Apoio familiar em pessoas transgênero: um fator determinante

Em uma sociedade onde as pessoas transgênero ainda são julgadas e rejeitadas em muitas situações, o apoio familiar é essencial para combater o estigma.
Apoio familiar em pessoas transgênero: um fator determinante

Última atualização: 02 junho, 2022

Embora estejamos no século 21, as pessoas transgênero ainda enfrentam muitos comportamentos e comentários discriminatórios. De fato, a probabilidade de encontrarem obstáculos sociais é muito alta, dada a pouca normalização de sua condição.

Por isso, e como veremos neste artigo, o apoio da comunidade é especialmente importante para melhorar suas condições de vida atuais. E especificamente, o apoio emocional da família parece ser decisivo.

De quem estamos falando quando dizemos “pessoas transgênero”?

De acordo com a American Psychological Association, transgênero é um termo abrangente que define pessoas cuja identidade de gênero, expressão de gênero ou comportamento não está de acordo com o geralmente associado ao sexo atribuído a elas no nascimento. O conceito mais oposto é o de cisgênero, que se refere a pessoas cuja identidade de gênero coincide com o sexo que lhes foi atribuído no nascimento.

Da mesma forma, existem muitas outras pessoas que não se identificam com nenhum dos dois rótulos e se sentem mais à vontade dentro de um gênero fluido, um bigênero, um intergênero ou sem gênero, por exemplo.

É importante lembrar que a identidade de gênero não está relacionada à orientação sexual. Assim, uma pessoa transgênero pode ser heterossexual, bissexual, homossexual, assexual ou não querer se definir sob esses rótulos.

Situações discriminatórias mais comuns

De acordo com o artigo primeiro da Declaração Universal dos Direitos Humanos, todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. E dotados de razão e consciência, devem se comportar fraternalmente. No entanto, a realidade é outra e está repleta de situações em que esse preceito não é cumprido.

As pessoas transgênero são marginalizadas em muitas áreas. Por exemplo, a nível laboral, sofrem uma discriminação muito acentuada. O desemprego para este grupo, em alguns países, está perto de 90%. Isso as coloca em maior risco de pobreza porque não têm as mesmas oportunidades.

E algo inusual que elas ocupem cargos relevantes dentro de empresas privadas ou tenham cargos públicos. No entanto, no âmbito de trabalho não é o único em que as dificuldades são encontradas.

Grande parte das pessoas transgênero já foi agredida em algum momento de suas vidas. Também sofrem discriminação nos cuidados primários ou quando procuram alugar casa. Mesmo seu próprio ambiente é muitas vezes aquele que mais as julga e discrimina.

Discriminação por ser transgênero.
A discriminação contra pessoas transgênero causa desemprego, pobreza e vulnerabilidade.

O apoio familiar como fator determinante

A adolescência é uma fase repleta de mudanças muito importantes e em que muitas pessoas têm uma maior consciência de sua identidade de gênero. As razões são variadas; desde mudanças externas, como um relacionamento mais adulto com os pares, até as mudanças fisiológicas que ocorrem e que destacam características sexuais secundárias.

Isso pode ser um estressor adicional para muitos adolescentes, uma vez que sua identidade de gênero e aquela esperada pelo ambiente não precisam coincidir. O que pode tornar a autoaceitação muito difícil. Esta situação pode ser muito angustiante se adicionarmos uma rejeição externa explícita.

De acordo com algumas pesquisas, adolescentes transgênero são mais vulneráveis a psicopatologias como depressão, ansiedade, uso de substâncias e ideação e comportamento suicida ( Toomey et al., 2018 ).

No entanto, esses números são reduzidos quando a pessoa transgênero se sente aceita e apoiada por sua família. Por isso, o papel dos mais próximos de nós é essencial.

Isso é determinado por uma das conclusões de um estudo da Universidade de Stanford ( Hale et al., 2021 ). Segundo os autores, a percepção dos adolescentes transgênero sobre o apoio de seus pais é um fator chave para sua saúde mental.

Como a família pode apoiar as pessoas transgênero?

Quando os jovens no estudo da Universidade de Stanford foram questionados sobre quais ações de seus pais eles achavam mais favoráveis, eles responderam ser chamados pelos nomes escolhidos. Embora possam parecer aspectos simples, para eles isso foi determinante para se sentir bem em casa.

Por outro lado, quando os pais foram questionados, eles acreditavam que levar seus filhos a uma clínica especializada em gênero e fornecer recursos para eles era o que mais poderia ajudá-los.

Além do ponto de vista diferente, deve-se notar que os jovens classificaram seus pais como mais solidários do que os pais pensavam de si mesmos. É como se os pais tivessem a sensação de que não estavam fazendo o suficiente. Em vez disso, os adolescentes achavam que seus pais estavam sendo bons.

É claro que as conclusões do estudo de Stanford não precisam coincidir com o sentimento individual de outras crianças, jovens ou adultos transgênero. No entanto, sabendo que o apoio familiar é essencial para uma boa saúde mental, é algo a ter em conta para que a interação familiar seja o mais respeitosa, acolhedora e amorosa possível.

Terapia familiar com uma criança transgênero.
Embora os pais acreditem que as consultas especializadas sejam o melhor suporte para seu filho transgênero, o trato dentro de casa é mais relevante para crianças e adolescentes.

O apoio familiar para pessoas transgênero deve ser a norma

Ser julgado e rejeitado por uma parte importante da população não é uma situação fácil de lidar emocionalmente. Não é para qualquer um, muito menos para quem sofre discriminação com frequência, como é o caso das pessoas transgênero.

É verdade que hoje há avanços e que é um grupo que tem cada vez mais visibilidade, mas ainda temos um longo caminho a percorrer como sociedade para que as pessoas transgênero não sofram nenhum tipo de discriminação.

Por isso, é fundamental que as famílias, eixo fundamental dos jovens, tenham consciência do importante papel que desempenham para que um jovem viva sua identidade de gênero da maneira mais saudável e natural possível.

Pode interessar a você...
O que é a homofobia internalizada?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
O que é a homofobia internalizada?

Você já ouviu falar da homofobia internalizada? Neste artigo, descubra suas características, consequências e como evitá-la.



  • Declaración Universal de los Derechos Humanos. [fecha de consulta 24 de mayo de 2022]. Recuperado de https://www.un.org/es/documents/udhr/UDHR_booklet_SP_web.pdf
  • Hale, A., Chertow, S.Y., Weng, Y., Tabuenca, A. and Aye, T. (2021). Perceptions of Support Among Transgender and Gender-Expansive Adolescents and Their Parents. Journal of Adolescent Health, Vol. 68 (6): 1075-1081. [fecha de consulta 24 de mayo de 2022]. doi: https://doi.org/10.1016/j.jadohealth.2020.11.021
  • Su, D., Irwin, J., Fisher, C., Ramos, A., Kelley, M., Rogel, D.A.  y Coleman, J.D. (2016). Mental Health Disparities Within the LGBT Population: A Comparison Between Transgender and Nontransgender Individuals. Transgender Health, Vol. 1 (1): 12-20. [fecha de consulta 24 de mayo de 2022]. doi: http://doi.org/10.1089/trgh.2015.0001
  • Toomey, R. B.,  Syvertsen, A.K. and Shramko, M. (2018). Transgender Adolescent Suicide Behavior. Pediatric, Vol. 142 (4). [fecha de consulta 24 de mayo de 2022]. doi: https://doi.org/10.1542/peds.2017-4218