Os alimentos geneticamente modificados são prejudiciais à saúde?

Os alimentos geneticamente modificados têm sido objeto de controvérsia desde o seu surgimento. Eles são seguros? Vamos discutir a seguir.
Os alimentos geneticamente modificados são prejudiciais à saúde?

Última atualização: 20 Novembro, 2021

Durante anos, os humanos usaram métodos de modificação tradicionais para criar plantas e animais com características mais desejáveis. No entanto, a verdadeira revolução veio quando surgiram os alimentos geneticamente modificados.

Essa técnica, surgida na década de 70 com as descobertas da engenharia genética, tem permitido que os alimentos durem mais, tenham melhores qualidades organolépticas, entre outros benefícios. Apesar disso, muitas pessoas se preocupam com como eles podem afetar a saúde humana. Quer saber mais sobre isso?

O que são os alimentos geneticamente modificados?

A sigla GMO (em inglês) se refere a alimentos que foram criados por meio da engenharia genética. Em resumo, este é um processo que envolve as seguintes etapas:

  • Identificar a informação genética ou “gene” que dá uma característica desejada a uma planta, animal ou microrganismo.
  • Copiar as informações do organismo que possui essa característica.
  • Inserir essa informação no DNA de outro organismo.
  • Alcançar o crescimento de um novo organismo com outros genes.

O propósito disso é amplo. Em resumo, pode-se dizer que pretende o seguinte:

  • Melhorar o crescimento dos alimentos.
  • Expandir seu conteúdo nutricional.
  • Prolongar sua vida útil.
  • Aumentar sua resistência às pragas.
  • Aumentar a facilidade de cultivo.

Na verdade, um estudo publicado na revista Missouri Medicine em 2014 detalha isso em profundidade. Embora a produção de alimentos modificados por genes tenha um forte impacto na sociedade, esse processo também ocorre naturalmente e é um fenômeno comum do dia a dia.

O que são os alimentos geneticamente modificados?
Alimentos geneticamente modificados tiveram sua genética alterada. Portanto, podem ser de melhor tamanho, sabor ou cor.

Por que modificar a comida?

Conforme mencionado, os fabricantes usam a modificação genética para dar aos alimentos as características desejáveis. Por exemplo, as variedades mais novas de maçãs que foram projetadas oxidam com menos facilidade quando cortadas ou machucadas.

No entanto, o objetivo principal é evitar o crescimento de doenças e pragas à medida que crescem, uma vez que estas alteram e deterioram significativamente a produção. Nesse sentido, eles se tornaram resistentes aos herbicidas aplicados para evitar que isso aconteça.

Por exemplo, uma das culturas transgênicas mais comuns é um tipo de milho, cuja modificação produz uma toxina que o torna resistente a pragas. Com isso, diminui a necessidade de agrotóxicos, conforme afirma o estudo “Segurança alimentar e ambiental de lavouras Bt”.

Isso, somado ao fato de que graças a essa medida é possível determinar quais são as características que o produto final terá, reduz custos para o consumidor e permite garantir que mais pessoas tenham acesso a alimentos de qualidade.

Medos em torno do consumo de GMOs

Embora a Food and Drug Administration (FDA) sugira que os alimentos transgênicos são seguros e sustentáveis, há alguma preocupação sobre seu possível efeito sobre o meio ambiente e sua segurança para o consumo humano.

As principais preocupações são que as modificações genéticas gerem problemas como alergias ou uma maior probabilidade de câncer, ou que o alimento contenha algum tipo de componente nocivo.

Alergias

O medo de que alimentos geneticamente modificados causem alergias existe porque eles contêm genes que são estranhos. Na verdade, um estudo conduzido em meados da década de 1990 descobriu que adicionar uma proteína de castanha-do-pará à soja GMO pode desencadear uma reação alérgica em pessoas sensíveis a essas oleaginosas.

Porém, após essa descoberta, esse alimento foi imediatamente retirado. As preocupações são válidas, mas até agora não há relatos de alergias que identifiquem os alimentos GMO como culpados.

Os pesquisadores que desenvolvem esses produtos fazem os testes necessários para garantir que os alérgenos não sejam transferidos de um alimento para outro. Além disso, esses produtos não são mais propensos a desencadear alergias do que seus equivalentes não-GMO.

Câncer

Como os cânceres são causados ​​por mutações no DNA, existe o medo de que a ingestão de alimentos com genes adicionados possa influenciar o desenvolvimento do câncer. Assim, essa preocupação pode ser devido ao fato de que, em um estudo com camundongos, a ingestão de GMOs foi associada a um risco aumentado de tumores e morte prematura.

No entanto, o estudo não respeitou o desenho correto, razão pela qual surgiram várias pesquisas que mostraram que ele não era válido. Por enquanto, não existem dados precisos em humanos, por isso é necessário investigar o assunto com mais profundidade para chegar a conclusões.

Envenenamento por pesticidas

Embora as safras GMO sejam convenientes para os agricultores, há preocupações com os danos ambientais. Em relação a isso, pode-se citar que grande parte dessas culturas é resistente a herbicidas, como o “Roundup” .

Isso significa que ele pode ser usado com confiança em relação aos alimentos. No entanto, as ervas daninhas desenvolveram resistência a este produto ao longo do tempo. Como consequência, cada vez mais precisa ser usado.

O problema é que esse herbicida tem como princípio ativo o glifosato, que está associado a várias doenças, como câncer, problemas respiratórios, malformações congênitas, entre outras.

Quem mora em áreas próximas às lavouras é mais afetado, pois fica exposto a altas doses desse composto. Daí a necessidade de regulamentar o seu uso.

Por tudo isso, existe um movimento ambientalista que visa conscientizar as pessoas que desconhecem esse problema e que continuam consumindo alimentos geneticamente modificados.

Como identificar os alimentos geneticamente modificados?

Para identificar esses alimentos, a Food and Drug Administration (FDA) determinou que eles sejam rotulados como tal, caso sejam diferentes da cultura tradicional. Por exemplo:
  • Se um óleo de canola GMO tiver mais ácido láurico do que o óleo de canola tradicional, ele deve ser rotulado como “óleo de canola laurato”.
  • Em um óleo de soja que tem mais ácido oleico do que o óleo convencional, ele deve ser rotulado como “óleo de soja com alto teor de ácido oleico”.

Isso permite que a rotulagem seja diferente, mas não que as pessoas saibam que se trata de um alimento modificado. Por causa disso, o novo National Bioengineered Food Disclosure Standard, que entrará em vigor em janeiro de 2022, garantirá que todos os alimentos que contenham ingredientes transgênicos sejam rotulados como “derivados de bioengenharia”.

Como identificar alimentos geneticamente modificados?
Estudos sobre a segurança de alimentos GMO na saúde humana ainda estão em andamento. Por enquanto, eles são considerados seguros.

O que devemos lembrar sobre os alimentos geneticamente modificados?

Os alimentos geneticamente modificados oferecem benefícios perceptíveis e provaram ser seguros até o momento. Apesar disso, é necessário desenvolver novas pesquisas que continuem avaliando seus efeitos na saúde humana.

O que se sabe é que eles nos permitem produzir alimentos em quantidades maiores, mas que os danos ao meio ambiente também crescem paralelamente.

Pode interessar a você...
O que são os alimentos transgênicos e quais são os seus benefícios?
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
O que são os alimentos transgênicos e quais são os seus benefícios?

O que são os alimentos transgênicos? Como são produzidos? Que efeitos eles têm sobre as pessoas e o meio ambiente? Saiba tudo neste artigo.