Vitamina B10 (PABA): quais são seus benefícios?

O ácido ácido para-aminobenzóico é um nutriente importante para uma boa saúde. No entanto, hoje, é mais conhecido como um ingrediente de proteção UVB em cremes solares.
Vitamina B10 (PABA): quais são seus benefícios?

Última atualização: 02 julho, 2022

Uma das principais classificações entre as vitaminas é a diferenciação entre hidrossolúveis e lipossolúveis. Dentre as primeiras, destacam-se as do grupo B, que compõem um conjunto variado desses micronutrientes com funções semelhantes. Entre elas, a vitamina B10 ou PABA é uma das menos conhecidas.

Como a B4, B8 ou B11, o ácido para-aminobenzóico (PABA) não é mais rotulado como uma vitamina porque não atende à sua definição oficial. No entanto, ainda é importante e necessário. É usado como tratamento para algumas doenças e tem aplicações cosméticas.

O que é ácido para-aminobenzóico?

A vitamina B10 ou PABA é um nutriente essencial para micro-organismos, mas não para humanos. Isso ocorre porque, em circunstâncias normais, o corpo pode fabricá-lo a partir de outras moléculas.

Mas só porque é um nutriente não essencial não significa que não seja necessário ou significativo para o corpo. Também é chamada de vitamina B10 e, no passado, era considerada parte do complexo B.

É um pó cristalino esbranquiçado, inodoro, de sabor amargo e ligeiramente solúvel em água. No momento, as quantidades diárias recomendadas não foram definidas e suas principais fontes alimentares são farelo de cereais, gérmen de trigo, iogurte, fígado e rins.

Iogurte como fonte de vitamina B10
O iogurte é uma das fontes alimentares de vitamina B10.

Possíveis efeitos positivos da vitamina B10 (PABA) no corpo

Como mencionado, o ácido para-aminobenzóico é um nutriente importante para a manutenção da saúde. No corpo, ajuda a regular o metabolismo e a utilização de proteínas, além de ser necessário para a formação de glóbulos vermelhos. Alguns dos benefícios observados estão listados abaixo.

Protetor solar

Essa é uma das ações mais conhecidas do PABA para a saúde. Foi introduzido na década de 1970 como filtro UVB em alguns cremes solares. Esses tipos de raios são os mais associados ao aparecimento de queimaduras e danos às células da pele. 

No entanto, efeitos negativos também foram relatados. É um ingrediente com alta capacidade alérgica e com tendência a criar fotossensibilidade. Além disso, observou-se que pode inibir a ação da glândula tireóide, por isso há dúvidas sobre seus possíveis efeitos positivos.

Nesse sentido, até o momento, a Food and Drug Administration não considera o PABA um ingrediente seguro para uso em cremes protetores solares. Seu uso é regulamentado, definindo valores máximos também para seus derivados. No Canadá seu uso em cosméticos não é permitido, por exemplo.

Problemas dermatológicos

Outra das aplicações da vitamina B10 com mais pesquisas para apoiá-la está associada a distúrbios ou doenças que afetam a pele. Existem ensaios clínicos que apoiam os resultados positivos do PABA como tratamento ou suporte nos seguintes casos:

  • Vitiligo: um distúrbio da pele em que existem áreas não pigmentadas. A suplementação com esta vitamina obteve bons resultados após vários meses de tratamento. No entanto, doses muito altas (superiores a 8 gramas) aparecem como possíveis indutores da doença em pessoas saudáveis.
  • Esclerodermia: é uma doença autoimune que causa uma superprodução de colágeno. Como consequência, surgem alterações da circulação capilar na pele. Bons resultados também foram observados no tratamento com suplementação de PABA.
  • Dermatite herpetiforme: Embora com pesquisas mais limitadas, há evidências de que pode ajudar. Neste caso, não é o tratamento de escolha, mas serve de suporte para aquelas situações mais graves ou que não respondem à terapia tradicional. 

Doença de Peyronie

Este problema também está relacionado a um acúmulo anormal de tecido fibroso, especificamente no pênis. Em um estudo da Urologia Europeia Foi observada uma redução significativa na placa, razão pela qual os especialistas indicam que o tratamento com paraaminobenzoato de potássio pode ser útil na estabilização do distúrbio e na prevenção da progressão da curvatura peniana. 

