O Alzheimer e as alterações do ritmo do sono

16 Agosto, 2020
O mal de Alzheimer é uma patologia comum que causa demência. Embora este seja o sintoma mais conhecido, também se manifesta com alterações no ritmo do sono dos pacientes.

O mal de Alzheimer é a principal causa de demência no mundo atualmente, e pode estar associado a alguns distúrbios do sono.

É comum que, nas suas diferentes etapas, ocorram alterações nos ritmos e na qualidade do sono do paciente. Hoje, vamos contar quais são as alterações mais frequentes que as pessoas com esta doença sofrem em relação ao sono.

O que é o Alzheimer?

O mal de Alzheimer é a demência mais comum na população mundial. Existem cerca de 48 milhões de pessoas no planeta que sofrem com isso e, dado o aumento da expectativa de vida, estima-se que essa incidência aumente bastante nos próximos anos.

Por definição, provoca uma deterioração cognitiva que afeta a vida normal da pessoa, seja no ambiente pessoal, social ou de trabalho. Nesta patologia, ocorre um acúmulo de proteínas nos neurônios e em torno deles, além de morte celular e falhas nas comunicações neuronais.

Clinicamente, a doença causa perda de memória. Esse é o sintoma principal, mas ela também pode se manifestar de muitas outras maneiras. Alguns dos sintomas que acompanham a perda de memória são alterações na linguagem e no comportamento. Isso envolve os períodos de sono.

Senhor idoso com Alzheimer
O Alzheimer altera a memória, a linguagem e o comportamento dos pacientes afetados.

Não deixe de ler: Tipos de demência que não são Alzheimer

Distúrbios do sono no mal de Alzheimer

Normalmente, os distúrbios do sono evoluem junto com a doença. No entanto, os tipos de alterações e o impacto que elas têm no paciente têm a ver com o tipo de pessoa que sofre e com o estágio da doença em que está.

Os distúrbios do sono associados ao Alzheimer podem ser divididos em diferentes tipos:

  • Mudanças na arquitetura do sono: elas estão relacionadas às fases do sono. Em pessoas com Alzheimer, as fases do sono profundo diminuem. Os microdespertares e despertares aumentam. Também há menos fases de sono REM e mais fases de sono não REM.
  • Alterações na respiração: aqui nos referimos ao ronco, hipopneias e síndrome da apneia-hipopneia do sono (SAHOS). Foi descoberto que os pacientes com a doença têm uma incidência muito maior dessas doenças do que as pessoas que são não afetadas. Será necessário estudá-las de forma independente, uma vez que o tratamento será específico para essas patologias e será paralelo à doença.
  • Síndrome das pernas inquietas: consiste no fato de a pessoa precisar fazer movimentos constantes e periódicos com as pernas ao se preparar para dormir. O sono também pode ser acompanhado por pesadelos.

Perturbações do ritmo do sono

No Alzheimer, ocorre uma alteração dos ritmos biológicos. Isso evolui junto com a doença, tornando-se mais evidente à medida que ela progride.

O fato de os ritmos biológicos serem alterados provoca sonolência excessiva ao longo do dia. Os pacientes passam o dia sonolentos e sentem necessidade de cochilar durante o dia. Isso faz com que os problemas sociais aumentem, uma vez que eles terão mais dificuldade de se relacionar normalmente.

Além disso, essa sonolência e os cochilos diurnos farão com que os pacientes cheguem à noite menos cansados. Isso pode fazer com que eles acordem mais, fiquem inquietos e perambulem pela casa.

O sono dos idosos
Na doença de Alzheimer, as pessoas sofrem de sonolência diurna e cochilam durante o dia.

Talvez você queira ler: Anatomia da demência: a vida de um paciente

A síndrome do pôr do sol e o mal de Alzheimer

Uma alteração específica dos ritmos biológicos é a síndrome do pôr do sol. Nela, nessa hora do dia, os pacientes com demência notam uma piora dos seus sintomas, principalmente no comportamento. Aumenta sua inquietação e sua agitação.

Além de inquietação e nervosismo, eles podem experimentar alucinações, ilusões, medo inexplicável ou ataques de raiva. Até 20% dos pacientes com demência registram episódios dessa síndrome.

Como lidar com o sono dos pacientes com Alzheimer?

Embora seja a parte mais conhecida dessa doença, o Alzheimer não se manifesta apenas como perda de memória. Existem muitos sintomas que podem acompanhar o distúrbio e sua manifestação será diferente em cada paciente. Como sempre, é fundamental que cada pessoa diagnosticada faça as revisões médicas pertinentes e comunique todos os sintomas que sofre.

O especialista avaliará qual é o tratamento mais apropriado em cada caso. Muitas vezes, nesse tipo de doença, vários ajustes terapêuticos serão necessários até encontrar as abordagens mais benéficas.

  • Carvalho DZ, St Louis EK, Knopman DS, Boeve BF, Lowe VJ, Roberts RO, et al. Association of excessive daytime sleepiness with longitudinal β-Amyloid accumulation in elderly persons without dementia. JAMA Neurol. 2018 Jun 1;75(6):672–80.
  • Alzheimer y sueño – Adsalutem Institute [Internet]. [cited 2020 Mar 10]. Available from: http://www.adsalutem.institute/salud-y-sueno/alzheimer-y-sueno/
  • Mander BA, Winer JR, Walker MP. Sleep and Human Aging. Vol. 94, Neuron. Cell Press; 2017. p. 19–36.
  • Custodio N. Alteraciones del sueño, envejecimiento anormal y enfermedad de Alzheimer. Rev Neuropsiquiatr [Internet]. 2017 Dec 21 [cited 2020 Mar 10];80(4):223. Available from: http://www.upch.edu.pe/vrinve/dugic/revistas/index.php/RNP/article/view/3236
  • Trastornos del sueño en el anciano y en las demencias [Internet]. [cited 2020 Mar 10]. Available from: http://scielo.isciii.es/scielo.php?pid=S1137-66272007000200014&script=sci_arttext&tlng=pt
  • Niu, Hao, et al. “Prevalencia e incidencia de la enfermedad de Alzheimer en Europa: metaanálisis.” Neurología 32.8 (2017): 523-532.
  • Echávarri, C., and M. E. Erro. “Trastornos del sueño en el anciano y en las demencias.” Anales del Sistema Sanitario de Navarra. Vol. 30. Gobierno de Navarra. Departamento de Salud, 2007.