Quais são os alimentos que não expiram?

Existem vários alimentos que não expiram nem estragam com o tempo, desde que sejam mantidos em boas condições. Saiba quais são a seguir.
Quais são os alimentos que não expiram?

Última atualização: 04 Abril, 2021

Estamos sempre olhando para o prazo de validade dos alimentos para que eles durem mais tempo e não tenhamos que jogá-los fora, mas você sabia que existem alimentos que não expiram?

Consumir produtos fora da data de validade pode afetar negativamente as suas qualidades organolépticas. Porém, o mais perigoso é que os alimentos vencidos podem apresentar micro-organismos que podem colocar em risco a saúde do consumidor.

Descubra quais são alguns dos alimentos que não expiram a seguir.

Quais são os alimentos que não expiram?

Todos os produtos perecíveis precisam ter um prazo de validade definido, mas poucos vão além desse dado. Existem alimentos que podem ser consumidos “fora do prazo”, visto que, na verdade, demoram muitos anos para estragar.

prazo de validade é indicado em produtos altamente perecíveis e com risco microbiológico: carnes e peixes crus e frescos, vegetais e frutas. Passado o prazo de validade, o produto não deve ser consumido, pois há risco de o mesmo ficar em mau estado ou danificado. O consumo pode até mesmo ser perigoso devido à presença de bactérias patogênicas. Isso é afirmado em um um artigo publicado na revista Clinical Microbiology Reviews, onde são discutidos os sintomas mais frequentes de infecção por Salmonella, uma bactéria presente em carnes cruas.

Por outro lado, há produtos muito mais duráveis ​​e estáveis. Após a data de validade, eles podem até ter perdido parte das suas propriedades, podem ter um sabor um pouco rançoso, perder o seu aroma, mudar de textura, etc., mas não há risco microbiológico.

No entanto, existem alguns alimentos que podemos armazenar por um longo período de tempo, desde que sejam devidamente conservados. Vamos ver com mais detalhes quais são eles:

1. Sal

O sal é um conservante natural, usado em métodos de salmoura ou salga. Portanto, ele não expira. Além disso, em casa, também podemos usá-lo para conservar alimentos como peixes e carnes.

Porém, deve-se ter cuidado com o consumo de sal, pois é fácil ultrapassar a ingestão diária recomendada, que é de 2,5 gramas. Muitos alimentos têm adição de sal, e devemos levar isso em consideração.

Consumo de sal

2. Arroz

O arroz branco pode manter seu teor de nutrientes e sabor por 30 anos se armazenado em recipientes livres de oxigênio em temperaturas abaixo de 5ºC. O arroz integral, no entanto, não dura muito. Pode durar cerca de 6 meses devido aos óleos naturais encontrados na sua composição.

3. Molho de soja

Para que a duração do molho de soja seja quase eterna, ele deve ser preservado sem remover o lacre. No entanto, mesmo se abrirmos a garrafa, o molho pode durar vários anos na despensa. Isso se deve à quantidade de sal que contém, pois, como já dissemos, o sal é um conservante.

4. Chocolate amargo

O chocolate amargo pode durar bastante tempo, desde que seja conservado em local fresco e seco e não sujeito a oscilações térmicas. O chocolate amargo é um alimento benéfico, pois contém compostos biologicamente ativos como os flavonoides, que são cardioprotetores, de acordo com uma pesquisa publicada na revista Current Medicinal Chemistry.

De qualquer forma, é necessário consumir este alimento como parte de uma alimentação saudável e variada. Você pode comer 30 gramas de chocolate amargo regularmente sem problemas, desde que o teor de chocolate puro exceda 80%.

5. Leguminosas

As leguminosas podem ter uma vida útil indefinida. Isso se deve ao processo de secagem pelo qual passam, através do qual elas perdem água. Porém, podem endurecer com o tempo e, nesse caso, o tempo de cozimento aumenta.

6. Açúcar

Desde que seja mantido em local fresco e seco, o açúcar pode durar bastante. As bactérias não podem colonizá-lo, pois ele tem pouquíssima umidade. Se o açúcar se solidificar em pedaços, basta aquecê-lo no micro-ondas em temperatura bem baixa por um ou dois minutos.

7. Bebidas com alto teor de álcool

Bebidas fortes, como vodca, rum, uísque, gin ou tequila, podem permanecer em boas condições por muito tempo, desde que as garrafas não sejam abertas e sejam mantidas fora da luz. A única desvantagem é que elas podem perder um pouco o sabor.

Bebidas com alto teor de álcool

8. Temperos

Para que os temperos durem mais, eles devem ser mantidos em potes de vidro hermeticamente fechados. Porém, não é aconselhável mantê-los por muito tempo, pois perdem o aroma e o sabor.

9. Café

Normalmente, o café vem moído em sacos opacos para que se conserve melhor, podendo durar meses ou até anos além do prazo de validade. Deve ser mantido ao abrigo da luz e da umidade e não ser guardado na geladeira, pois assim perderia o seu aroma.

10. Mel

O mel é o único alimento que realmente dura para sempre, graças ao fato de que as abelhas criam um produto altamente ácido e com baixo teor de umidade. Depois de um tempo ele pode se cristalizar, mas isso não afeta a sua qualidade ou segurança.

11. Vinagre

Assim como acontece com o sal, o vinagre é um conservante natural que podemos guardar por muito tempo devido à sua natureza ácida. Também serve para conservar outros alimentos.

12. Azeite

É mais um dos alimentos que não expiram, portanto, podemos guardá-lo até dois ou três anos em local seco, embora possa perder qualidades organolépticas.

Sim, existem alimentos que não expiram

Embora muitos dos produtos que podemos encontrar nas lojas tenham uma data de validade, também existem alimentos que não são afetados pelo passar do tempo. No entanto, é necessário mantê-los em condições adequadas de temperatura e umidade.

Pode interessar a você...
Influência dos processos tecnológicos no valor nutricional dos alimentos
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Influência dos processos tecnológicos no valor nutricional dos alimentos

Como os processos tecnológicos influenciam o valor nutricional dos alimentos? Hoje, veremos quais são alguns dos métodos mais usados.



  • Crump JA., Sjolund Karlsson M., Gordon MA., Parry CM., Epidemiology, clinical presentation, laboratory diagnosis, antimicrobial resistance and antimicrobial management of invasive salmonella infections. Clin Microbiol Rev, 2015. 28 (4): 901-37.
  • Sánchez M., Romero M., Gómez Guzmán M., Tamargo J., et al., Cardiovascular effects of flavonoids. Curr Med Chem, 2019. 26 (39): 6991-7034.