Anti-inflamatórios naturais: conheça-os!

· 9 de março de 2019
Consumir anti-inflamatórios em excesso pode causar vários problemas. Por isso, para aumentar a eficiência destes, existem alimentos com boas propriedades para combater inflamações. Conheça-os a seguir!

Tomar anti-inflamatórios em excesso pode causar úlcera, gastrite, problemas cardiovasculares e hipertensão. Por isso, para ajudar o organismo a combater uma inflamação de um modo mais natural, alguns alimentos podem reforçar o processo de cura da doença.

Conheça alguns exemplos de anti-inflamatórios naturais.

Anti-inflamatórios naturais

Shitake

O shitake é um cogumelo rico em proteínas e contém poucas calorias, mas possui um alto teor de lentinano; nutriente que estimula a produção de glóbulos brancos, o que ajuda e muito no combate à inflamação.

Ao comprar o cogumelo não descarte o talo, pois contém potentes fibras betaglucanas, que conseguem fazer uma limpeza no organismo; eliminando toxinas do corpo.

Azeite de oliva extra-virgem

O azeite de oliva possui oleocanthal, que pode inibir a atividade de enzimas ligadas ao processo inflamatório.

Para aproveitar ao máximo suas propriedades benéficas, o azeite deve ser utilizado frio, como temperos em saladas e para dar sabor aos alimentos já preparados.

Leia mais: Azeite de oliva: o melhor da dieta mediterrânea

Açafrão

Açafrão um anti-inflamatório natural

Esta planta contém curcumina, um ingrediente responsável pelo seu pigmento. Ainda mais, a substância ajuda a parar os mecanismos biológicos que desencadeiam a inflamação nos tendões e causam a tendinite.

Gengibre

O gengibre é uma raiz rica em ativos como felandreno, zingibereno e zingerona, que atuam em inflamações das vias aéreas superiores, como a bronquite, sinusite e asma.

Ademais, age como um remédio natural para expectorar o catarro. O gengibre ainda contêm selênio, que tem ação anti-inflamatória, e gingerol, que contém propriedades analgésicas.

Batata doce

Este tubérculo possui índice glicêmico baixo e contribui para a redução da inflamação. Em suma, qualquer alimento com um índice glicêmico alta contribui para aumentar a inflamação, pois deixam o pH do organismo mais alto; um prato cheio para aumentar a proliferação de fungos e bactérias nocivos.

Por isso, ao ser rica em fibras, a batata doce é ótima para aumentar a presença de micro-organismos benéficos no intestino, prevenindo, assim, a síndrome do cólon irritável e a colite ulcerosa.

Saiba mais: Incríveis propriedades da batata-doce

Linhaça, chia e salmão

Todos os três alimentos são ricos em ômega 3, um ácido graxo que diminui muito a produção e a atividade das prostaglandinas, substâncias que acentuam a inflamação.

Alho

O alho é muito eficaz no combate a inflamação por possuir alicina e alina, que são substâncias antioxidantes capazes de reduzir a inflamação.

Além disso, são ótimas no combate aos vírus e aos radicais livres.

Um conselho

Se quiser utilizar alimentos para combater a inflamação, procure não ingerir outros alimentos que contribuem para aumentar a inflamação.

Ainda mais, os alimentos com muitos carboidratos refinados, como o açúcar, a farinha de trigo, as massas, os pães e bolos devem ser riscados da dieta.

Além disso, evite refrigerantes, bebidas alcoólicas e café.

Imagem 1 foi oferecida por David Milley

  • de Alimentos, C. D. E. COMPOSTOS FENÓLICOS TOTAIS, FLAVONÓIDES E ANTOCIANINAS DE TRÊS VARIEDADES DE COGUMELOS.
  • Conceição, S. F. D. S. M. (2013). Efeitos do Gengibre, do Alho e do Funcho na Saúde (Doctoral dissertation, [sn]).
  • do Carmo Ota, C. C., da Silva, D. V. G., Jacon, K. C., Baura, V., & Nunes, S. Avaliação da atividade antimicrobiana e anti-inflamatória do extrato hidroalcoólico do allium sativum (alho).
  • Mesquita, T. R., Souza, A. A. D., Constantino, E., Pelógia, N. C. C., Posso, I. D. P., & Pires, O. C. (2011). Anti-inflammatory effect of dietary supplementation with omega-3 fatty acids in rats. Revista Dor12(4), 337-341.
  • tro PEREZ, A. D. C., & hiko HAKUMATA, L. Y. (1999). Efeito antiinflamatório da folha de batata-doce (Ipomoea batatas). Rev. Odontol. UNESP28(1), 161-165.