8 alimentos benéficos para combater as úlceras

14 de janeiro de 2020
Mesmo que cada pessoa saiba quais alimentos caem bem ou mal, estes são os mais recomendados para qualquer paciente com úlceras gástricas.

As úlceras gástricas são um transtorno que afeta o revestimento interno do estômago ou do intestino delgado e podem piorar muito a qualidade de vida de quem sofre com elas.

Na maioria dos casos, a causa é uma bactéria. Apesar disso, outros fatores também podem influenciar de maneira decisiva, como os maus hábitos (álcool e tabaco), alguns medicamentos ou o estresse e as emoções negativas.

Descubra neste artigo quais são os 8 melhores alimentos para prevenir e tratar as úlceras gástricas.

8 alimentos para combater as úlceras gástricas

1. Abacaxi

combater as úlceras

O abacaxi é uma fruta rica em enzimas com a virtude de facilitar a digestão, principalmente dos alimentos ricos em proteínas.

Além disso, destaca-se por suas propriedades anti-inflamatórias, por causa da bromelina, de acordo com este estudo da Universidade Mangalayatan (Índia).

Podemos comer o abacaxi fresco antes das refeições ou como sobremesa. Além disso, também podemos adicioná-lo em sucos ou vitaminas caseiras.

2. Couve

A couve é uma hortaliça com alto poder alcalinizante. Além disso, tem a propriedade de facilitar a cicatrização das úlceras.

Podemos consumi-la crua (deixando macerar umas duas horas em azeite, vinagre e sal), cozida ou em sucos.

Somente recomenda-se moderação no seu consumo para quem sofre com hipotireoidismo.

3. Pimentão vermelho

combater as úlceras

O pimentão vermelho é um alimento muito aperitivo e tonificante gástrico, ou seja, abre o apetite e estimula a secreção de sucos gástricos. Isto é afirmado neste estudo do Instituto Central de Pesquisa Tecnológica de Alimentos (Índia).

Podemos consumir o pimentão vermelho cru (sucos, saladas, guarnições), cozido ou assado. Nesta última forma, tem um sabor delicioso e combina perfeitamente como acompanhamento de qualquer prato.

4. Batata

A batata é um alimento antiácido excelente. Não só por ser um dos poucos alimentos que queremos consumir quando sofremos de acidez, como também o suco de batata crua é um antigo remédio alcalinizante, como afirma esta pesquisa da Universidade de Purdue (Estados Unidos).

Se quisermos preparar este antigo remédio, devemos consumir durante nove dias a seguinte mistura em jejum.

Ingredientes

  • 1/2 copo de suco de batata crua bem lavada e sem casca, livre de brotos (100 ml)
  • 1 colher de azeite de oliva extra virgem (16 g)

Espere pelo menos meia hora antes de tomar o café da manhã.

5. Cenoura

combater as úlceras

A cenoura é uma hortaliça alcalinizante e ideal para qualquer transtorno gástrico. Além disso, se a consumirmos na forma de suco natural, tem a vantagem de melhorar toda a mucosa digestiva. Isto é afirmado neste estudo da Universidade da Califórnia.

Uma excelente combinação é o suco caseiro de cenoura e maçã, que podemos tomar meia hora antes das refeições como remédio antiácido preventivo.

6. Maçã

A maçã é uma das frutas mais humildes e, no entanto, mais medicinais que existem.

Esta fruta age como um regulador digestivo natural e é ideal para transtornos como úlceras, gastrite, acidez, dor, prisão de ventre ou diarreia, conforme explicado neste estudo da Universidade de Reading (Reino Unido).

A maçã é muito recomendada para prevenir e curar as úlceras gástricas graças ao seu teor de fibras, betacarotenos e vitamina C. Estes nutrientes facilitam a recuperação dos tecidos do sistema digestivo.

Leia também: Vitamina de mamão, maçã e aveia para equilibrar o sistema digestivo

7. Aloe vera

Aloe Vera

O aloe vera é uma planta que se destaca, principalmente, por seu alto poder cicatrizante. Além disso, é antioxidante, bactericida e anti-inflamatória, de acordo com este estudo do Instituto College and Research da Índia. No caso das úlceras gástricas, o aloe vera é efetivo em diferentes sentidos:

  • Suas propriedades bactericidas previnem a reprodução da bactéria Helicobacter pylori, que se relaciona com muitos casos de úlceras.
  • As úlceras estão relacionadas com um processo inflamatório de todo o trato digestivo e o aloe tem a vantagem de desinflamá-lo.
  • Seu teor de aleomodina e aleoleína o transforma em um excelente reparador da mucosa gástrica.

Leia também: Como combater a digestão lenta com preparações à base de aloe vera

8. Água do mar

Hoje em dia, podemos encontrar a água do mar apta para o consumo em alguns supermercados e lojas de produtos naturais, já que foi descoberto que é uma fonte excelente de minerais e oligoelementos.

Outros conselhos

Para combater as úlceras gástricas também podemos seguir estes conselhos:

  • Preparar alimentos simples, sem misturar diferentes tipos de alimentos por vez.
  • Mastigar bem e comer sem pressa.
  • Não beber água durante as refeições. Melhor beber em jejum, no meio da manhã e no meio da tarde.
  • Evitar o tabaco e o álcool.
  • Combater o estresse com remédios naturais e terapias relaxantes (massagens, ioga, taichi, etc.).
  • Evitar alimentos fritos ou refinados, assim como o açúcar branco e as substâncias e temperos estimulantes e picantes (café, cola, pimenta, canela, cravo, gengibre, etc).

Conclusão

Como conclusão, sem prejuízo de tudo o que foi dito anteriormente, que são conselhos úteis e necessários que devem ser seguidos para melhorar essa condição patológica, é recomendável consultar um médico. De fato, é o médico quem deve diagnosticar e tratar úlceras. No entanto, e como complemento do tratamento, você pode e deve seguir uma dieta que beneficie o seu processo de recuperação com os alimentos como propomos neste artigo.

  • Caballé, F. F. (2008). Epidemiología, factores pronósticos y causas de hemorragia digestiva alta no varicosa. Gastroenterologia y Hepatologia Continuada.
  • Guimarães, L. L., Ventura, A. L., Capellari, L. R., Souza, V. V. de, & Toma, W. (2017). Análise fitoquímica de plantas medicinais indicadas popularmente na forma de garrafadas para o tratamento da úlcera gástrica. Unisanta Health Science.
  • Valdivia Roldán, Mario. “Gastritis y gastropatías.” Revista de Gastroenterología del Perú 31.1 (2011): 38-48.