Saúde e cor do cabelo

Conforme mostrado em análises de estudos de pigmentação de cabelos grisalhos, o PABA é um dos suplementos testados. Resultados positivos foram observados com este suplemento, embora estes tenham desaparecido ao parar de tomá-lo.

Além disso, diz-se que as pessoas que tomam PABA para o tratamento de qualquer uma das doenças acima mencionadas viram a cor do cabelo escurecer 35% das vezes após um período entre 2 e 10 meses. No entanto, especialistas apontam que a qualidade é baixa, já que os resultados finais relatam poucos casos no total.

Efeitos colaterais e contraindicações do ácido para-aminobenzóico

Inicialmente, essa molécula é considerada um composto seguro para a maioria das pessoas quando aplicada na pele. No entanto, como já foi apontado, hoje seu uso como ingrediente em cremes protetores solares não é recomendado. 

Ao longo do tempo, os dermatologistas observaram alguns casos de sensibilização a este e outros compostos estruturalmente semelhantes. Além disso, a exposição contínua a esses produtos pode causar respostas autoimunes. Em particular, lúpus eritematoso sistêmico e dermatomiosite.

Como suplemento, seu uso pode interferir em outras moléculas, como sulfonamidas e ácido aminosalicílico. Entre 1985 e 2008, foram relatados casos de danos no fígado com a ingestão de ácido para-aminobenzóico. O tratamento com vitamina B10 poderia não ser a causa, mas a condição do fígado melhorou quando foi retirado.

Seu uso não é recomendado na gravidez e lactação, nem para quem sofre de doenças ou distúrbios hepáticos. Parte da comunidade científica manifesta dúvidas sobre a segurança da vitamina B10 como suplemento, já que os estudos são poucos. Por isso é importante tomá-lo sempre sob prescrição médica.

Mulher com dor no fígado.
Os efeitos adversos hepáticos são os mais temidos ao consumir este composto.

Precauções para o uso de vitamina B10 ou PABA

O ácido para-aminobenzóico é um nutriente essencial para a manutenção da saúde, pois é necessário para diferentes funções desempenhadas pelo organismo. Não há quantidades oficialmente recomendadas e pode ser fornecido por alimentos como iogurte, farelo de trigo ou fígado. 

O principal problema que costuma gerar são as reações alérgicas, principalmente com aqueles produtos para aplicação cutânea. Na forma oral demonstrou ter ação, mas devido às poucas evidências sobre seu uso como suplemento, deve ser tomado sob orientação e supervisão de um especialista. 

Pode interessar a você...
Ácido pantotênico ou vitamina B5: funções e alimentos que o contêm
Melhor Com Saúde
Leia em Melhor Com Saúde
Ácido pantotênico ou vitamina B5: funções e alimentos que o contêm

O ácido pantotênico, também conhecido como vitamina B5, faz parte do processo do corpo para obter energia. Descubra mais sobre ele!



  • Al Attar L, Kilgore W. Rare Incidence of Acute Liver Injury with Potassium Para-Aminobenzoate Introduction. Case Rep Gastroenterol. Mayo 2018. 12(2):230-233.
  • Astwood E.B. The chemical nature of compounds which inhibit the function of the thyroid gland. Journal of Pharmacology and experimental therapeutics. Mayo 1943. 78(1):79-89.
  • Hughes CG. Oral PABA and vitiligo. Journal of the American Academy of Dermatology. 1983.9:770 (letter).
  • Mackie B.S, Mackie L.E. The PABA story. The Australasian Journal of Dermatology. Febrero 1999. 40(1):51-3.
  • Sawalha K. Treatment of scleroderma with para-aminobenzoic acid: effect on disease morbidity. Mini Review – Archives of General Internal Medicine. Abril 2018. 2(3).19-22.
  • Weidner W. Potassium paraaminobenzoate (POTABA) in the treatment of Peyronie’s disease: a prospective, placebo-controlled, randomized study. European  Urology. Abril 2005. 47(4):530-5
  • Yale K et al. Medication-Induced Repigmentation of Gray Hair: A Systematic Review. Skin Appendage Disorders. Enero 2020. 6(1):10.
  • Ramos Cavazos, César Jair, Jorge Ocampo Candiani, and Minerva Gómez Flores. “Abordaje diagnóstico y terapéutico actual de la dermatitis herpetiforme.” Dermatología Cosmética, Médica y Quirúrgica 17.4 (2020): 244-254.