O ensinamento dos três macacos sábios: um convite à reflexão

· 1 de junho de 2017
Se combinarmos o ensinamento dos três macacos sábios com os filtros de Sócrates, aprenderemos a valorizar em sua justa medida cada coisa que dizemos, ouvimos ou vemos.

A clássica história dos “três macacos sábios” do santuário de Toshogu transmite um ensinamento simples e propõe uma reflexão que nunca sai de moda: devemos ser cuidadosos com o que dizemos, com o que ouvimos, e também com o que vemos.

Este santuário fica no Japão, e a escultura que o tornou famoso com os três macacos clássicos (um tapando a boca, outro, os olhos, e o último, os ouvidos), data de 1636.

Poucas imagens ultrapassaram tantas décadas e fronteiras para chegar até nós quase como um ícone.

E, como sempre acontece com essas coisas, frequentemente esquecemos um pouco seu significado para combiná-lo com outras ideias ou explicações que pouco têm a ver com sua raiz original.

Para os japoneses, por exemplo, refere-se a um código filosófico e de conduta que realça a necessidade de sermos prudentes:

“Não veja o mal, não ouça o mal, não fale com maldade”.

Um ensinamento que provém das escrituras de Confúcio e que, para muitos, oferece certa imagem de “submissão”.

No entanto, os historiadores veem na imagem dos três macacos um paralelo com o relato dos “três filtros de Sócrates”.

Assim, sem dúvida, transmite-nos uma mensagem muito mais útil para nossa vida moderna, talvez distante do antigo servilismo oriental, em que a população era convidada a se submeter diante do sistema sob a recomendação de não ver nem ouvir as injustiças.

Propomos a reflexão sobre esses ensinamentos.

Os 3 filtros de Sócrates

Para entender a semelhança entre os 3 macacos sábios e os 3 filtros de Sócrates, é interessante conhecer primeiro a lição que o sábio ateniense quis dar a um discípulo seu, quando ele chegou em sua casa disposto a explicar-lhe que alguém estava falando mal dele.

Antes que o aluno, nervoso, abrisse a boca, Sócrates lhe fez estas três perguntas, estes três “filtros” sobre os quais deveria refletir antes de se dirigir a ele.

  • Filtro da verdade: O que você vai dizer é realmente verdade? Você ponderou com cuidado e medida cada coisa que vai me dizer, para saber se tudo é verdade?
  • O filtro da bondade: O que você vai me dizer agora é bom?
  • O filtro da necessidade: O que você vai me dizer é imprescindível? É necessário que me diga?

Esses três filtros nos guiam, sem dúvida, a ser muito mais prudentes, cautelosos e exigentes com cada coisa que dizemos.

Esse ensinamento, para muitos, relaciona-se com a reflexão dos 3 macacos sábios do santuário de Toshogu.

Leia também: O amor segundo seu tipo de personalidade

Reflexão: o ensinamento dos 3 macacos sábios

tres-macacos-sabios

O macaco que tapa a boca: Iwazaru

Iwazaru é o pequeno macaco que está à esquerda.

Para a filosofia nipônica, esta figura representa a necessidade de não transmitir o mal, e inclusive se relaciona também à recomendação de não comentar em voz alta sobre o próprio mal-estar ou insatisfação.

  • A prudência também está relacionada a não expor muito o próprio mundo emocional, a ser moderado e, acima de tudo, comedido.

Por seu lado, segundo o ensinamento dos três filtros de Sócrates, tem muito a ver com a necessidade de não propagar fofocas.

O fato é que os boatos nem sempre são verdadeiros, nem bons, nem têm uma necessidade prática na hora em que os dizemos em voz alta.

O macaco que tapa os ouvidos: Kikazaru

cego-surdo-e-mudo

O Kikazaru é o macaco que está no centro e à direita do que guarda silêncio ou que tapa a própria boca.

No Japão, são mal vistas as pessoas que gostam de difundir críticas, rumores ou notícias negativas.

Assim, preferem cobrir os ouvidos diante de certo tipo de informações, para preservar seu equilíbrio.

Essa ideia, de raízes tradicionais, pode nos chocar um pouco no mundo ocidental, onde as notícias negativas, assim como as piadas e as críticas, fazem parte de nossos ambientes como algo comum e sempre presente.

Se aplicamos nessa ideia os 3 filtros de Sócrates, perceberemos que há algumas nuances:

  • Às vezes, ainda que a informação seja negativa, é necessário transmiti-la, porque é informação útil (eu informo-lhe que seus clientes não estão contentes e que você deve se esforçar para mantê-los).

Se a informação não é útil, e, além disso, é prejudicial, o recomendável é seguir a lição do macaco Kikazaru: taparmos a boca.

O macaco que tapa os olhos: Mizaru

tres-macacos-sabios

Para o código filosófico e moral santai, é melhor não ver a injustiça, não ouvi-la, nem falar dela. Essa ideia, atualmente, não se sustenta, já sabemos.

  • No entanto, se focamos a imagem desse terceiro macaco a partir da visão socrática, damo-nos conta de que é um convite direto a fechar os olhos diante do que não nos serve, diante do que não é útil, nem bom…
  • O recomendável é fechar os olhos à escuridão para elevar nossos olhares até esse lado mais luminoso, mais cheio de esperança e significativo.

Leia também: Não sou tudo o que vês, nem vês tudo o que sou

Para concluir esta reflexão, o ensinamento que a imagem dos 3 macacos nos deixa, essa em que um se cala, outro fecha os seus ouvidos e outro cobre os olhos com as mãos, tem a ver com nossas próprias necessidades e com a recomendação de sermos sempre prudentes:

“Tenha cuidado com suas palavras, feche seus ouvidos diante do que não lhe serve ou não ajuda, e cubra o olhar diante do que lhe faz mal, para buscar apenas o que lhe traz felicidade”.