5 remédios naturais eficazes contra os sintomas da blastomicose

A blastomicose é uma infecção de origem fúngica cujos sintomas podem ser controlados com a ajuda de alguns remédios naturais, ainda que sempre seja conveniente consultar um especialista para obter um diagnóstico adequado.
5 remédios naturais eficazes contra os sintomas da blastomicose

Última atualização: 11 Fevereiro, 2021

Os sintomas da blastomicose podem ser confundidos com os de uma simples gripe. Isso ocorre porque, muitas vezes, o que parece ser uma gripe comum se estende mais do que o esperado, ou termina afetando regiões alheias às vias respiratórias.

Se este for o seu caso, é recomendável procurar o seu médico de confiança para fazer uma avaliação. Talvez você esteja sofrendo com uma infecção fúngica, como é o caso da blastomicose.

Para estar atento e saber diferenciá-la de uma gripe comum, é importante conhecer os seus sintomas. A seguir, vamos apresentar todos eles.

Da mesma forma, para ajudar a combatê-la, neste artigo, vamos apresentar 5 remédios naturais que podem ser facilmente aplicados contra os sintomas da blastomicose. Embora seja verdade que eles não possuem comprovação científica, esses tratamentos caseiros podem ser úteis por causa das propriedades antifúngicas e antimicóticas que possuem.

O que é a blastomicose?

A blastomicose é uma doença infecciosa que afeta principalmente os pulmões, a pele e os ossos. Também conhecida como doença de Gilchrist, esta infecção é causada pelo fungo denominado Blastomyces dermatitidis.

O sistema respiratório é o mais afetado, pois a forma de contágio mais comum é através das vias aéreas, ao inalar o fungo. Dependendo do estado da imunidade do organismo hóspede, o fungo pode passar para a corrente sanguínea e se disseminar por outros tecidos, tais como os ossos ou a pele.

Este fungo geralmente é encontrado em locais onde há matéria orgânica em decomposição, tais como folhas e galhos, em solos úmidos. Raramente o fungo penetra através da pele, sendo então menos provável que ele chegue a outras partes do corpo. Este tipo de blastomicose cutânea geralmente se cura espontaneamente.

Sintomas da blastomicose

A blastomicose pulmonar nem sempre apresenta sintomas, a menos que comece a se espalhar para outros tecidos do corpo. Nesse caso, os sintomas são parecidos com os da gripe aguda ou da pneumonia, tais como:

  •  Febre.
  • Dispneia.
  • Mal-estar geral.
  • Dor muscular ou fadiga.
  • Dores nas articulações.
  • Sensação de dor na área torácica.
  • Tosse (pode incluir muco com vestígios de sangue).

Por outro lado, no caso da blastomicose cutânea, as lesões podem ser observadas em áreas como as axilas, o pescoço, o rosto ou os membros. Os sintomas geralmente são:

  • Pústulas que podem sangrar facilmente e formar úlceras.
  • Verrugas que podem ter uma coloração entre cinza e violeta.
  • O nariz ou a boca são os locais onde geralmente mais aparecem lesões.
  • As pústulas ou manifestações na pele podem ter a aparência de úlceras ou verrugas.

5 remédios naturais para combater os sintomas da blastomicose

Por causa das características desta doença, às vezes ela é confundida com outros problemas e pode ser um pouco complicado para encontrar o tratamento adequado. Assim, os remédios naturais podem ser muito úteis enquanto o medicamento apropriado ainda não tiver sido definido por um especialista.

1. Óleo de coco

sintomas da blastomicose

Este óleo é muito conhecido por causa das suas múltiplas propriedades, dentre as quais se encontram as antimicrobianas. Por isso, ele se torna uma ferramenta interessante para o tratamento de infecções.

Ingredientes

  • Óleo de coco (quantidade necessária).

Procedimento

  • Tomar uma colher de chá de óleo de coco diariamente (5 ml).
  • Se houver lesões cutâneas, aplicar um pouco do óleo sobre a pele depois do banho.

2. Consumir alho

De acordo com a sabedoria popular, por causa do seu alto teor de alicina, o alho é um antimicótico por excelência. Por esta razão, ele é altamente recomendado para o tratamento de doenças causadas por fungos, tais como a blastomicose. Graças ao seu teor de alicina, este vegetal favorece a estimulação do sistema imunológico.

