Às vezes não choro por fraqueza, mas por estar cansada de ser forte

Devemos dar a nós mesmos uma licença de vez em quando para podemos desabafar e nos conectarmos com nós mesmos. Isso não é fraqueza, mas sim conhecimento de nossos limites e capacidades.

Última atualização: 10 Fevereiro, 2021

Às vezes nos cansamos, chegamos ao limite de nossas possibilidade e, simplesmente, nos deixamos levar. Nesses momentos, você pode pensar que falhou ou que “você é fraca”, mas deve saber que chorar não é um sinal de fraqueza ou de possuir menos força interna, nem é um sinal de que “você não vale a pena”. Nem é o “fim” de tudo ou uma declaração definitiva de que você desistiu. Chorar nem sempre significa desistir de vez.

Às vezes, você não tem escolha a não ser recorrer a esse método de alívio porque está exausto e porque se sente cansado de ser forte porque a vida exige demais, e as pessoas ao seu redor às vezes, sem querer, não estão cientes de tudo que você passa.

É normal estar cansada de ser forte

Aprender a deixar o passado para trás é o primeiro passo para o crescimento pessoal.

É possível que você também tenha sido educada sob uma ideia de que as lágrimas devem ser “engolidas”. De que a vida é dura e que chorar não serve para nada. Esta ideia, a longo prazo, pode nos causar problemas muito sérios a nível emocional.

O fato de não chorar às vezes implica em não mostrar o que sente e se esconder sob a falsa desculpa de que “você está bem”. Se você insiste em parecer normal, escondendo sentimentos e problemas, no final você não o fará apenas na frente dos outros, mas também para si mesma.

As emoções que se escondem são problemas não enfrentados e não administrados. Segundo um estudo desenvolvido por vários pesquisadores da Universidade Camilo José Cela, isso pode acabar somatizando na forma de dores de cabeça, enxaquecas, fadiga, tensão muscular, tonturas, problemas digestivos, etc. Portanto, deixar de atender a um desconforto emocional pode posteriormente se traduzir em um maior desconforto com implicações físicas

Leia também: Descubra a importância de expressar as emoções

Você não pode ser forte todos os dias, assim como não pode esconder seu desconforto ou tristeza por muito tempo. Você deve se permitir aquele momento de alívio em que as lágrimas atuam como autênticas “libertadoras” do estresse, dos nervos e das emoções. Neste sentido:

  • Chorar cura.
  • As lágrimas são um alívio que compõe o primeiro passo da mudança. Assuma as suas emoções e liberte-as.
  • Após o choro, chega a calma. Nos sentimos mais relaxados para ver a realidade e tomar decisões.

Ser forte pelos outros também cansa, então dê a si mesma permissão para se cuidar

Só você sabe o que investiu para estar onde está. O que você teve que abrir mão pelos outros, pelas pessoas que você ama. E você fez isso de boa vontade porque era o que você queria, é algo que você sabe. Mas chega um momento em que parece que a vida e, mais ainda, as pessoas ao seu redor, não te tratam com o apreço que talvez você tenha demonstrado.

Você deve ser forte em uma sociedade que não coloca a facilidade em questões sociais e de trabalho. Mostrar força diante de uma família que às vezes não é tão fácil de conviver; diante de pais, irmãos ou companheiros que, às vezes, tendem a se priorizar demais, sem levar você em consideração.

E, de fato, há dias em que você se cansa de carregar a pressão e então… Você precisa chorar.

É importante estabelecer limites e dar apenas o que você é capaz de oferecer

Não é possível dar mais do que se tem. Portanto, também não é possível oferecer alegrias e felicidade aos seus entes queridos se eles não atendem a você e não te correspondem com o mesmo carinho, com o mesmo afeto.

Nesse sentido, como explica o livro Emoções Tóxicas: Como curar danos emocionais e ser livre para ter paz interior, de Bernardo Stamateas, a chave está no equilíbrio. Para ser forte, assuma as tarefas do dia a dia e cumpra os objetivos que tem em mente ao enfrentar as dificuldades; é importante gerenciar algumas chaves.

  • Ser forte significa primeiro ser bom consigo mesma. Cultive o crescimento pessoal, aproveite cada momento, os hobbies. Ame cada pessoa ao seu lado e, acima de tudo, ame a si mesma.
  • Os mais fortes são aqueles que sabem amar e, por sua vez, amar a si mesmos. E isso não significa que você seja egoísta.
  • Ser forte também exige a liberação de pesos que dificultam o avanço, prejudicam o bem-estar e causam sofrimento. É verdade que às vezes dói, mas é preciso deixar de dar prioridade a quem não te leva em consideração.

Cansada de ser forte? Permita-se descansar

Não carregue o peso do mundo nas costas. Carregue o que realmente é essencial para você, e não se esqueça de que o coração precisa de um espaço privilegiado para você. Além disso, se precisar chorar e descansar, faça isso. Não há nada de errado em querer descansar. É exatamente o oposto. O descanso é bom, útil e necessário.

O que queremos dizer com isso?

  • Você tem o direito de dizer que “você não consegue lidar com isso e aquilo”, que está além de você, que não vai assumir mais responsabilidades do que já tem.
  • Você também tem o direito de dizer que “você não aguenta mais”, que precisa de uma pausa.
  • Você tem o direito de pedir respeito, de exigir carinho, afeto e reconhecimento. Quem precisar de você deve entender que você também precisa dele.

E, claro, você tem o direito de ter aqueles momentos de alívio pessoal, de buscar um momento de intimidade para caminhar e pensar em si mesma, chorar, ouvir, tomar decisões e seguir em frente. Porque a vida é, afinal de contas, exatamente mesmo: caminhar pelos próprios caminhos vitais com o máximo de equilíbrio e bem-estar interior.

Pode interessar a você...
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
5 exercícios para controlar as emoções

Saber ter o controle de nossas emoções não implica ignorá-las ou reprimi-las. O que devemos fazer é aprender a enfrentá-los de forma saudável para alcançar o equilíbrio. Anote esses exercícios para controlar as emoções. Vão ser muito úteis!



  • Bernardo Stamateas. (2019). Emociones tóxicas: Cómo sanar el daño emocional y ser libres para tener paz interior. Ediciones B. Rústica.
  • Sara Laguna, Inés Magán Uceda. (2015). “Un estudio de la importancia de la regulación emocional y del afrontamiento en los episodios de dolor de cabeza”. EduPsykhé: Revista de psicología y psicopedagogía. https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5629528