Aplasia medular: tudo que você precisa saber

A aplasia medular costuma estar associada a sintomas anêmicos, sangramento e aumento da suscetibilidade a infecções. Explicamos por que ocorre e como é o tratamento.
Aplasia medular: tudo que você precisa saber

Última atualização: 09 Julho, 2021

A aplasia medular é uma doença que afeta a medula óssea. Este é um tecido esponjoso encontrado dentro dos ossos longos, vértebras, pelve, cintura escapular e outros. É responsável pela produção de células sanguíneas, como glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas.

O que acontece na aplasia medular é que as células da medula óssea que dão origem aos diferentes tipos de células sanguíneas desaparecem. Portanto, todas elas diminuem. Isso pode causar anemia, aumento da sensibilidade a infecções e problemas de coagulação.

Infelizmente, existem muitas circunstâncias que podem desencadear a doença. O tratamento é fundamental, pois é uma situação grave. Neste artigo, explicamos tudo que você precisa saber sobre o distúrbio e como podemos tratá-lo.

O que é a aplasia medular?

A aplasia medular é uma doença da medula óssea. Consiste no desaparecimento total ou parcial das células precursoras hematopoiéticas.

Essas células são as que dão origem às células sanguíneas, como hemácias, leucócitos e plaquetas. Portanto, quando não estão presentes, ocorre uma diminuição em todas essas linhagens celulares.

As células sanguíneas são essenciais para a vida. Os glóbulos vermelhos são responsáveis ​​pelo transporte de oxigênio para os tecidos. Os leucócitos são essenciais para o funcionamento do sistema imunológico. As plaquetas (que são fragmentos celulares maiores) são responsáveis ​​pelo processo de coagulação.

A aplasia medular envolve a alteração de todas essas funções. Portanto, pode levar a uma síndrome anêmica (chamada anemia aplástica), sangramento e infecção.

A aplasia medular pode ser parcial ou total, o que torna a sua gravidade variável. Segundo um estudo publicado na Revista Cubana de Hematologia, Imunologia e Hemoterapia, estima-se que a incidência esteja entre 2 e 6 pessoas por milhão de habitantes.

Glóbulos brancos e vermelhos
A aplasia medular afeta todas as células sanguíneas; portanto, esta condição é grave.

Quais são as suas causas?

Várias situações podem causar a aplasia medular. Em geral, as origens dividem-se em congênitas ou adquiridas.

A congênita é aquele que está presente desde o nascimento. Este grupo inclui a anemia de Fanconi. É uma doença hereditária rara que se transfere de forma autossômica recessiva. Causa uma diminuição em todos os tipos de células sanguíneas.

Por outro lado, como explica um artigo da Fundação Josep Carreras, as causas adquiridas são as mais frequentes. São aquelas em que as células-tronco hematopoéticas desaparecem, seja por dano direto à medula ou por mecanismos imunológicos.

Em quase 80% dos casos não é possível identificar a causa da aplasia. Por isso, diz-se que é uma forma idiopática. Algumas das etiologias que costumam ser identificadas são as seguintes:

  • Drogas ou agentes químicos: pesticidas ou benzeno.
  • Infecções virais: hepatite, vírus da imunodeficiência humana, vírus Epstein-Barr e citomegalovírus.
  • Tratamentos de radiação e quimioterapia: geralmente são temporários.

Sintomas de aplasia medular

Como ressaltamos no início, a aplasia medular pode ser parcial ou total. Na parcial, ainda há uma pequena produção de células sanguíneas, de modo que os sintomas podem ser um pouco mais leves do que na total.

Além disso, os sinais variam dependendo da linha celular afetada. De acordo com a Clínica Universidad de Navarra, se a produção de glóbulos vermelhos for afetada, surge a anemia aplástica, que provoca fadiga, falta de ar, palidez da pele e taquicardias. Também é comum que haja tonturas, vertigens ou cãibras.

Quando os leucócitos são afetados, o que ocorre é que o paciente tem uma suscetibilidade muito elevada a infecções. Geralmente são causadas ​​por germes raros e duram mais do que o normal.

Finalmente, a aplasia medular pode envolver uma alteração na síntese plaquetária. Estes são os fragmentos celulares que intervêm no processo de coagulação. É por isso que é comum o aparecimento de hemorragias.

Como se diagnostica a aplasia medular?

Para diagnosticar esta patologia, primeiro é importante conhecer o histórico médico do paciente. É fundamental saber se ele já está sob algum tratamento, se tem outras patologias e quais são os seus sintomas.

Também são necessários alguns exames complementares para confirmar o diagnóstico. O exame de sangue é a chave. Através dele, será possível quantificar os níveis de glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas. Nas pessoas com aplasia medular, essas células estarão abaixo dos limites normais.

Outro exame que pode auxiliar no diagnóstico é a biópsia, que consiste em extrair uma pequena amostra da medula óssea. Geralmente é feita no osso do quadril.

Biópsia para detectar aplasia medular
A biópsia da medula óssea tem indicações específicas e pode confirmar patologias oncológicas.

Quer saber mais? Então leia também: Doação de medula óssea: tudo que você precisa saber

Opções de tratamento da aplasia medular

A aplasia medular pode pôr em risco a vida do paciente. Quando se trata de um caso grave, geralmente é necessário internar a pessoa afetada.

Uma das técnicas que costumam ser utilizadas é a transfusão de sangue. Não é uma abordagem curativa, mas pode ajudar a controlar os sintomas de anemia e sangramento. No entanto, quando são realizadas de maneira frequente, podem trazer certas complicações.

Outra opção é o transplante de células-tronco. Como a anemia aplástica consiste na deficiência de células hematopoiéticas, essa medida pode ajudar a gerar novas.

É difícil encontrar doadores compatíveis. Além disso, o corpo pode rejeitar o transplante, o que traz consequências fatais ao paciente. É uma opção curativa, embora requeira imunossupressão contínua do paciente e longa permanência no hospital.

Atualmente existem medicamentos que atuam como estimulantes da medula óssea, como o filgrastim. São medicamentos que geralmente se associam a imunossupressores, como a ciclosporina.

Os imunossupressores são úteis se a causa da aplasia da medula óssea for um distúrbio do sistema imunológico. Também ajudam a manter o paciente até que se realize um transplante de medula óssea.

Uma doença rara, mas muito grave

A anemia aplástica é uma doença grave que causa diminuição das células sanguíneas. Existem muitas causas que podem levar a esta patologia. No entanto, em uma grande porcentagem de pacientes, não se pode determinar a razão exata pela qual ela ocorreu.

O problema é que essas pessoas podem sofrer de anemia grave, problemas de coagulação e infecções frequentes e prolongadas. Portanto, é importante estabelecer um tratamento o mais rápido possível. Caso contrário, a pessoa corre sério risco de morte.

Pode interessar a você...
O que é a anemia de Fanconi?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
O que é a anemia de Fanconi?

A anemia de Fanconi é uma doença hereditária, ou seja, é transmitida entre os familiares. Afeta principalmente a medula óssea.