Há quem recomende consumir alguns dentes de alho por dia ou uma cápsula de alho três vezes ao dia. Entretanto, geralmente se diz que basta integrar o alho a uma dieta balanceada, com moderação.

3. Hidraste

A erva conhecida como hidraste também atende aos requisitos de um antifúngico. Se consumida juntamente com outros remédios que tenham as mesmas propriedades, a eficácia pode ser ainda maior.

Ingredientes

  • 1 xícara de água (250 ml).
  • 10 gotas de tintura de hidraste.
  • Cápsulas de hidraste (caso você ache o sabor desagradável).

Procedimento

  • Despeje as gotas da tintura de hidraste na água e mexa.
  • Beba esta mistura três vezes ao dia.
  • Alternativamente, tome uma cápsula pelo mesmo número de vezes ao dia.

4. Ingerir vitamina C

sintomas da blastomicose

A vitamina C é uma grande aliada no tratamento de infecções. Tem importante ação fortalecedora do sistema imunológico. Portanto, o consumo dessa vitamina pode ajudar a reduzir os sintomas da blastomicose.

Ingredientes

  • Cápsulas de vitamina C.
  • Frutas cítricas (tangerina, limão, laranja, etc.).

Procedimento

5. Inalação de eucalipto

O eucalipto é uma planta que se destaca por causa das suas propriedades antissépticas e antibacterianas. Da mesma maneira, é muito usado para o tratamento de doenças das vias respiratórias, já que ajuda a combater as possíveis causas de infecções nestas áreas.

Ingredientes

  • 1 toalha.
  • 4 xícaras de água (1 litro).
  • 10 gotas de óleo de eucalipto.

Procedimento

  • Misturar as gotas de óleo de eucalipto na água e levar para aquecer.
  • Quando levantar fervura, retirar do fogo.
  • Cobrir a cabeça com a toalha e colocar o rosto sobre a panela com a mistura. Neste momento, devem ser tomadas precauções extremas para não se queimar.
  • De preferência, a toalha deve cobrir a superfície da panela para evitar que o vapor escape.
  • Inalar profundamente para que o vapor penetre nas fossas nasais até que a água se esfrie.

Você quer experimentar algum remédio? Primeiramente, consulte o seu médico

De acordo com a sabedoria popular, esses remédios naturais podem ser úteis para tratar infecções fúngicas, tais como a blastomicose. Porém, antes de utilizá-los, não se esqueça de consultar o seu médico de confiança, para perguntar se eles são os mais indicados para você e qual seria a forma mais segura de utilizá-los. O profissional saberá como te orientar.

Por outro lado, conhecendo as características específicas da doença, é muito mais fácil encontrar a melhor maneira de tratá-la. Nesse caso, se você apresentar algum dos sintomas da blastomicose, você terá mais facilidade para reconhecê-los e tomar as medidas necessárias.

Pode interessar a você...
7 remédios caseiros para aliviar a micose cutânea de forma natural
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
7 remédios caseiros para aliviar a micose cutânea de forma natural

A medicina alternativa propõe vários remédios naturais para o tratamento da micose cutânea. Você sabe quais são eles? Descubra neste artigo!



  • Bayan, L., Koulivand, P. H., & Gorji, A. (2014). Garlic: a review of potential therapeutic effects. Avicenna Journal of Phytomedicine4(1), 1–14.
  • Bradsher RW. Blastomycosis. In: Bennett JE, Dolin R, Blaser MJ, eds. Mandell, Douglas, and Bennett’s Principles and Practice of Infectious Diseases, Updated Edition. 8th ed. Philadelphia, PA: Elsevier Saunders; 2015:chap 266.
  • Carr, A. C., & Maggini, S. (2017, November 1). Vitamin C and immune function. Nutrients. MDPI AG.
  • Dumancas, G. G., Kasi Viswanath, L. C., de Leon, A. R., Ramasahayam, S., Maples, R., Koralege, R. H., … Castles, S. (2016). Health benefits of virgin coconut oil. In Vegetable Oil: Properties, Uses and Benefits (pp. 161–194). Nova Science Publishers, Inc.
  • Leonardo Sánchez-Saldaña, Jacqueline J. Cabanillas-Becerra 2. Infecciones micóticas sistémicas o profundas: Blastomicosis Norteamericana. Sistemic or Deeph fungal infections: North American blastomycosis.
  • Pohl, S., & Melzig, M. (2015). Hydrastis canadensis. Zeitschrift Für Phytotherapie36(03), 133–139.