6 diferenças entre amor e costume

26 Novembro, 2019
Um casal que começa seu relacionamento muito apaixonado, com o tempo, pode apresentar certos comportamentos que mostra que eles não estão mais juntos por amor, mas pela consistência. Saiba quais são as diferenças entre amor e costume.

Compartilhar por tanto tempo a vida com outra pessoa pode dar lugar à monotonia. Nesse momento podemos começar a pensar se o que sentimos é amor ou estamos acostumados ao relacionamento. Existem diferenças entre amor e costume, e neste artigo mencionaremos algumas.

Certamente, um relacionamento envolve enfrentar inúmeros desafios. Desafios que, em alguns casos, não são superados da melhor maneira. Quando esse estágio é apresentado, é comum que a mágica e a ilusão que o casal sentia no início desapareçam gradualmente.

Assim, um dos dois, ou até mesmo ambos, pode permanecer no relacionamento apenas por costume.

No entanto, não devemos esquecer que existem alternativas para tentar estimular o relacionamento, como afirma este estudo da Universidade Carleton do Canadá. Não desista se ainda houver amor!

Diferenças entre amor e costume

Aqui estão algumas perguntas que ajudarão você a diferenciar se está com seu parceiro por amor ou costume.

1. Tudo o que ele faz lhe incomoda?

Brigas constantes de casal é uma diferença entre amor e costume

Uma das estratégias para saber se o que sentimos é amor ou costume é nos perguntarmos o seguinte: Por que agora me incomodam tantas coisas que a princípio eu não dava importância? Se ele fizer barulhos ao comer, esquecer-se de comprar alguma coisa, ou até mesmo se não usar aquela camisa que você gosta tanto.

Ou seja, se qualquer coisa que ele fizer, ou não, incomodar, você deve repensar se quer continuar com essa pessoa. Isso é o melhor que você pode fazer, porque, se não, viverá em constante descontentamento. Simplesmente, você permanecerá com seu parceiro apenas por hábito.

Descubra: Testes de amor para validar a força de um relacionamento

2. Você não tem certeza sobre planejar as coisas com o seu parceiro? 

Você quer fazer uma viagem daqui a alguns meses, mas você se pergunta se realmente quer ir com seu parceiro ou começa a dar qualquer desculpa para que esse plano não aconteça. Se isso acontecer com você, ou se acontecerem situações semelhantes, algo não está certo em seu relacionamento.

Esta falta de compromisso com o seu relacionamento e insegurança é apenas mais um sinal de que você está com o seu parceiro por hábito e não por amor, uma vez que, segundo esta pesquisa da Universidade de Granada, a ausência de comprometimento na tomada de decisão pode ser o gatilho de uma separação. Pode ser que essa pessoa tenha deixado de ser seu parceiro ideal.

3. O seu “eu te amo” é automático? 

Casal apaixonado

Dizer “eu te amo” é um ato muito especial, e quando você realmente o sente, torna-se duas vezes mais especial. No entanto, é uma frase que perde seu verdadeiro significado quando você diz sem desejo ou compromisso, porque você não está sentindo como antes.

Se você repetir essa frase automaticamente para que a outra pessoa não se sinta mal, algo não está certo em seu relacionamento. Ou, se você se sentir preocupado e temer que a ausência dessa frase seja uma razão para encorajar uma discussão, definitivamente, você pode não sentir mais amor, mas estar com seu parceiro por costume.

4. Falta de sexo? 

Fazer amor com pouca frequência pode ser outra diferença entre amor e costume. A intimidade é muito importante para qualquer casal. Quando as relações sexuais melhoram com o passar do tempo, é porque ambas as partes construíram vínculos muito fortes.

Por outro lado, se você não se sentir incentivada a fazer amor com o seu parceiro, pode não estar mais com ele por amor.

Você pode sentir que apenas faz sexo com o seu parceiro devido ao compromisso ou obrigação, ou podem existir problemas mais profundos, como os descritos neste estudo realizado pela Universidade Nacional Autônoma do México, que enfatiza problemas de autoestima ou traumas passados.

5. Você não surpreende mais seu parceiro? 

Casal separado é uma diferença entre amor e costume

Os pequenos detalhes fazem a diferença. São pequenas coisas que tornam a vida mais bonita. E se for em um casal, muito mais. Há inúmeras coisas que você pode fazer para surpreender aquela pessoa especial: um jantar romântico em casa, um inesperado “eu te amo”, uma mensagem motivadora ou um passeio romântico.

No entanto, quando o seu parceiro não dá valor ao menor detalhe ou se nem sequer lhe diz como é bom, provavelmente estão juntos por hábito e não por amor.

6. Já não lhe apetece conversar com o seu parceiro? 

Uma má ou pouca comunicação é outra das seis diferenças entre amor e costume que você deve avaliar em seu relacionamento.

A verdade é que uma boa comunicação é a base de todos os relacionamentos e passa por diferentes fases, conforme declarado neste estudo pela Universidade Nacional Autônoma do México. Sem ela, é impossível encontrar o equilíbrio que desejamos alcançar com nosso parceiro.

Sem dúvida, duas pessoas que realmente se amam superam as barreiras da comunicação. Quando você guarda seus problemas para si mesmo e não faz um esforço para falar sobre seus planos com seu parceiro, é porque algo não está certo em seu relacionamento. Nesse caso, você pode não sentir mais a mesma confiança de quando sua história de amor começou.

Você se identifica com alguma dessas seis diferenças entre amor e costume? É importante que você conheça essas diferenças, porque se o seu relacionamento começar a apresentar esses sintomas, você saberá reconhecê-los a tempo. Então, se você acha que ainda ama seu parceiro, simplesmente procure uma solução.

Uma vez que vocês estejam cientes de que algo está acontecendo com vocês como um casal, é muito mais fácil atacar e superar o problema.

No caso em que ambos querem realmente salvar o relacionamento, devem se esforçar para recuperar a magia que tinham no início do relacionamento.

  • Sangrador, J. (1993). Consideraciones psicosociales sobre el amor romántico. Psicothema5(1), 181–196.
  • Corona Berkin, S., & Rodríguez Morales, Z. (2000). El amor como vínculo social, discurso e historia: aproximaciones bibliográficas. Espiral: Estudios Sobre Estado y Sociedad6(17), 49–70.
  • Barón, M. J. O., Zapiain, J. G., & Apodaca, P. (2002). Apego y satisfacción afectivo-sexual en la pareja. Psicothema14(2), 469–475.