Artrose de coluna: diagnóstico e tratamento

18 de junho de 2019
Adultos acima de certa idade mostram sinais de degeneração discal.

A artrose de coluna é a degeneração do núcleo pulposo do disco intervertebral, que perde espessura e densidade. É produzida pelo desgaste normal do disco intervertebral.

Como a artrose de coluna vertebral evolui?

Artrose nas vértebras

Na juventude, o disco é espesso e de consistência gelatinosa. Mas, com o passar dos anos, o disco desidrata e perde altura quando a composição do núcleo pulposo muda.

Dos 30 aos 40 anos, é normal que a radiologia mostre sinais iniciais de artrose vertebral. Eles aparecem em algum nível da espinha, com ou sem dor presente.

Assim, quando o disco se desgasta, sua capacidade de amortecimento diminui, a carga suportada pela vértebra aumenta e o osso cresce, aparecendo osteófitos ou bicos de papagaio, que às vezes podem se juntar às vértebras adjacentes.

Mas, eles só causam problemas nos casos em que produzem uma estenose espinhal ou comprimem o nervo. Os fatores genéticos, nutricionais, traumáticos e mecânicos, por exemplo, é que influenciam no aparecimento mais ou menos precoce desse processo e em sua progressão.

80% da população em geral tem dor nas costas em algum momento da sua vida, e todos os adultos acima de uma certa idade mostram sinais de degeneração do disco.

Fatores de risco

Diferentes estudos científicos mostraram que:

  • O excesso de peso corporal não acelera a degeneração do disco. Pelo contrário, um aumento progressivo do peso corporal de até 12 kg atrasa a degeneração. Embora o efeito seja desconhecido quando o excesso de peso é maior.
  • Fumar tem um efeito negativo.
  • Trabalhar com cargas pesadas também tem um efeito mínimo na degeneração.
  • A carga genética é o principal determinante da degeneração discal.

Também pode te interessar ler: Prevenção e sintomas da artrose

Sintomas da artrose de coluna vertebral

Alguns dos sintomas da artrose de coluna são:

  • Dor lombar que vem e vai.
  • Rigidez da coluna pela manhã que é aliviada no decorrer do dia e diminui com a atividade.
  • Dor lombar que irradia para as nádegas, coxas e região pélvica.
  • Perda de força nas pernas.
  • Dor e rigidez no pescoço.
  • Limitação da mobilidade na coluna e dificuldade em se inclinar e andar.

À medida que o disco se desgasta, a musculatura tem que fazer progressivamente mais trabalho para sustentar a coluna e manter o equilíbrio durante o movimento. Se a musculatura é suficientemente poderosa e resistente, e os diferentes grupos musculares se coordenam bem, você pode fazer esse esforço extra.

No entanto, os estudos realizados mostram que não há correlação entre o grau de desgaste do disco intervertebral e a existência ou não de dor.

Quanto maior o desenvolvimento muscular, menos direta é essa relação. Por isso, há casos em que sinais de degeneração muito avançada são observados em pessoas que não têm dor, mas uma musculatura resistente.

Leia também: Dicas para prevenir a artrose a partir dos 35 anos

Como o diagnóstico é feito?

Artrose de coluna

O diagnóstico da artrose de coluna vertebral é baseado em sintomas como dor, rigidez e limitação de movimento. Além disso, considera-se a exploração em que a dor e a mobilidade limitada da região lombar são geralmente destacadas. Os exames complementares solicitados com maior frequência são as radiografias da coluna.

Tratamento

O objetivo do tratamento é aliviar a dor e melhorar a qualidade de vida. Para isso, várias alternativas estão disponíveis, tais como: medidas físicas, remédios e cirurgia.

O tratamento consiste no uso de analgésicos como o paracetamol. No entanto, se não for suficiente, eles podem estar associados a anti-inflamatórios durante a fase aguda da dor. Nos casos em que os anti-inflamatórios não podem ser usados, os analgésicos opioides, como o tramadol, podem ser úteis.

As pessoas afetadas pela artrose grave de coluna podem ter uma complicação neurológica associada. Nesses casos, a compressão de um nervo ou a estenose do canal torna necessário o tratamento de outros tipos de medicamentos, como a pregabalina ou a gabapentina.

Por fim, diretrizes e tratamentos dirigidos por um fisioterapeuta também são úteis. Assim, combinando todas as opções aliviamos os sintomas da artrite de coluna vertebral.

  • Wieczorek, M., & Rat, A.-C. (2017). Generalidades sobre la artrosis: epidemiología y factores de riesgo. EMC – Aparato Locomotor. https://doi.org/10.1016/s1286-935x(17)86066-4

  • Gonzalez, F., Mustaf, O., & Antezana, A. (2011). Alteraciones Biomecánicas Articulares en la Obesidad. Gac Med Bol.

  • Miralles Marrero, R. C. (2006). Biomecánica de la artrosis. In DOLOR.