7 benefícios do dente-de-leão que você provavelmente não conhecia

6 de novembro de 2017
Embora as evidências atuais continuem sendo limitadas, há estudos que sugerem que o dente-de-leão pode ajudar a promover a saúde em muitos aspectos. Conheça seus principais benefícios.

O dente-de-leão, também conhecido como chicória amarga, é uma planta que, em geral, é considerada uma “erva daninha”. No entanto, em vista de seu uso na medicina popular foram realizadas pesquisas sobre suas propriedades e seus benefícios para a saúde.

Ele cresce facilmente em áreas rurais, estradas e pastagens, embora muitos a cultivem intencionalmente em hortas e jardins para utilizá-lo como ingrediente no preparo de remédios naturais.

A maioria dos remédios são infusões que, quando bebidas com certa regularidade, supõem uma ajuda ao bom funcionamento do organismo. Existem até quem as utilize como coadjuvante para aliviar os sintomas de certas doenças.

No entanto, neste último caso, seu consumo deve ser supervisionado pelo médico, especialmente se um tratamento farmacológico já tiver sido adotado. Não ignore que as plantas podem interagir com medicamentos e efeitos colaterais.

Além disso, deve ficar claro que não devem ser utilizadas como substituição do tratamento convencional. Se o profissional concordar, esta planta pode ser considerada como um complemento para promover a saúde. Portanto, vamos ver a seguir o que a ciência diz e quais são seus benefícios mais destacados.

O que a ciência diz sobre o dente-de-leão?

Até o momento, as pesquisas revelaram que o dente-de-leão é uma planta cujos compostos (sesquiterpenlactonas, fenilpropanóides, saponinas, triterpenóides e polissacarídeos) têm um efeito principalmente diurético e digestivo que ajuda a melhorar a saúde. Por sua vez, considera-se que esses efeitos levam a: estimular o apetite e desinchar.

Deve-se notar que o dente-de-leão não é usado apenas como remédio alternativo para humanos, mas também para animais. Especialmente cães, gatos, coelhos, roedores, répteis e pequenos pássaros.

Benefícios do dente-de-leão

O dente-de-leão é uma planta medicinal que é conhecida em muitos lugares do mundo. Segundo uma publicação feita na Cambridge University Press, é uma fonte de vários nutrientes e substâncias biologicamente ativas. Além disso, suas raízes e folhas contêm vitaminas (complexos A, K, C e B), minerais (cálcio, magnésio, potássio, zinco e ferro), micronutrientes, fibras, lecitina e colina.

Esse mesmo estudo destaca que, além disso, a planta possui propriedades como imunomodulador, estimulante digestivo, prebiótico, estimulante da insulina, anti-inflamatório, antiangiogênico, antineoplásico e demulcente. No entanto, dada a escassez e limitação dos estudos realizados, são necessárias mais evidências para comprovar seus benefícios, doses seguras e eficácia.

Por enquanto, o dente-de-leão é usado em medicina complementar em quantidades moderadas, seja em cápsulas, extratos ou infusões. Em detalhes, seus benefícios incluem o seguinte:

1. Combate a retenção de líquidos

Devido às suas propriedades diuréticas e anti-inflamatórias, o dente-de-leão foi utilizado como suplemento para estimular a eliminação de resíduos por meio da urina e, em geral, de todos os líquidos retidos no organismo. Em suma, os seus ativos naturais melhoram a função renal quando se bebe sua infusão 2 vezes por dia.

2. Melhora o funcionamento do fígado

A raiz do dente-de-leão é um protetor conhecido do fígado, não só porque ajuda a otimizar seu funcionamento, mas porque previne e alivia inflamações. Paralelamente, ajuda a regular o fluxo da bile.

Um estudo publicado em Molecules, em 2017, determinou que os polissacarídeos no dente-de-leão podem ser benéficos para a função hepática. Para obter esses benefícios, será necessário preparar a raiz infundida e beber pelo menos 3 vezes por semana.

3. Ajuda na digestão

Mulher sentindo cólicas intestinais

Esta planta não só tem propriedades digestivas, como também tem um leve efeito laxante que ajuda a melhorar os movimentos intestinais, de acordo com informações de um estudo publicado em Neurogastroenterology and Motility.

Portanto, uma infusão de dente-de-leão, em combinação com uma dieta rica em fibras e antioxidantes, além de ser uma boa hidratação, pode ajudar a eliminar os resíduos acumulados.

No caso de indigestão e gases, a infusão dessa planta também é recomendada, pois proporciona alívio sem afetar a atividade de bactérias saudáveis.

4. Combater a anemia

Devido à sua significativa contribuição de minerais como ferro, magnésio e cálcio, o dente-de-leão também é um bom complemento para acelerar a recuperação de episódios de anemia e fadiga.

