandioca.

Propriedades do taro e benefícios do seu consumo

A raiz de taro é uma excelente fonte de nutrientes e oferece inúmeros benefícios potenciais para a saúde.

Rico em nutrientes

Sua composição nutricional é muito interessante e valiosa. Estas são as principais contribuições por 100 gramas de alimento cru:

  • Água: 70,6 gramas.
  • Energia: 112 calorias.
  • Carboidratos: 26,5 gramas.
  • Fibra: 4,1 gramas.
  • Proteína: 1,5 gramas.
  • Lípidos: 0,2 gramas.
Corte de taro
Este alimento não é mais tão exótico e pode ser comprado em diferentes partes do mundo atualmente.

Controle glicêmico

Embora seja um vegetal com alto teor de carboidratos, a presença notável de fibras ajuda a controlar os picos de glicose no sangue. Como pode ser visto em alguns estudos, a ingestão de fibra alimentar retarda o esvaziamento gástrico e a glicemia pós-prandial em pacientes com diabetes tipo 2.

Risco reduzido de doença cardiovascular

Por algumas décadas, os especialistas recomendaram uma ingestão adequada de fibras, pois ela traz vários benefícios à saúde. Conforme detalhado no Australian Dietary Guide, algumas das descobertas estão diretamente relacionadas à saúde do coração:

  • O consumo de cada porção diária adicional de vegetais está associado a um risco reduzido de doença coronariana.
  • Os vegetais estão associados a um menor risco de acidente vascular cerebral.
  • O efeito protetor é mais forte com doses mais altas.

Prebiótico

Uma parte da fibra alimentar do taro está presente na forma de amido resistente. Ele é encontrado em alguns vegetais e não pode ser digerido no estômago. Por isso, chega intacto ao cólon, onde é degradado pelas bactérias intestinais.

Esse processo de fermentação traz diversos benefícios para o organismo. Conforme detalhado neste estudo, o amido resistente ajuda a aumentar o volume fecal, melhora a saúde intestinal e promove o controle glicêmico.

Favorece a perda de peso

A raiz de taro pode ser uma boa aliada no controle do peso corporal. Uma porção média de taro fornece entre 6 e 8 gramas de fibra. Este é um dos componentes que poderia facilitar a obtenção de um menor percentual de gordura corporal.

Um dos benefícios que os cientistas atribuem às fibras é a capacidade de retardar o esvaziamento gástrico. Isso pode aumentar a sensação de saciedade e evitar pequenos lanches calóricos ao longo do dia.

Fonte de energia

Os carboidratos são a principal fonte de energia do corpo humano. Na forma de amido, é um tipo de energia de liberação sustentada, permitindo que os níveis se mantenham estáveis por mais tempo.

Por isso, são altamente recomendados para atletas, crianças em fase de crescimento, adolescentes e adultos com atividade física significativa. Além disso, graças à sua ótima digestibilidade, textura e sabor suave, é perfeito para crianças e idosos com problemas de mastigação.

Possíveis usos na cozinha

Como mencionamos, o taro é um alimento muito presente na culinária das Índias Ocidentais e da Ásia. Suas aplicações culinárias são múltiplas e ele pode fazer parte das receitas tradicionais desses países, substituindo a batata.

Antes de cozinhar, é necessário retirar a casca e os pelos que podem estar presentes na superfície. Depois de bem lavado, ele passará pelo método de cozimento de sua preferência (fervido, cozido no vapor ou grelhado) e será servido sozinho ou como acompanhamento.

Os pratos em que pode ser introduzido são múltiplos, desde sopas e purés a ensopados, saladas, pães ou até doces. Em todas as receitas é possível acompanhá-lo com outros vegetais, carnes ou leguminosas.

Assim como acontece com a batata ou a mandioca, podemos preparar deliciosas “batatas-fritas” de taro, assadas ou fritas. Este é um lanche saboroso e original que pode ser servido como aperitivo ou acompanhamento.

Mandioca frita
Assim como a mandioca, o taro pode ser frito ou assado para preparar um aperitivo crocante.

Receita de purê de taro

Para preparar esta receita simples, os seguintes ingredientes são necessários:

  • 3 taros médios.
  • Sal e pimenta a gosto.
  • 1 xícara de leite desnatado.
  • 2 colheres de sopa de azeite de oliva extravirgem.
  • Ovo cozido, frango ou carne picada para acompanhar.

Para começar, descasque e lave bem o taro. Em seguida, leve para ferver em uma panela com água e cozinhe até ficar macio (entre 10 e 15 minutos, dependendo do tamanho).

Remova a água e adicione o taro em uma tigela ou no copo do liquidificador junto com o leite, azeite, sal e pimenta a gosto. Bata até obter um creme homogêneo. Esta etapa também pode ser realizada manualmente com a ajuda de um garfo.

Por fim, sirva em um prato junto com o ovo cozido ralado, o frango cozido ou a carne bovina. Se preferir, ele também pode ser temperado com um pouco de molho de tomate caseiro e especiarias a gosto.

Tire proveito dos benefícios do taro na sua dieta!

O taro ou raiz de taro é um tubérculo comestível com bastante amido, semelhante à batata, à mandioca e ao inhame. É um bom alimento para adicionar à dieta diária. Além de energia, fornece uma quantidade adequada de vitaminas e minerais.

Por este motivo, e graças à presença de alguns compostos fitoquímicos, o seu consumo é recomendado para melhorar a saúde e prevenir algumas doenças. Está relacionado a benefícios para o sistema cardiovascular, controle da glicemia e manutenção do peso corporal.

Pode interessar a você...
O que é o inhame selvagem e quais são as suas propriedades?
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
O que é o inhame selvagem e quais são as suas propriedades?

O inhame selvagem tem uma alta concentração de vitamina C, o que o torna adequado para potencializar o funcionamento do sistema imunológico.



  • Bird A.R, et al. Starches, resistant starches, the gut microflora and human health. Current Issues in Intestinal Microbiology. Marzo 2000. 1(1): 25-37.
  • Ellis E. Carbohydrates: part of a healthful diabetes diet. Academy of Nutrition and Dietetics. Noviembre 2020.
  • Food Data Central. Taro, raw. U.S Department of Agriculture. Agricultural Research Service. Abril 2018.
  • Fuentes-Zaragoza E, et al. Resistant estarce as prebiotic: a review. Starch. Julio 2011. 63(7): 406-415.
  • Howarth N.C, et al. Dietary fiber and weight regulation. Nutrition reviews. Marzo 2001. 59(5): 129-139.
  • National Health and Medical Research Council. Eat for Health. Australian Dietary Guidelines. Department of Health and Aging. Australian Government. 2013.
  • Streppel M.T, et al. Dietary fiber intake in relation to coronary heart disease and all-cause mortality over 40 years: the Zutphen Study. American Journal of Clinical Nutrition. Octubre 2008. 88(4): 1119-25.
  • Yu K, et al. The impact of soluble dietary fiber on gastric emptying, postprandial blood glucose and insulin in patients with type 2 diabetes. Asia Pacific Journal of Clinical Nutrition. 2014. 23(2): 210-8.