As lesões que afastaram Serena Williams das quadras por um ano

Aos 40 anos, uma das tenistas de maior sucesso da história voltou às quadras. Apesar de não ter tido o retorno dos sonhos, ela quer deixar para trás uma série de problemas físicos que a afetaram por muito tempo.
As lesões que afastaram Serena Williams das quadras por um ano

Última atualização: 02 julho, 2022

Cada edição de Wimbledon é especial. Não há dúvida sobre isso. No entanto, este ano ficou marcado, entre outras coisas, pelo regresso de Serena Williams, afetada por lesões que a afastaram das competições durante 363 dias.

O retorno da mais nova das irmãs Williams não é um fato menor para este torneio. A americana foi consagrada nada menos que 7 vezes. Além disso, ela detém o recorde de ter sido a mais jovem campeã, aos 16 anos, nas duplas mistas de 1998.

Apesar dos seus inegáveis louros, é uma realidade que o tempo passa para todos. Aos 40 anos, a tenista teve que lutar contra algumas lesões para encerrar a carreira de atleta, competindo como merece.

A lesão que deixou Serena Williams um ano sem competir

Serena Williams voltou ao All England Lawn Tennis and Croquet Club, onde Wimbledon é disputado, após 363 dias. Nesse mesmo torneio, em 2021, ela teve uma lesão na perna direita que a obrigou a desistir na primeira rodada.

Mais precisamente, Williams sofreu uma ruptura no músculo isquiotibial. Este tipo de lesão consiste na ruptura das fibras que compõem o músculo.

É um problema que geralmente ocorre devido a uma contração repentina, abrupta ou repetida das fibras. Se estiverem fatigadas ou o estado de hidratação da pessoa for insuficiente, o risco é maior.

O isquiotibial está localizado na parte de trás da coxa. A área é composta por 3 músculos: o semitendinoso, o semimembranoso e o bíceps femoral. Todos são essenciais para os movimentos do joelho e quadril, tão necessários neste e em outros esportes.



Serena Williams tentará deixar as lesões para trás.
Os movimentos dos membros inferiores são intensos no tênis profissional, com corridas e freadas bruscas.

Outras complicações que afetaram Serena Williams

O que mais aconteceu com Serena Williams para ficar longe das quadras de tênis por tanto tempo?

Após os meses que o tratamento levou, Serena Williams teve que enfrentar uma condição antiga, mas bem conhecida: enxaquecas. No mundo dos esportes, é uma doença da qual se fala pouco, mas que pode ser muito incapacitante para quem a sofre.

 

Eu não me aposentei. Eu precisava me curar física e mentalmente, não tinha planos, só não sabia quando faria meu retorno e em que estado voltaria.

~ Serena Williams ~

Essas dores de cabeça agudas acompanham a tenista há muitos anos, mas, como ela disse à imprensa, pioraram durante a pandemia. A pressão no esporte, os problemas da vida pessoal e seus projetos empresariais podem ser alguns dos fatores que mais influenciaram no surgimento dos episódios, motivados também por aspectos hereditários e ambientais.

Para combater a enxaqueca, Serena Williams usou uma estratégia em duas frentes. Por um lado, reduziu sua carga de trabalho e suspendeu sua atividade esportiva. Por outro, ele seguiu o conselho de seu médico sobre medicamentos.

As fitas nos olhos de Serena Williams

Um dos detalhes que mais chamou a atenção durante o reaparecimento de Serena Williams após seus ferimentos foi o uso de fitas pretas sob o olho direito. Isso porque a tenista americana sofre de sinusite, doença que causa inflamação dos seios paranasais e provoca dor e dificuldade para respirar.

Como o caso de Williams é crônico, ele recorre a esses plasters (seu termo em inglês), para evitar desconforto. Tanto no treino quanto na competição, a falta de ar é um obstáculo para ela se ela não tomar esses tipos de medidas paliativas.

Serena Williams foi afetada por várias lesões em sua carreira.
A sinusite crônica, como a que Williams sofre, é difícil de combater. Afeta a dinâmica respiratória.

Deixar as lesões para trás é o objetivo

No ano passado, a atleta pretendia competir novamente em Nova York, no US Open, último Grand Slam do ano. No entanto, os problemas mencionados acima impediram isso.

Ao longo de sua carreira, as lesões de Serena Williams interromperam as apresentações em várias ocasiões. Por exemplo, ela teve que fazer duas cirurgias no joelho esquerdo. Ela também passou por uma cirurgia depois de sofrer vários cortes com vidro em um dos pés em uma festa. Um tendão também foi operado.

Finalmente, Serena Williams ainda teve que superar uma embolia pulmonar pela qual foi hospitalizada com urgência. Esta doença consiste na obstrução da passagem do sangue para os pulmões por um coágulo. É um distúrbio grave e com risco de vida, dependendo do tamanho do bloqueio e da artéria afetada.

Mas tudo isso faz parte do passado. Em 2022, a vencedora de 23 Grand Slams buscará retornar à sua melhor forma. Além disso, e o mais importante de tudo, ela tentará deixar no passado os fantasmas das lesões que lhe roubaram tanto tempo.

Pode interessar a você...
Fissura por estresse: a lesão que afastará Rafael Nadal das quadras
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Fissura por estresse: a lesão que afastará Rafael Nadal das quadras

Rafael Nadal anunciou que está com uma fratura por estresse nas costelas, e precisará ficar de fora das quadras por 4 a 6 semanas. Entenda!