Técnica de autópsia neuropatológica

07 Julho, 2020
A autópsia neuropatológica compreende dois capítulos principais. O primeiro é uma autópsia craniana e o segundo é uma autópsia espinhal. Na primeira o encéfalo é liberado e, na segunda, a medula espinhal, para depois proceder ao seu estudo.

A autópsia neuropatológica é um procedimento realizado para identificar possíveis lesões no sistema nervoso que levam à morte. Essas lesões podem ser primárias ou secundárias.

As lesões primárias são aquelas que correspondem ao processo fundamental ou direto que conduz à morte, enquanto as lesões secundárias são aquelas que participam de outra patologia fundamental presente no organismo.

Na autópsia neuropatológica são realizados processos de extração e amostragem do sistema nervoso. Esses processos são regulados e variam em quantidade e localização, dependendo do fato de as lesões serem de caráter primário ou secundário.

A técnica de autópsia neuropatológica macroscópica compreende duas fases principais: a autópsia craniana e a autópsia da coluna vertebral. Na autópsia craniana o cérebro é removido e estudado. Na autópsia raquidiana o mesmo é feito com a medula espinhal, raízes e gânglios posteriores.

Etapas da autópsia neuropatológica

A remoção do cérebro

Remoção do cérebro para análise
A extração e a análise subsequente devem ser realizadas o quanto antes, se possível nas primeiras 24 horas.

Recomenda-se que a remoção do cérebro seja realizada dentro de 24 horas após a morte. Em geral, quem realiza esse procedimento é o patologista, um técnico e um assistente. As etapas para remover o cérebro são as seguintes:

  • Posicionamento do corpo na mesa de autópsias em decúbito supino. O pescoço e occipital devem ser colocados em um suporte de cabeça, com o objetivo de elevar o crânio e facilitar as manobras.
  • É realizada uma incisão com bisturi de um pavilhão auricular ao outro. A profundidade deve chegar ao periósteo, ou seja, muito perto do osso.
  • Posteriormente, os planos periosteocutâneos são separados, levando-os para frente e para trás. Com isso, o crânio é exposto.
  • É feito um corte com uma serra circular, começando pela parte frontal do crânio e virando até chegar ao mesmo ponto inicial. O corte não deve ultrapassar a dura-máter.
  • Abertura sinusal longitudinal superior. Abre-se da frente para trás. Uma pequena parte da dura-máter é retirada e cortada lateralmente. O cérebro deve ser exposto.
  • A área dos polos dianteiros continua a ser separada. A melhor técnica é fazê-lo com os dedos indicador e médio, usando movimentos delicados. O quiasma óptico e as demais partes dos nervos cranianos são então cortados. O cérebro deve ficar exposto.
  • Os dois lados da tenda do cerebelo são cortados com o bisturi.
  • Puxa-se suavemente o cérebro, o cerebelo e o tronco. Depois, corta-se o bulbo com o bisturi através do orifício occipital. O corte deve ser muito baixo para obter a amostra completa da medula oblonga. O cérebro deve ser completamente liberado.
  • As apófises clinoides posteriores são rompidas com o cinzel. Em seguida, a sela turca é ampliada com as mãos e a hipófise é removida com pinças e bisturi.

Leia também: As 4 doenças cerebrovasculares mais comuns

Manejo do cérebro na autópsia neuropatológica

Miniatura de cérebro
Após a extração, a amostra deve ser lavada e armazenada adequadamente em formol a 10%.

Uma vez que o cérebro é removido, deve ser pesado em uma balança. Em seguida, deve ser suspenso com um fio que vai do basilar ao tronco cerebral. Em seguida, o cérebro é deixado em flutuação em formol a 10%.

O recipiente deve ser hermeticamente fechado e rotulado. Normalmente é deixado lá por 15 dias, exceto nos casos em que há suspeita de doença do príon. Se for esse o caso, deve ser deixado por um mês, pelo menos.

Passado esse período é realizado o estudo macroscópico externo. O primeiro passo é lavar o cérebro em água por 24 horas. A palpação e a inspeção devem ser realizadas. Cortes coronais e amostragem são feitos para estudos microscópicos adicionais.

Você pode se interessar: A conexão entre a coluna e os demais órgãos

A autópsia da coluna vertebral

O outro grande capítulo da autópsia neuropatológica é a autópsia da coluna vertebral. Nesse caso, a primeira coisa a fazer é extrair a medula espinhal usando uma abordagem interna ou externa. Uma vez liberada, é deixada pronta para sua palpação e inspeção de ambos os lados.

Em seguida, procede-se à amostragem da medula espinhal. Para isso, realizam-se cortes transversais a cada 3 ou 4 centímetros. Se houver uma patologia medular específica, amostras representativas da lesão devem ser coletadas. As amostras devem ser colhidas nas regiões cervical, dorsal e lombar. Também do nível sacral, quando possível.

  • De Guevara, J. F. L. Técnica de la autopsia neuropatológica Técnica macroscópica de realización de la autopsia y procedimiento de obtención de muestras.