A saúde da pele, o que é mito e o que é realidade?

13 de setembro de 2019
Existem alguns mitos sobre o cuidado da pele que podem afetar negativamente sua saúde. Além disso, existem certas coisas que desconhecemos que são determinantes para protegê-la. Quer saber mais?

A saúde da pele é um tema que nem sempre recebe a atenção que merece. Ainda que se trate de um dos órgãos mais importantes e extensos do corpo, às vezes costumamos descuidá-lo. Ainda, a maioria somente presta atenção em seu cuidado por motivos estéticos.

Contudo, muito além disso, a pele se encarrega de proteger o corpo frente agentes externos. Age como barreira frente às mudanças de temperatura, do ar, às bactérias, etc. Ademais, a saúde da pele também pode ser reflexo de alterações em outras partes do corpo.

Sabia que existem certos tumores, como os que se desenvolvem no pulmão, que podem produzir urticária na pele? De fato, muitos transtornos sistêmicos mostram seus primeiros sintomas por meio dela.

Ainda mais, a pele permite experimentar o sentido do tato, afeta nosso aspecto, sexualidade e autoestima. Por isso, neste artigo explicamos quais são os mitos e realidades sobre a saúde da pele.

A hidratação afeta a saúde da pele?

Isso é uma realidade. Beber água é necessário para manter em equilíbrio o funcionamento de todo o organismo. Além disso, é essencial para que a pele se mantenha hidratada e intumescida.

No entanto, é uma ideia falsa a necessidade de beber 2 litros de água por dia para manter a saúde da pele. Sim é verdade que é recomendado beber entre 1,5 a 2 litros de água diários. Contudo, isso é uma média. A quantidade necessária varia em função de numerosos fatores. O exercício, a temperatura ambiente ou a dieta podem aumentar os requerimentos de água.

A hidratação da pele é fundamental

O consumo de água é necessário para promover a saúde da pele. Contudo, não é inteiramente certo a necessidade de consumir 2 litros por dia.

O sol cura a acne?

Isso é um mito muito difundido. A maioria das pessoas pensa que tomar sol melhora a acne. No entanto, não é bem assim. Em primeiro lugar, saiba que a maioria dos tratamentos médicos que são utilizados para a acne são fotossensíveis.

Isso quer dizer que, caso esteja tomando algum medicamento para a acne, expor-se ao sol pode gerar uma reação na pele. Além disso, se o faz sem proteção solar poderá acabar com uma queimadura de sol. Isso piorará ainda mais a acne.

Por outro lado, caso tenha cicatrizes recentes das espinhastomar sol fará com que as marcas fiquem mais visíveis. Por isso, tente evitar as horas mais fortes de sol e utilize uma proteção solar adequada.

Talvez te interesse ler também: Remédios caseiros para evitar e tratar queimaduras de sol

A pele se renova constantemente?

Isso é verdade. Em suma, a pele é um órgão com um ciclo próprio de renovação. Suas células se regeneram continuamente na camada mais profunda. Desse ponto, migram para a epiderme (a camada mais superficial da pele) e substituem as células velhas.

A pele demora uns 28 dias para se renovar. No entanto, com a idade, este ritmo de renovação fica mais lento. Também influenciam neste processo a exposição solar, a insônia ou uma má alimentação.

Mulher com pele saudável

A pele tem seu próprio ciclo de renovação. No entanto, este processo muda com a idade e os hábitos de vida.

A esfoliação elimina a celulite?

Muitas mulheres pensam que esfoliar as coxas ou os glúteos pode ajudar a eliminar a celulite. A saber, a celulite é um acúmulo de gordura nas camadas mais profundas da pele.

Com a esfoliação, a única coisa que obteremos é estimular a camada mais superficial. Por isso, é um mito que a esfoliação dos glúteos ou coxas ajuda a eliminar a celulite. 

Para conseguir reduzi-la o mais importante é manter uma dieta adequada e realizar exercício constante. Consulte com seu médico e com um treinador pessoal caso queira alcançar este objetivo.

Leia mais: Hábitos contra a celulite

O estresse afeta a saúde da pele?

Sim, isso é verdade. Conforme expõe um estudo publicado no Clinical and Experimental Dermatology, a exposição constante ao estresse afeta tanto a saúde da pele como o bem-estar do resto do organismo. De fato, foi comprovado que existem alterações e doenças dermatológicas que são influenciadas por este fator.

A psoríase, por exemplo, é uma doença crônica da pele que se caracteriza pelo aparecimento de manchas vermelhas com escamas esbranquiçadas. Ainda, pode produzir dor e ardências nas áreas afetadas. Foi demonstrado que piora notavelmente com o estresse.

Outro caso é a alopecia areata. É uma doença autoimune na qual o sistema imunológico provoca a queda do cabelo em áreas localizadas. Também está relacionada com a ansiedade e o estresse.

Estresse afeta a pele

A constante exposição a situações de estresse pode afetar a saúde da pele. De fato, o estresse está associado com o aparecimento de vários transtornos cutâneos.

Concluindo

Estes são somente alguns exemplos que esclarecem que nem tudo o que pensamos e escutamos sobre a pele é verdade. Portanto, o recomendado é procurar um médico ante qualquer dúvida ou problema.

Além disso, existem maneiras simples de cuidar não só da saúde da pele, assim como de todo o organismo. Manter-se hidratado e descansar corretamente são formas de melhorar o funcionamento de todo o corpo.

Ademais, já sabemos que a exposição solar entre 10 as 16 horas pode ser prejudicial para a pele e arriscado para a saúde. O ideal é utilizar sempre um protetor solar adequado para o tipo de pele. 

  • Hunter, H. J. A., Momen, S. E., & Kleyn, C. E. (2015). The impact of psychosocial stress on healthy skin. Clinical and Experimental Dermatology, 40(5), 540–546. https://doi.org/10.1111/ced.12582
  • ¿Cómo hidratar la piel? – Parc de Salut Mar. (n.d.). Retrieved July 30, 2019, from https://www.parcdesalutmar.cat/es/dermatologia/consells-practics/hidratar-pell/
  • Haluza D, Simic S, Moshammer H. Sun Exposure Prevalence and Associated Skin Health Habits: Results from the Austrian Population-Based UVSkinRisk Survey. Int J Environ Res Public Health. 2016;13(1):141. Published 2016 Jan 19. doi:10.3390/ijerph13010141
  • Basavaraj, K. H., Navya, M. A., & Rashmi, R. (2011, July). Stress and quality of life in psoriasis: An update. International Journal of Dermatology. https://doi.org/10.1111/j.1365-4632.2010.04844.x
  • Rousset, L., & Halioua, B. (2018, October 1). Stress and psoriasis. International Journal of Dermatology. Blackwell Publishing Ltd. https://doi.org/10.1111/ijd.14032
  • Gupta, M. A., Gupta, A. K., & Watteel, G. N. (1997). Stress and alopecia areata: A psychodermatologic study. Acta Dermato-Venereologica77(4), 296–298.
  • Hosoi, J. (2006, August). Stress and the skin. International Journal of Cosmetic Science. https://doi.org/10.1111/j.1467-2494.2006.00330.x