Tratamento para baixar a febre

21 Novembro, 2020
Baixar a febre é muito importante para evitar possíveis complicações. Você pode adotar algumas medidas caseiras no início, mas se elas não derem certo, é melhor ir ao médico, principalmente se o afetado for uma criança.

A temperatura corporal deve ser sempre, em média, um pouco menor que 37 °C. É normal uma variação de até um grau durante o dia, sem que isso seja sinônimo de doença. Entretanto, se esse valor for superior, é importante iniciar algum tipo de tratamento para baixar a febre e evitar complicações.

Aspectos como alimentação, exercícios ou clima, entre outros, estão entre os motivos pelos quais a temperatura aumenta. Porém, quando ela sobe e ultrapassa 38,5 °C, considera-se que há febre.

O que é a febre?

A febre é uma indicação de que o corpo está reagindo positivamente a uma possível doença. Mas tenha cuidado: em bebês, especialmente se forem lactentes, 38 °C é uma temperatura muito alta. Nesse caso, é necessário baixá-la, e pode ser necessária a hospitalização ou pelo menos uma consulta pediátrica.

A febre quase sempre está associada a outros sintomas:

  • Dor de cabeça persistente envolvendo todo o crânio, às vezes como uma pressão.
  • Calafrios e suor.
  • Dor muscular na forma de pontadas.
  • Desidratação com pele seca, diminuição das lágrimas e retenção de urina.
  • Perda de apetite.
  • Fraqueza geral.

Em crianças, entre as idades de 6 meses e 5 anos, podem ocorrer convulsões febris. Nestes casos, é aconselhável deitar o paciente, protegê-lo para que não se machuque e, após o episódio, procurar um médico.

Homem em casa com febre
A febre é um sinal de um processo interno. A temperatura corporal é regulada pelo hipotálamo.

Continue lendo: 5 truques caseiros para diminuir a febre do bebê

Causas

A parte do corpo responsável por regular a temperatura está alojada em nosso cérebro e é chamada de hipotálamo. Funciona como um termostato, mas por diferentes motivos, pode aumentar o seu limite de referência. É quando ocorre o aumento do calor retido.

A febre pode ser causada por agentes infecciosos, como vírus e bactérias. Também por doenças inflamatórias, como artrite reumatoide, tumores ou medicamentos que incluem este sintoma entre seus efeitos adversos. Além disso, todos os tipos de vacinas podem causar febre.

Tratamento para baixar a febre

Em caso de temperatura baixa, o seu médico provavelmente não recomendará um tratamento para baixar a febre, especialmente se não houver sintomas adicionais. Na verdade, uma febre leve é ​​um sinal de que o corpo está respondendo bem; mesmo a temperatura elevada pode ser útil para reduzir os microrganismos que estariam causando a doença.

Quando a febre gera desconforto adicional ou é alta, é necessário baixá-la. Neste caso, o médico pode prescrever medicamentos de venda livre, como ibuprofeno ou paracetamol, entre outros. É importante respeitar as doses recomendadas e não ultrapassar o tempo indicado, pois a administração por um tempo prolongado pode causar danos renais e hepáticos.

Se esses medicamentos não baixarem a febre, a busca das causas será fundamental para determinar a necessidade de antibióticos, caso haja infecção bacteriana, como pneumonia ou amigdalite. Entretanto, se for uma infecção por vírus, os antibióticos não funcionarão.

Em crianças, se após a primeira dose não houver melhora e a febre persistir, é necessário consultar o médico. Não se deve administrar aspirina, pois ela pode levar à síndrome de Reye que, embora rara, pode ser fatal.

Outro tipo de tratamento para baixar a febre

Quando se trata de bebês, principalmente se tiverem menos de 28 dias, a opção mais indicada para diminuir a febre é a hospitalização. Os recém-nascidos são vulneráveis ​​a doenças graves que requerem medicamentos intravenosos e cuidados especiais.

Existem medidas caseiras que podem ser implementadas para diminuir a febre, desde que esta não esteja associada a desconfortos adicionais. Em caso de desidratação, é fundamental consumir água e, melhor ainda, uma solução como soro oral; este não só reidrata, mas também contém eletrólitos, componentes essenciais para o bom funcionamento do organismo.

Além disso, o descanso auxilia na recuperação, assim como o uso de roupas leves, mantendo a temperatura do ambiente baixa e dormindo apenas com um lençol. Também é aconselhável aplicar compressas de água fria na testa, axilas, virilha e sola dos pés.

Da mesma forma, para diminuir a febre, são úteis os banhos de corpo inteiro com água morna. Além disso, podem ajudar as infusões de alho, manjericão, arruda, gengibre, tomilho e camomila, adoçadas com um pouco de mel. Deve-se ingerir esses tipos de bebidas de duas a três vezes ao dia.

Mãe cuidando da filha com febre
Em crianças, deve-se ter um cuidado especial com a febre. Seus corpos são mais sensíveis às mudanças de temperatura.

Não deixe de ler: Remédios caseiros para controlar a febre

Dados para ter em conta

Em geral, o médico deve ser consultado quando a febre atingir 38 °C em bebês ou 39 °C em adultos, principalmente se for acompanhada de dor de cabeça, vômito, irritabilidade, dor abdominal, erupção cutânea ou se a temperatura elevada persistir.

Você deve agir com calma, mas com diligência para baixar a febre. Caso contrário, podem ocorrer complicações como convulsões e perda de consciência. Tudo isso piora o estado do paciente e pode colocar a sua vida em risco.

  • Ochoa-Sangrador, C., & González-de-Dios, J. (2006). Adecuación de la práctica clínica a la evidencia científica en el tratamiento de las convulsiones febriles. Rev Neurol, 43(2), 67-73.
  • Chabalgoity, J., Pereira, M., & Rial, A. (2006). Inmunidad contra los agentes infecciosos. Temas de Bacteriología y Virología Médica. 2a ed. Uruguay: FEFMUR, 99-114.
  • Mohr, P. (2004). Como no perder el control frente a la fiebre. Archivos argentinos de pediatría, 102(1), 80-80.
  • Mollo, Fiorella, and Stella Gutiérrez. “Fiebre por antibióticos.” Archivos de Pediatría del Uruguay 77.3 (2006): 273-278.
  • Mancilla-Ramírez, Javier. “Avances en la fisiopatología y manejo de la fiebre en niños.” Salud en Tabasco 8.2 (2002): 73-82.
  • Tatochenko, V. К. “ONCE AGAIN ABOUT ANTIFEBRILES.” Current Pediatrics 6.2 (2015): 128-130.
  • Padilla Raygoza, Nicolás, and Roberto Cuauhtémoc Figueroa Ferrari. “Síndrome de Reye: historia natural y niveles de prevención.” Rev. mex. pediatr 61.4 (1994): 200-4.
  • Mendoza Collantes, Asunciona. “Uso de plantas medicinales para el alivio de la fiebre por los pobladores del Asentamiento Humano Pedro Castro Alva, Chachapoyas-2014.” (2015).