Ansiedade social: 5 estratégias que ajudam a superá-la

03 Maio, 2020
A ansiedade social é uma condição muito comum atualmente. Entre outras causas, é o resultado do estresse e da ansiedade no local de trabalho, do ambiente frio das novas tecnologias, etc. Como ela pode ser prevenida e tratada?

O ser humano é um ser social desde o nascimento até a morte. Para que uma pessoa desenvolva todas as suas habilidades, é necessário interagir com aqueles ao seu redor em todas as áreas. Nesse sentido, a ansiedade social impede que o indivíduo afetado por ela tenha uma qualidade de vida completa.

Atualmente, este é um tipo de alteração que impede o bom funcionamento da sociedade. Esse distúrbio é chamado de ansiedade social ou TAS, também conhecida como fobia social. Quem sofre dela tem a sua vida normal seriamente afetada. O que é a ansiedade social? Como ela pode ser tratada?

Ansiedade social
Pessoas com esse distúrbio sentem pânico excessivo em situações com alto fluxo de pessoas.

O que é a ansiedade social?

Sentir-se nervoso ou envergonhado em certas situações do dia a dia, como ficar de pé na frente da classe, pedir orientações a um pedestre, marcar uma consulta ou perguntar algo a um vendedor geralmente são problemas menores. Para quem sofre de ansiedade social, esse nervosismo se torna pânico.

Entre os sintomas, a pessoa fica vermelha demais, suas mãos suam, a frequência cardíaca e a respiração aumentam e, em alguns casos graves, sentem náusea, tontura e visão turva. A insegurança e o medo de ter vergonha paralisam, impossibilitando a pessoa de interagir normalmente com o ambiente.

Diante desses sintomas, a pessoa começa a evitar situações ou lugares que a deixam desconfortável. A longo prazo, o indivíduo fica cada vez mais isolado. Obviamente, o desempenho escolar, o desempenho no trabalho e as relações emocionais são afetadas.

O transtorno de ansiedade social começa a ser notado na infância. Se não for detectado a tempo, aumenta durante a adolescência e continua na idade adulta.

Você pode se interessar: Use as redes sociais de forma saudável

Os sintomas

Este é um transtorno difícil de diagnosticar, porque a pessoa que sofre tende a esconder o que sente. Às vezes, uma criança com ansiedade social pode ser agressiva ou indiferente. No entanto, os sintomas são sentidos internamente:

  • Medo de ser humilhado em público.
  • Medo de ser julgado.
  • Pânico de conversar com os outros.
  • Medo de que os outros percebam o que acontece com ele.
  • Sudorese excessiva, voz trêmula e gagueira, rubor intenso, náusea e vômito.
  • Taquicardia e taquipneia.
  • Tonturas e tensão muscular.
  • Evitação de qualquer atividade ou situação que represente interação com outras pessoas ou em público.
  • Críticas exageradas ao desempenho pessoal após um episódio de ansiedade.
  • Sentimentos negativos e pessimismo.
  • Em crianças pequenas, manifesta-se através de birras.
  • Pensamentos suicidas.

Toda essa sintomatologia pode ser apresentada integralmente em casos graves. Portanto, a pessoa evita qualquer tipo de evento social. Os adolescentes evitam ir a festas, namorar, conversar com os colegas de escola ou comer com eles. Em suma, eles param de fazer o que gostam.

No caso dos adultos, ter que trocar um produto em uma loja, comer sozinho em um restaurante, usar um banheiro público ou manter contato visual representa uma tortura. No entanto, existem maneiras de lidar com a ansiedade social e alcançar uma vida calma e plena. Como?

Leia também: 8 dicas que ajudarão seu filho a superar a fobia escolar

5 maneiras de lidar com a ansiedade social

Bullying na escola
No caso das crianças, é preciso buscar a ajuda de um especialista para evitar complicações na idade adulta.

Manter as dicas a seguir em mente ajuda a controlar a fobia social e a se sentir muito melhor em público:

  1. Procure ajuda imediatamente: na presença dos sintomas acima mencionados, é fundamental pedir ajuda profissional. Os pais que observam comportamentos incomuns em seus filhos devem ser aconselhados.
  2. Priorizar: quem sofre de ansiedade social tende a parar de realizar as atividades de que gosta por causa do medo. Nesse caso, é importante organizar o tempo e ter energia para hobbies e esportes que ofereçam alegria e fortaleçam a mente e a saúde.
  3. Escreva um diário: o registro dos eventos que acontecem diariamente ajuda a pessoa e o especialista a determinar as causas da ansiedade para oferecer o tratamento correto.
  4. Evite substâncias nocivas: às vezes, quem sofre de ansiedade social usa drogas ou álcool para se livrar do medo de lidar com outras pessoas. Isso causa dependência e problemas de saúde ainda mais graves.
  5. Psicofármacos e terapia: se o distúrbio exigir, serão prescritos medicamentos específicos ou terapia cognitivo-comportamental.

Aprender a lidar com a ansiedade social é equivalente a aproveitar a vida. Portanto, é bom falar com alguém em quem você confia e pedir assistência médica diante de qualquer indicação desse mal para combatê-lo com sucesso. Quanto mais cedo tratamento for colocado em prática, melhores serão os resultados no futuro.

  • National Institute of Mental Heathl. Trastorno de la ansiedad social. Extraído de: https://www.nimh.nih.gov/health/publications/espanol/trastorno-de-ansiedad-social-mas-alla-de-la-simple-timidez/sqf-16-4678_154698.pdf
  • Lic. Lorena Frangella. Lic. Cecilia Lukaszewicz. Fundación foro. MANUAL PSICOEDUCATIVO PARA PERSONAS CON ANSIEDAD SOCIAL. Extraído de: https://www.fundacionforo.com/uploads/pdfs/archivo45.pdf