Acromegalia: o que é e quais são os seus sintomas?

02 Setembro, 2020
A terapia farmacológica preferida para tratar a acromegalia são os análogos da somatostatina, hormônio que inibe a liberação do hormônio do crescimento.
 

A acromegalia é uma doença rara e crônica causada pela secreção excessiva do hormônio do crescimento ou GH. Esse hormônio é secretado pela glândula pituitária.

Em aproximadamente 95% dos casos, esse excesso de hormônio do crescimento está associado ao desenvolvimento de um tumor benigno na glândula secretora.

O termo acromegalia é usado quando a doença começa na idade adulta. No caso de a doença aparecer na infância, será chamada de gigantismo.

É uma doença subdiagnosticada. Estima-se uma prevalência de 40 casos/1.000.000 e uma incidência de cerca de 4 ou 5 casos/1.000 habitantes por ano.

É diagnosticada com mais frequência entre as idades de 40 e 70, mas pode aparecer em adolescentes ou idosos. Ambos os sexos podem desenvolvê-la, embora seja um pouco mais comum em mulheres do que em homens.

Quais são as suas causas?

Glândula pituitária

A acromegalia se desenvolve, como vimos, quando é produzido muito GH. Nos adultos, um tumor na hipófise é a causa mais comum de excesso desse hormônio. Vamos ver dois tipos:

  • Tumores da hipófise: a maioria dos casos de acromegalia é causada por um tumor benigno, não-canceroso ou adenoma da hipófise. Esses tumores pressionam os tecidos próximos à medida que crescem e causam alguns dos sintomas da acromegalia.
 
  • Tumores não hipofisários: em algumas pessoas, a acromegalia é causada por tumores benignos ou cancerígenos em outras partes do corpo, como pulmões, pâncreas ou glândulas suprarrenais.

Quais são os sintomas?

Um dos sinais mais comuns de acromegalia é o aumento do tamanho das mãos e dos pés. Além disso, podem ocorrer alterações graduais na forma da face, como saliência da mandíbula e sobrancelhas, nariz aumentado ou espessamento dos lábios.

Como a acromegalia tende a progredir gradualmente, os sinais precoces podem não ser aparentes até depois de vários anos. Às vezes, essas pessoas percebem a condição comparando fotos antigas com as atuais.

Talvez você possa se interessar: Uma biópsia líquida permitirá detectar tumores cerebrais

Além desses sintomas, os pacientes podem apresentar:

  • Pele espessa e oleosa
  • Transpiração excessiva e odor corporal
  • Fadiga e fraqueza muscular
  • Visão prejudicada
  • Ronco intenso devido à obstrução das vias aéreas
  • Disfunção erétil
  • Irregularidades no ciclo menstrual em mulheres

Além dos sintomas mencionados, é frequente o aparecimento de hipertensão, elevação do colesterol, glicemia ou diabetes mellitus. Arritmias cardíacas ou distúrbios no funcionamento das válvulas cardíacas também podem ocorrer.

Diagnóstico da acromegalia

Tumores cerebrais
 

A acromegalia costuma ser diagnosticada 10 a 15 anos após o início dos sintomas. Isso ocorre porque eles aparecem, como vimos, lenta e progressivamente. 

O diagnóstico tardio pode levar a complicações nos pacientes. Para fechar o diagnóstico, é essencial obter um histórico médico abrangente e fazer um exame físico, além de uma análise consistente para medir os níveis de hormônio do crescimento basal, entre outros parâmetros.

Uma vez confirmado o excesso de GH, deve ser realizada uma ressonância magnética da área hipotalâmica-hipofisária para confirmar a origem do excesso de GH.

A acromegalia pode ser tratada?

O tratamento mais difundido é a cirurgia. Esta técnica tenta remover o tumor da hipófise. Os resultados deste tratamento costumam ser positivos.

Quando o tumor é muito grande, ele não pode ser completamente removido. Como consequência dessa situação, a doença se torna incurável. Nessa situação, os profissionais podem recorrer à radiação e à administração de medicamentos.

A terapia medicamentosa de escolha são os análogos da somatostatina, o hormônio que inibe a liberação de GH. Atualmente, temos medicamentos com diferentes mecanismos de ação que permitem, separadamente ou em combinação, controlar a doença.

Não deixe de ler: O que é adenoma hipofisário?

Após a realização do tratamento indicado pelo médico, recomenda-se fazer revisões anuais para verificar se a doença não reapareceu e se a hipófise está controlada e produz hormônios normalmente.