5 alternativas ao castigo

22 de março de 2019
A comunicação com o seu filho ajudará você a ser gentil e ele a cumprir suas tarefas. Antes de pensar em um castigo, pense em uma maneira de discutir o problema com ele e buscar uma solução em conjunto. Leia o artigo a seguir e eduque seu filho da maneira correta.

Você sabia que os castigos não são a única maneira do seu filho aprender uma lição? Existem alternativas para os pais que permitem um melhor desenvolvimento da criança. Vários psicólogos concordam que gritar ou bater só funciona a curto prazo. Visto que isso não modifica o comportamento das crianças, também afeta diretamente sua saúde emocional. Descubra 5 alternativas ao castigo que o ajudarão a educar melhor seu filho.

Embora sua intenção seja mudar o comportamento errado de seu filho, esse tipo de punição só o faz se sentir humilhado. Com essa estratégia, ele não aprenderá qual é o bom comportamento que você deseja que ele aprenda. Ele apenas evitará as ações que geram a repreensão e enxergará a violência como uma forma de resolver os problemas.

Quais são as melhores alternativas ao castigo?

Entre as melhores alternativas ao castigo para corrigir os comportamentos inadequados das crianças, está a conversa. No entanto, às vezes não é suficiente. Alternativas educacionais que são acompanhadas por reforços positivos devem ser levadas em conta para que a criança seja capaz de entender por que seu comportamento está errado e conseguir mudá-lo.

Alternativas ao castigo: converse, não grite

Alguns livros sugerem outros tipos de repreensão, como a negação às permissões. Essas punições transmitem as mesmas mensagens que as repreensões físicasAs alternativas realmente eficazes ao castigo são aquelas que permitirão à criança aprender com seus erros e crescer de maneira saudável.

A disciplina positiva é um método benéfico para o relacionamento entre pais e filhos, considerando que sua premissa é se basear no amor e no respeito mútuo. Isso não implica que você deva ceder aos caprichos de seu filho, mas também não se trata de ser excessivamente autoritário. É sobre ser firme, considerando os sentimentos e necessidades do seu filho e os seus próprios.

Confira também: Meditação: alternativa aos castigos para as crianças

1. Converse com seu filho e aborde o problema

Muitos pais acham difícil conversar com seus filhos sem terminar em uma discussão. Isso geralmente acontece quando as crianças precisam de ajuda, mas se recusam a conversar com os pais.

Uma alternativa ao castigo é ouvir o seu filho e deixá-lo se expressar. Não se precipite dizendo que você sabe como ele se sente. Muitas conversas acabam em discussão porque os pais intervêm cedo, quando o filho ainda não deixou claro o seu ponto de vista.

Mesmo que você saiba o que pode estar acontecendo na mente de seu filho, expresse curiosidade. Desta forma, ele se sentirá seguro e pronto para lhe dizer o que está acontecendo. Assim que ele se abrir, ambos poderão alcançar a solução para o problema.  

2. Explique as consequências das ações dele

As palavras fazem a diferença. Dizer ao seu filho frases como “se você fizer isso, eu vou fazer você se arrepender” só vai fazer ele sentir medo de você e não o respeitar. Elas também não ensinam quais comportamentos ele precisa mudar.

Converse com seu filho. Faça-o entender que as ações dele trazem consequências. Faça-o entender que tais consequências podem afetar as pessoas que o rodeiam.

Alternativas ao castigo: controle a situação

Você deve ser firme e direto, mas sem deixar a doçura de lado. Não se esqueça de parabenizar o seu filho quando ele estiver se comportando da forma certa para que ele saiba qual é o caminho correto a seguir.

3. Exija que ele faça tarefas adicionais em casa

Uma das alternativas ao castigo é que quando seu filho tiver um comportamento inadequado, você o obrigue a fazer um trabalho extra. Essa é uma maneira de aplicar a disciplina sem recorrer a repreensões físicas e sem a necessidade de elevar sua voz.

4. Peça para ele se desculpar

Você certamente já fez seu filho dizer “desculpe” quando ele se comportou mal, mas você já pensou sobre o verdadeiro poder dessa palavra? Desculpas imediatas, na ocasião, não são a melhor maneira de agir.

Seu filho precisa refletir sobre o próprio comportamento. Isso permite que ele processe suas ações e como elas podem afetar os sentimentos dos outros. Quando estiver calmo, converse com ele sobre o que aconteceu e peça a ele para pensar nas outras pessoas que ele pode estar machucando.

Quando ele refletir sobre a situação, você verá que a desculpa virá naturalmente e será muito mais honesta do que um pedido de desculpas imediato.

5. Dê opções e deixe ele escolher como pagar pelo mau comportamento

Dependendo da magnitude das ações dele, ofereça várias alternativas ao castigo. Permita que ele reflita e decida qual deles ele irá cumprir. Por exemplo, de limitar o acesso a dispositivos eletrônicos a realizar mais tarefas domésticas.

Alternativas ao castigo: tire os dispositivos eletrônicos

Quando você impõe um castigo ao seu filho, ele ficará frustrado com você e possivelmente terá sentimentos de ressentimento e raiva. Por outro lado, se você explicar as consequências das ações dele, ele será capaz de entender qual é a melhor maneira de aprender a lição.

Não deixe de ler: Castigo físico nas crianças e suas consequências

Conclusão

Em conclusão, o castigo tem consequências negativas que qualquer pai ou mãe deve evitar. Por exemplo, ele ensina a criança a usar a punição contra os outros. Você acha que deixá-lo sem sobremesa no jantar ou tirar seu computador lhe trará algum benefício? Ele provavelmente vai acreditar que pode atacar os outros quando se sentir frustrado.

Além disso, incentive o sentimento de culpa. O mais comum é que a punição venha acompanhada do seu filho chorando. Quando isso acontece, o pai ou a mãe geralmente não permite que ele reflita ou saiba o que fez de errado.

  • Palacios, X., Pulido, S., and Montaña, J. (2009). Estrategias desarrolladas por los niños para afrontar el castigo: un diálogo entre la psicología y la teoría de redes sociales. Universitas Psychologica 8, 471–486.
  • Barcelata Eguiarte, B.E., and Alvarez Antillón, I. (2005). Patrones de interacción familiar de madres y padres generadores de violencia y maltrato infantil. Acta Colombiana de Psicología 35–45.
  • Martínez Sánchez, I. (2008). Repercusiones de la utilización del castigo físico sobre los hijos: influencia del contexto familiar. Psicología Educativa 14 (2), 91–102.