3 analgésicos naturais para combater a lombalgia

27 Agosto, 2020
A dor lombar geralmente ocorre após uma queda ou uma forte pancada nas costas. No entanto, também pode aparecer após fazer exercícios de maneira inadequada, transportar pesos ou manter uma má postura.

A lombalgia ou dor lombar é uma dor intensa nas costas e na cintura, mas também pode ser sentida nos músculos e nos glúteos. Geralmente é causada pela repetição de posturas erradas, por sobrecargas de suporte ou por lesões musculares. Combater a lombalgia é uma tarefa que exige perseverança e persistência.

A dor lombar geralmente ocorre após uma queda ou uma forte pancada nas costas. No entanto, também pode aparecer após fazer exercícios de maneira inadequada, transportar pesos ou manter uma má postura.

Tipos de lombalgia

Lombalgia
A lombalgia pode aparecer ocasionalmente ou pode ser um problema crônico e repetitivo.

Para combater a lombalgia, é importante conhecer os tipos que existem. Dependendo das suas características, esse desconforto pode ser classificado da seguinte forma:

Lombalgia pontual

É a dor que aparece na região lombar após um esforço repentino ou a adoção de uma má posturaSão desconfortos que desaparecem sozinhos e duram entre 3 e 4 dias. 

Lombalgia repetitiva ou crônica

Se os episódios de lombalgia aparecerem com frequência e durarem mais de 12 semanas, eles podem acabar causando dor lombar crônica. Estima-se que 20% dos casos se tornem crônicos. Também está associada à gravidez, ao excesso de peso, à osteoartrite e até ao estresse emocional.

Para combater a dor lombar, é essencial corrigir posturas ruins e evitar situações que favoreçam a dor. Estes são os primeiros passos para aliviar o problema, mas você também deve estudar a viabilidade de fazer fisioterapia, acupuntura ou massagens terapêuticas, conforme for apropriado.

Você também pode se interessar: 3 exercícios para a lombalgia respaldados por evidências científicas

3 remédios naturais para combater a lombalgia

Salgueiro branco

Os derivados salicilados do salgueiro são anti-inflamatórios, especialmente no nível articular, e também atuam contra a dor e a febre. Por esse motivo, o salgueiro é indicado no tratamento de resfriados e estados semelhantes à gripe. Também alivia todos os tipos de dor, especialmente dores nas articulações. Portanto, é muito útil para combater a lombalgia.

Como infusão, você pode tomar até 3 xícaras por dia da decocção, de preferência em associação com outras plantas que melhoram sua ação e seu sabor, como milefólio, hortelã, viburno e cavalinha.

Gengibre

Propriedades do gengibre
O gengibre é um tempero anti-inflamatório que ajuda a reduzir dores como a da lombalgia. Pode ser consumido em infusão ou aplicado de forma tópica.

O gengibre é conhecido por ser um poderoso anti-inflamatório, o que o torna um grande aliado no combate das dores da lombalgia. Pode ser tomado como infusão ou aplicado na lombar em forma de emplastro.

Você pode usá-lo como infusão, na proporção de duas colheres de sopa em meio litro de água. Uma vez feito, você pode beber ou embeber uma gaze na mistura, aplicando-a na área dolorida.

Também é útil pelo seu efeito relaxante, anti-inflamatório e analgésico. Outra maneira de usá-lo é fazer uma massagem suave. Para isso, você só precisa misturar 5 gotas de óleo essencial de gengibre com 10 de óleo de amêndoas doces.

Não deixe de ler: 13 razões para usar gengibre diariamente

Garra do diabo para combater a lombalgia

Existem estudos que afirmam que um tratamento baseado em harpagófito, planta também conhecida como garra do diabo, reduz a lombalgia a curto prazo e a necessidade de uso de medicamentos. É importante indicar que o tratamento da lombalgia com harpagófito deve durar pelo menos 2 ou 3 meses para que seus efeitos sejam percebidos e duradouros.

Tem efeitos anti-inflamatórios, analgésicos e antiespasmódicos. Por suas propriedades analgésicas, também é indicado quando os tecidos ósseos e tendinosos apresentam sintomas dolorosos e inflamatórios. A parte utilizada é o bulbo, na forma de cápsulas com 450-500 mg. 

Além disso, também possui propriedades antiespasmódicas, por isso serve para combater espasmos. Por tal motivo, também é usado para tratar queixas digestivas, como gases, falta de apetite ou inchaço.

Como impedir que a lombalgia se repita?

Combater a lombalgia com yoga
A prática regular de técnicas de relaxamento é benéfica para a redução da dor e da tensão muscular.

Recomendamos evitar a tensão nervosa causada pelo estresse. Esta é uma das principais causas de contraturas nos músculos das costas e, consequentemente, da dor nessa região.

Portanto, quando notar que a região lombar está rígida, sente-se em uma cadeira e flexione o tronco até se apoiar nas pernas. Mantenha-se nesta posição por alguns segundos.

Além disso, tomar infusões à base de melissa ou lavanda também ajudará a acalmar seus nervos e a evitar contrações de tensão. Fisioterapia, exercícios de reabilitação, acupuntura e terapias de relaxamento, como ioga, tai chi ou meditação, são algumas das práticas que apresentam bons resultados, tanto no tratamento da lombalgia quanto na prevenção da mesma.

Siga estas recomendações para combater a lombalgia

Para evitar dores lombares e ter uma coluna saudável, lembre-se de que você deve manter um peso adequado e fazer exercícios regularmente, como natação e alongamento. Você também deve tentar adotar posturas corretas.

  • Buka, A. J. (1934). Lumbago. The American Journal of Surgery. https://doi.org/10.1016/S0002-9610(34)90179-3
  • Mauro, G. L., Martorana, U., Cataldo, P., Brancato, G., & Letizia, G. (2000). Vitamin B12 in low back pain: a randomised, double-blind, placebo-controlled study. European Review for Medical and Pharmacological Sciences.
  • Da Silva, A. G., De Sousa, C. P. G., Koehler, J., Fontana, J., Christo, A. G., & Guedes-Bruni, R. R. (2010). Evaluation of an extract of Brazilian arnica (Solidago chilensis Meyen, Asteraceae) in treating lumbago. Phytotherapy Research. https://doi.org/10.1002/ptr.2934
  • Dunford E, DClinPsy MT. Relaxation and Mindfulness in Pain: A Review. Rev Pain. 2010;4(1):18–22. doi:10.1177/204946371000400105