Tratamento do paciente hipertérmico    

· 28 de maio de 2019
O tratamento de um paciente hipertérmico varia dependendo da causa desencadeante dessa desregulação térmica. Pode ser causado por calor excessivo ou medicamentos.  

O tratamento do paciente hipertérmico dependerá do tipo de hipertermia que ele sofre, e das causas desencadeantes.

Antes de explicar os diferentes tratamentos que existem para um paciente hipertérmico devemos saber o que é a hipertermia. Também explicaremos suas causas e os tipos de hipertermia que existem, para poder compreender com maior facilidade as medidas que devem ser realizadas para tratá-la.

O que é hipertermia?

A hipertermia é o nome dado ao conjunto de doenças relacionadas ao calor. Especificamente, é definida como o transtorno da regulação da temperatura corporal caracterizado por uma elevação da temperatura central acima de 37 ° C.

Esta situação pode aparecer devido a falhas nos sistemas de evacuação de calor, ou devido à presença de patologias no paciente. No entanto, as causas serão explicadas com mais detalhes.

Além disso, devemos ter em mente que um paciente hipertérmico não é o mesmo que um paciente que tem um estado febril, uma vez que são conceitos diferentes.

Assim então, a febre é uma reação do organismo no qual se eleva a temperatura corporal acima do normal, a fim de defender-se mediante uma resposta imune a algum agente externo.

Talvez você esteja interessado em ler também: O que é a Febre do Nilo Ocidental e como ela afeta a gravidez?

Causas da hipertermia

Beba água para tratar a hipertermia

Para começar, é importante saber que pode haver hipertermia primária, se não for consequência de uma patologia prévia presente no paciente hipertérmico, mas de exposição a temperaturas excessivamente altas, ou hipertermia secundária, se for consequência de uma patologia previamente existente.

Existem várias causas que podem desencadear um episódio de hipertermia. Em primeiro lugar, pode-se produzir calor de maneira excessiva, porque os mecanismos de termogênese estão desregulados.

Também pode acontecer que a temperatura ambiente aumente bastante durante um longo período de tempo e, embora os mecanismos termorreguladores, como o suor, funcionem corretamente, não se consiga liberar mais calor ao meio.

Outra causa pode ser algum efeito colateral do tratamento com certos medicamentos. Dentro deles podemos distinguir:

  • Os que simulam ser mensageiros relacionados com os mecanismos da termogênese, como corticosteroides ou os simpatomiméticos.
  • Aqueles que lesionam ou alteram a atividade dos tecidos relacionados à termogênese, produzindo sua hiperativação. Um exemplo são os anestésicos, que podem produzir hipertermia maligna.

Também pode acontecer que a hipertermia seja a causa de algum problema metabólico ou nutricional, ou de alguma lesão no sistema nervoso central.

Sintomas sofridos por um paciente hipertérmico

Se a hipertermia tiver sido produzida por um grande esforço físico em ambiente de alta temperatura e com muita sudorese, podem aparecer contrações musculares, dores, tontura, náusea, e sensação de fadiga.

No caso em que o paciente hipertérmico não tenha se exercitado fisicamente, ele pode sofrer de náuseas e vômitos. Dores de cabeça, mialgia e alterações no humor, também são comuns.

Além disso, uma série de sinais que identificam esse estado de hipertermia pode ser desencadeada. A taquicardia e hipotensão são sintomas frequentes nesses casos. A pele, no debilitamento pelo calor, geralmente é pálida, fria e suada.

No entanto, quando se sofreu uma insolação, é vermelho e quente. Apesar destas diferenças, a pele seca é geralmente um sintoma constante.

Descubra ademais: 5 truques caseiros para diminuir a febre do bebê

Tratamento do paciente hipertérmico

Paciente com hipertermia

Como mencionado no início do artigo, o tratamento dependerá da causa da hipertermia.

Se a hipertermia for desencadeada por insolação, o tratamento será dividido em duas medidas. Em primeiro lugar, tem que se reduzir a temperatura corporal. Em seguida, é efetuado o tratamento das complicações.

Quanto à primeira medida, é necessário lavar continuamente com panos ou compressas frias, imersões em água fria, umidificação da pele com água fria, e exposição a correntes contínuas de ar.

No caso em que a hipertermia é causada por drogas, o tratamento também consiste em várias ações. A administração do medicamento responsável pela condição patológica deve ser interrompida.

Também deve ser realizado monitoramento hemodinâmico e analítico, assim como corrigir as alterações hidroeletrolíticas. Nos casos em que seja necessário, é possível recorrer à oxigenoterapia. Em outras situações, o Dantrolene é usado como relaxante muscular.

Finalmente, se a hipertermia for devida a um esforço físico, este deve ser interrompido. Procure ficar em um local mais fresco e beba muito líquido.