As algas marinhas ajudam a tratar a endometriose?

As algas marinhas são usadas como adjuvantes contra os sintomas da endometriose. O que os estudos dizem sobre isso?
As algas marinhas ajudam a tratar a endometriose?

Última atualização: 25 julho, 2022

O uso de suplementos de algas marinhas (Fucus vesiculosus) tornou-se popular para o tratamento da endometriose. De acordo com seus promotores, sua atividade antiestrogênica atua positivamente contra os sintomas desta doença.

Em particular, acredita-se que promova o equilíbrio hormonal, regule o ciclo menstrual e reduza a dor. Mesmo assim, por enquanto não existem ensaios clínicos suficientes para apoiar essas propriedades e deve ser usada com cautela. Você quer saber mais sobre isso? Abaixo compartilhamos todos os detalhes.

O que você deve saber sobre endometriose

A endometriose é uma doença ginecológica crônica caracterizada pelo crescimento de tecido endometrial fora do útero. Em condições normais, o endométrio reveste o interior do útero e, em caso de gravidez, abriga e nutre o embrião.

Se a fecundação não acontecer, ele cai e ocorre a menstruação. No entanto, na endometriose, esse tecido geralmente está localizado nos ovários, trompas de falópio, bexiga urinária ou intestinos.

E embora também engrosse, desfaça e produza sangramento menstrual, provoca um processo inflamatório que se manifesta através de fortes dores menstruais, dispareunia (desconforto durante a relação sexual), sangramento excessivo, inchaço abdominal e infertilidade, entre outros sintomas.

A dor pélvica é geralmente o motivo para consultar um médico. O profissional confirma o diagnóstico por meio de exames complementares, como ultrassonografia, ressonância magnética e laparoscopia.

Depois disso, o tratamento pode incluir as seguintes opções:

  • Medicamentos, como anti-inflamatórios não esteroides (AINEs).
  • Anticoncepcionais hormonais.
  • Terapia com progesterona.
  • Agonistas e antagonistas do hormônio liberador de gonadotrofinas (GnRH).
  • Inibidores da aromatase (para reduzir os níveis de estrogênio).
  • Cirurgia laparoscópica.
  • Tratamento de fertilidade.
  • Remoção dos ovários.
  • Mudanças no estilo de vida, como melhorar a dieta e praticar exercícios.
A escolha de uma ou outra opção terapêutica depende de cada caso particular.

Além disso, há quem considere o uso de alguns suplementos fitoterápicos como adjuvantes para reduzir os sintomas e melhorar a qualidade de vida. As de algas marinhas estão entre as mais populares. Mas, isso funciona?

Dor da endometriose.
A dor da endometriose é intensa. Algumas pacientes devem suspender suas atividades diárias por causa do desconforto.

Propriedades das algas marinhas para o tratamento da endometriose

A endometriose é uma doença dependente de estrogênio; nesse sentido, o tratamento com algas marinhas parece benéfico devido às suas qualidades antiestrogênicas.

Especificamente, esses suplementos estão associados a uma diminuição da dor causada por esta doença. Eles também parecem ajudar a regular o ciclo menstrual e reduzir a inflamação.

No entanto, as evidências são bastante limitadas.

A pesquisa compartilhada através da BMC Complementary Medicine and Therapies descobriu que a administração de Fucus vesiculosus promove alívio da hipermenorreia e dismenorreia. Portanto, está associada à sensação de alívio na endometriose.

No entanto, seu conteúdo abundante de fitonutrientes também está ligado aos seus efeitos positivos contra esta doença. Conforme detalhado em um estudo compartilhado na revista Marine Drugs, alguns de seus principais componentes são os seguintes:

  • Carboidratos (abundantes em fibra dietética).
  • Lipídios poli-insaturados.
  • Proteínas.
  • Vitaminas.
  • Minerais.

Outra teoria sugere que a contribuição do iodo tem a ver com esses efeitos. Este e outros minerais nas algas ajudam a regular a atividade da glândula tireóide. Portanto, eles promovem o equilíbrio dos hormônios no sangue.

Uma dieta pobre em iodo tem sido associada ao desequilíbrio hormonal associado à endometriose, miomas uterinos e outros distúrbios da saúde reprodutiva.

Riscos potenciais do tratamento com algas marinhas

Embora os suplementos de algas marinhas estejam ligados a propriedades benéficas contra a endometriose e outras doenças, não se deve ignorar que sua ingestão traz certos riscos. Coincidindo com um estudo em Nutrition Reviews, alguns de seus possíveis efeitos indesejados são os seguintes:

  • Ingestão excessiva de iodo. Embora este oligoelemento beneficie a tireóide, em excesso tem o efeito oposto. Está associado a distúrbios como bócio e câncer de tireóide.
  • Seu suprimento abundante de potássio pode ser prejudicial para aqueles com doença renal.
  • Devido ao seu teor de vitamina K, pode interferir no efeito de medicamentos anticoagulantes.
  • As algas marinhas podem conter metais pesados, como arsênico, cádmio, mercúrio ou chumbo.
Algas comestíveis para tratar a endometriose.
As algas marinhas têm uma aplicação variada na gastronomia. No entanto, seu efeito terapêutico é sugerido com a ingestão na forma de suplementos.

Como as algas marinhas são consumidas?

Em alguns países, como o Japão, as algas marinhas são incluídas na dieta regular como um vegetal. No entanto, em outros lugares, elas são frequentemente consumidas com mais regularidade como suplemento, em pó ou em comprimidos.

É importante ler o rótulo e respeitar a dosagem recomendada pelo fabricante. Em qualquer caso, antes de usar este tipo de produto, é melhor consultar o seu médico.

O que devemos para lembrar?

Embora as algas marinhas tenham se tornado populares entre aqueles que procuram tratamentos complementares para a endometriose, a verdade é que não há evidências suficientes sobre sua segurança e eficácia.

Acredita-se que suas propriedades antiestrogênicas ajudem, mas são necessários mais estudos. Portanto, esta opção não deve ser um tratamento de primeira escolha. A melhor alternativa é seguir as instruções do especialista.

Pode interessar a você...
Óleo de algas: uma fonte de ômega 3 e DHA
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Óleo de algas: uma fonte de ômega 3 e DHA

O óleo de algas é um produto de qualidade que pode ser incluído regularmente na dieta para aumentar a ingestão de ômega 3.



  • Tsamantioti ES, Mahdy H. Endometriosis. [Updated 2022 Feb 26]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2022 Jan-. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK567777/
  • Catarino MD, Silva AMS, Cardoso SM. Phycochemical Constituents and Biological Activities of Fucus spp. Mar Drugs. 2018 Jul 27;16(8):249. doi: 10.3390/md16080249. PMID: 30060505; PMCID: PMC6117670.
  • Bilal, M. Y., Dambaeva, S., Brownstein, D., Kwak-Kim, J., Gilman-Sachs, A., & Beaman, K. D. (2020). Iodide Transporters in the Endometrium: A Potential Diagnostic Marker for Women with Recurrent Pregnancy Failures. In Medical Principles and Practice (Vol. 29, Issue 5, pp. 412–421). S. Karger AG. https://doi.org/10.1159/000508309