5 conselhos para enfrentar a morte do companheiro

29 de junho de 2019
A morte é inescapável, acontece quando acontece, porque somos seres vivos. Portanto, o primeiro passo é aceitar que nosso companheiro morreu e que é necessário tempo para superar isso.

Enfrentar a morte do companheiro não significa apenas dizer adeus a uma pessoa muito especial. Mas, significa também dizer adeus a um passado, um presente e um futuro juntos. É um adeus a um plano de vida, a projetos em comum, a experiências inesquecíveis, a momentos apenas dos dois, a lembranças ainda entre suas coisas.

Superar tudo isso não é fácil. Não é e não será. Será preciso tempo, luto e haverá dor. No entanto, será preciso superá-lo porque a vida continua.

Como enfrentar a morte do companheiro

Cada pessoa é um mundo e enfrenta a perda e o luto de uma maneira diferente. No entanto, a verdade é que existem certas orientações e técnicas que podem nos ajudar a superar a morte do companheiro de uma maneira melhor.

Porque, inevitavelmente, é preciso ter em mente que deve fechar a ferida da maneira correta. Caso contrário, o luto não será concluído e pode até levar a problemas no futuro: fobias, medos, inseguranças, incapacidade de se comprometer, etc.

O luto (tempo, paciência e condescendência)

Homem triste pela perda de sua companheira

O luto é uma reação física, emocional e social à morte de uma pessoa que amamos. Dependendo de cada um, a reação será mais ou menos intensa, terá algumas características ou outras e levará mais ou menos tempo.

No entanto, o tempo é sempre necessário. Ou seja, você deve dar-se tempo, entender que o que aconteceu não é fácil, entender que você deve ser condescendente com o seu próprio eu.

Não esqueça que o luto é uma experiência necessária, embora traumática. Portanto, você deve entender que haverá dor, uma ferida que deve cicatrizar. Você precisa estar comprometido consigo mesmo e ter o tempo necessário para que a ferida cure bem. Deve se permitir sentir a dor e a tristeza.

Nesse sentido, seria interessante listar as tarefas necessárias para fechar a ferida:

  • Aceite a perda.
  • Sofra por isso.
  • Ajuste-se à nova vida sem a pessoa que faleceu.
  • Remover, isto é, separar-se da “energia” do falecido (falar sobre ele normalmente, ser capaz de amar de novo, relacionar-se, etc.)

Por outro lado, os especialistas descrevem que o luto geralmente dura cerca de 18 meses. Se a tristeza e a dor ainda forem extremamente agudas após esse período, talvez seja hora de buscar a ajuda de um profissional. Embora, como dissemos, todos tenham seus próprios tempos.

Recomendamos que confira ademais: O que dizer para uma pessoa que está de luto

Fale sobre ele ou ela

Você deve retomar sua vida. Deixar para trás o que aconteceu e focar que, a partir de agora, seu destino é diferente. No entanto, a pessoa que morreu encheu seu coração no passado, seus dias e suas horas. Portanto, será sempre parte de sua bagagem pessoal.

Por isso, embora durante os primeiros meses seja algo doloroso, pouco a pouco a memória do companheiro falecido terá que se integrar em seu interior como parte de sua história pessoal. Será sempre parte de sua vida, de quem você é e como você é.

Então, fale sobre suas emoções e dessa pessoa especial que já não está mais contigo. Fale sobre como foi, o que faziam juntos, das experiências em conjunto… Sem dúvida, isso te ajudará a se curar.

Visualize o novo futuro após enfrentar a morte do companheiro

Segurando mãos de companheiro

A morte é inevitável. Também é irremediável. Quando chega, não há nada que possa ser feito para mudar as coisas. Portanto, a única opção é aceitá-la mais cedo ou mais tarde.

No entanto, como dissemos antes, o problema em lidar com a morte do companheiro é que, junto com uma pessoa que amamos, também morre um futuro de sonhos, expectativas, planos e anos juntos. E isso nos obriga a reprogramar tudo o que supomos ser nosso futuro e visualizá-lo de uma maneira completamente diferente.

Portanto, a fim de superar a morte do seu ente querido, você deve ser capaz de visualizar esse novo futuro. Para isso, não é necessário imaginar-se o resto da vida de uma forma ou de outra. Você pode começar com metas de curto prazo e, pouco a pouco, projetar-se no futuro.

Recomendamos que você leia também: Inteligência emocional para momentos difíceis

Volte a fazer coisas que você e seu companheiro faziam juntos

Durante os primeiros meses do luto, a ideia de realizar atividades que você fazia com a pessoa falecida pode ser extremamente dolorosa. De fato, o pesar e a tristeza transformarão essas atividades previamente gratificantes em algo realmente amargo, cheio de lembranças e porquês.

No entanto, pouco a pouco, você deve retomar tudo o que faz você se sentir vivo. Você deve ser capaz de sentir prazer e gratificação fazendo coisas que sempre gostou e que fizeram você se sentir bem.

Nesse sentido, gradualmente, você deve entender que não será a mesma coisa sem o seu companheiro (a), é claro, mas será algo diferente. No entanto, lembre-se: pode ser bom de novo e fazer você se sentir bem. Além disso, pouco a pouco, nessas atividades, você deve incorporar a memória da pessoa que você perdeu como forma de enriquecê-la.

Você tem o direito e a obrigação de aproveitar a vida novamente.

Procure ajuda profissional se necessário para enfrentar a morte do companheiro

A terapia ajuda a enfrentar a morte do companheiro

Pode ser que, apesar de tentar, ainda seja realmente difícil para você aceitar ou superar a dor pela morte do seu parceiro. Portanto, não hesite em procurar ajuda profissional para enfrentá-la. Existem terapias de luto que, graças à ajuda de um psicólogo, te ajudam a superar e ser capaz de retomar sua vida e seu futuro.

Por fim, lembre-se que o luto é um processo normal e necessário, que é doloroso e não é fácil de superar. Tenha isso em mente e dê a si mesmo tempo e paciência para aceitar, sofrer e, pouco a pouco, integrar-se à sua história pessoal e, finalmente, superar.

  • Francisco, J. (2017). Terapia de duelo: cómo afrontar el adiós. Retrieved May 17, 2019, from https://lamenteesmaravillosa.com/terapia-de-duelo-afrontar-adios-2/
  • Sanz Ortiz, J. (n.d.). El duelo al perder a la pareja. Santander. Retrieved from http://www.seom.org/seomcms/images/stories/recursos/sociosyprofs/documentacion/manuales/duelo/duelo10.pdf