Embora sejam necessárias mais evidências nesse sentido, uma pesquisa publicada em Advances in Hematology determinou que ele pode apoiar a formação de glóbulos vermelhos e brancos, o que ajuda, entre outras coisas, a fortalecer o sistema imunológico e combater a anemia.

5. Protege a saúde dos olhos

O dente-de-leão protege a saúde ocular

O conjunto de nutrientes essenciais que o dente-de-leão contém também pode ajudar, de certa maneira, a cuidar da saúde visual, pois minimiza o risco de catarata, a degeneração macular e outras condições.

A luteína e a zeaxantina são duas substâncias (pigmentos) que podem ser encontradas nessa planta e, em maior medida, em vários alimentos, como: acelga, milho, brócolis, laranja, manga, etc.

6. Combate problemas cutâneos

O consumo regular da infusão e a aplicação de compressas de dente-de-leão são soluções naturais para alguns problemas de pele. De fato, uma pesquisa publicada em Oxidative Medicine and Cellular indica que seus extratos ajudam a proteger a pele contra os danos causados pelos UVB.

Dado que essa planta tem efeitos anti-inflamatórios e cicatrizantes, seu uso também promove a cicatrização de feridas superficiais e alergias.

7. Alivia a inflamação

Mulher com ombro inflamado

Como evidenciado em um estudo publicado em Food and Chemical Toxicology, além dos nutrientes mencionados acima, essa planta possui componentes anti-inflamatórios que, quando assimilados no organismo, ajudam a restaurar o equilíbrio de seus processos inflamatórios.

Lembre-se

Embora essa planta possa ajudar a cuidar ou manter a saúde, ela não deve ser usada como tratamento exclusivo para nenhuma condição.

O mais recomendável é usar sua infusão como complemento a um estilo de vida saudável, fundamentado em uma dieta balanceada, hidratação adequada e exercícios regulares.

Por outro lado, existem certos grupos de pessoas que devem evitar seu uso: mulheres grávidas, mulheres que amamentam, pacientes com problemas na vesícula e cálculos biliares. Qualquer dúvida, consulte o médico.

  • González-Castejón, M., Visioli, F., & Rodriguez-Casado, A. (2012). Diverse biological activities of dandelion. Nutrition Reviews70(9), 534–547. https://doi.org/10.1111/j.1753-4887.2012.00509.x
  • Wirngo FE, Lambert MN, Jeppesen PB. The Physiological Effects of Dandelion (Taraxacum Officinale) in Type 2 Diabetes. Rev Diabet Stud. 2016;13(2-3):113–131. doi:10.1900/RDS.2016.13.113
  • Qureshi, S., Adil, S., El-Hack, M. E. A., Alagawany, M., & Farag, M. R. (2017, July 4). Beneficial uses of dandelion herb (Taraxacum officinale) in poultry nutrition. World’s Poultry Science Journal. Cambridge University Press. https://doi.org/10.1017/S0043933917000459
  • Clare, B. A., Conroy, R. S., & Spelman, K. (2009). The diuretic effect in human subjects of an extract of Taraxacum officinale folium over a single day. Journal of Alternative and Complementary Medicine15(8), 929–934. https://doi.org/10.1089/acm.2008.0152
  • Cai, L., Wan, D., Yi, F., & Luan, L. (2017). Purification, Preliminary characterization and Hepatoprotective effects of polysaccharides from dandelion Root. Molecules22(9). https://doi.org/10.3390/molecules22091409
  • Jin, Y. R., Jin, J., Piao, X. X., & Jin, N. G. (2011). The effect of Taraxacum officinale on gastric emptying and smooth muscle motility in Rodents. Neurogastroenterology and Motility23(8). https://doi.org/10.1111/j.1365-2982.2011.01704.x
  • Modaresi M, Resalatpour N. The Effect of Taraxacum officinale Hydroalcoholic Extract on Blood Cells in Mice. Adv Hematol. 2012;2012:653412. doi:10.1155/2012/653412
  • Buscemi S, Corleo D, Di Pace F, Petroni ML, Satriano A, Marchesini G. The Effect of Lutein on Eye and Extra-Eye Health. Nutrients. 2018;10(9):1321. Published 2018 Sep 18. doi:10.3390/nu10091321
  • Yang Y, Li S. Dandelion Extracts Protect Human Skin Fibroblasts from UVB Damage and Cellular Senescence. Oxid Med Cell Longev. 2015;2015:619560. doi:10.1155/2015/619560
  • Park, C. M., Cho, C. W., & Song, Y. S. (2014). TOP 1 and 2, polysaccharides from Taraxacum officinale, inhibit NFκB-mediated inflammation and accelerate Nrf2-induced antioxidative potential through the modulation of PI3K-Akt signaling pathway in RAW 264.7 cells. Food and Chemical Toxicology66, 56–64. https://doi.org/10.1016/j.fct.2014.01.019