Alergia a frango: sintomas e recomendações

Aqueles que sofrem de alergia à carne de frango também podem apresentar sintomas ao comer carnes de outras aves, como o peru.
Alergia a frango: sintomas e recomendações

Última atualização: 08 Julho, 2021

A alergia a frango é uma reação autoimune que impede o consumo desse alimento devido aos sintomas que desencadeia. É um problema que pode surgir em qualquer idade, embora seja mais comum que comece a se manifestar na infância. A seguir, daremos todas as explicações a esse respeito.

Antes de começar, você deve saber que as alergias se caracterizam por um funcionamento ineficiente do sistema imunológico, que identifica substâncias inofensivas ou benéficas à saúde como prejudiciais. Elas possuem um caráter crônico e irreversível. Em alguns casos, podem até desencadear reações fatais.

O que é a alergia a frango?

Quando a carne de frango é ingerida, o sistema de defesa do organismo interpreta que certas proteínas do animal são “nocivas” e, portanto, capazes de colocar em risco a saúde da pessoa.

É então que uma série de mecanismos inflamatórios são desencadeados, gerando sintomas característicos. Isso geralmente ocorre com dificuldades respiratórias, inchaço, desconforto intestinal e dor.

Todo esse processo que acabamos de descrever é conhecido como um quadro de alergia a frango. No entanto, a gravidade dos sintomas depende do grau da própria alergia.

Frango cru
Ao ingerir frango, o corpo se defende do que considera um ataque e aciona mecanismos inflamatórios.

A alergia a frango é um problema relativamente comum na população. Na verdade, o frango é a carne mais propensa a alergias, junto com o peru. A reatividade cruzada entre os dois é frequente.

Queremos ressaltar que é possível desenvolver esse processo de hipersensibilidade às proteínas da ave, mas isso não impede o consumo de ovos.

Sintomas associados

É importante conhecer os sintomas de uma alergia ao frango. Dessa forma, podemos diferenciar os processos alérgicos de outras patologias que nada têm a ver com hipersensibilidade. Os sintomas básicos, de acordo com um estudo publicado na Current Gastroenterology Reports, são os seguintes:

  • Urticária.
  • Dermatite.
  • Dificuldade para engolir.
  • Vômito.
  • Diarreia.
  • Dor abdominal.
  • Tosse.
  • Rinite.
  • Asma.
  • Hipotensão.

Todos os sintomas não precisam aparecer juntos. Na verdade, dependendo do grau de alergia, eles podem ser mais ou menos notórios. É importante ressaltar que, nos casos mais graves, também é possível que ocorra um choque anafilático que coloque em risco a vida do indivíduo.

Esse tipo de processo pode causar uma parada cardiorrespiratória se não for tratado com a farmacologia adequada, conforme confirmado por evidências científicas. Diante dessa situação, deve-se chamar a ambulância sem demora.

Você também pode estar interessado: Como a alergia se desenvolve?

Diagnóstico de alergia a frango

O diagnóstico de uma alergia a frango compete sempre a um profissional de saúde, conforme afirma um artigo publicado em Nature Reviews Immunology. Em geral, os testes de tolerância são feitos na boca para verificar se há sintomas claros de alergia.

Teste de alergia no braço
Observar a reação após inocular uma dose controlada de um antígeno é uma das formas de diagnosticar a alergia a frango.

Caso isso não ocorra, pode-se inocular um antígeno em doses controladas por via subcutânea para observar a reação posterior. Claro, estes são testes que sempre devem ser realizados sob a supervisão de um profissional, pois exigem experiência e metodologia.

Além disso, eles podem acarretar um certo risco. Em caso de anafilaxia, é necessário ter os medicamentos necessários para reverter o processo. Caso contrário, a vida do indivíduo estaria em jogo.

Outros alimentos a evitar

É comum que pessoas alérgicas a frango também sejam sensíveis à carne de peru. No entanto, é muito raro terem reações de hipersensibilidade a outros tipos de alimentos de origem animal.

A carne vermelha, por exemplo, não costuma ser problemática. Esta alergia também não tem relação com a alergia a ovos; é uma patologia independente que responde a diferentes antígenos.

Quem tem alergia a frango precisa fazer uma leitura dos rótulos nutricionais antes de comprar produtos industrializados. A presença de vestígios de pássaros nos produtos pode desencadear essa série de processos alérgicos, gerando desconforto no paciente.

Nesse sentido, é melhor tentar evitar todos aqueles alimentos ou preparações à base de carne de origem industrial. Os presentes na área congelada, como nuggets, geralmente são preparados com base em aves e, portanto, são suscetíveis a causar alergias em indivíduos com predisposição.

Quando consultar um médico?

Consulta médica
Diante da presença de sintomas, marque uma consulta médica.

Recomenda-se a consulta médica se, após comer carne de frango, aparecer algum desconforto. Se desconforto gástricos, como dor, diarreia, inchaço ou dificuldade para respirar, forem sentidos mais de duas vezes consecutivas, é possível que haja uma alergia a essa ave.

Além disso, é essencial consultar um profissional imediatamente se começar a sentir tonturas depois de comer frango ou se notar uma queda na pressão arterial. Nestes casos, podem ocorrer consequências graves. O melhor é ir ao pronto-socorro o mais rápido possível, inclusive se aparecerem erupções na pele.

Alergia a frango, um problema autoimune

Como já mencionamos, a alergia a frango nada mais é do que uma reação autoimune em que o sistema de defesa responde de forma exagerada a um antígeno que não é capaz de causar danos à saúde humana. No entanto, é uma condição crônica que ainda não tem uma cura estabelecida.

Se você for diagnosticado com alergia a frango, é possível que também ocorra o mesmo com outros tipos de aves, por isso é preciso ter cuidado e evitar o consumo. Do contrário, você pode sofrer sintomas desagradáveis.

Pode interessar a você...
Alergia, intolerância, aversão e intoxicação alimentar
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Alergia, intolerância, aversão e intoxicação alimentar

Alergia, intolerância, aversão, intoxicação alimentar... Você conhece as diferenças entre essas 4 situações? Confira neste artigo!



  • Iweala OI., Choudhary SK., Commins SP., Food Allergy. Curr Gastroenterol Rep, 2018. 20 (5): 17.
  • Gouel Cheron A., Harpan A., Mertes PM., Longrois D., Management of anaphylactic shock in the operating room. Presse Med, 2016. 45 (9): 774-83.
  • Yu W., Freeland DMH., Nadeau KC., Food Allergy: immune mechanisms, diagnosis and immunotherapy. Nat Rev Immunol, 2016. 16 (12): 751-765.