Tratamento da erisipela

A penicilina é usada principalmente para o tratamento dessa doença de pele. Você quer saber por quê? Continue lendo!
Tratamento da erisipela

Última atualização: 30 Novembro, 2020

É interessante saber que na França atualmente se utiliza o termo dermohipodermite bacteriana para distinguir erisipela, uma doença de pele que ataca não apenas a derme, mas também os vasos linfáticos subjacentes.

A seguir, contaremos mais sobre essa doença, suas possíveis causas, tratamento e outras informações de interesse. Anote!

O que é erisipela?

Como mencionamos anteriormente, a erisipela é uma doença que afeta a derme e os vasos linfáticos subjacentes. Sua principal causa é o Streptococcus pyogenes, uma bactéria Gram-positiva. Essa bactéria é a mesma que causa a faringite estreptocócica.

A doença costuma afetar principalmente a pele das pernas, embora também possa afetar outras áreas, como o rosto, por exemplo. Consequentemente, cada caso será diferente.

Segundo o Manual MSD, essa doença pode ser recorrente e causar linfedema crônico. Por isso, a consulta médica é imprescindível, assim como o posterior tratamento e acompanhamento da doença. Se não for tratada a tempo, as complicações podem incluir: tromboflebite, abscessos e gangrena.

Quais são suas causas?

Os estreptococos beta-hemolíticos do grupo A são a causa mais comum dessa doença. Em menor grau, as causas são os estreptococos dos grupos G e C.

Quando as bactérias penetram na barreira externa da pele (através de uma ferida aberta, como um corte ou uma ferida), a infecção ocorre.

Condições que causam ruptura de pele, como pé de atleta (frieira) e eczema, às vezes podem gerar o ambiente ideal para o surgimento da erisipela. Por outro lado, a infecção também pode ocorrer quando a bactéria se espalha para as passagens nasais.

Quais são os sintomas da erisipela?

Os principais sintomas da erisipela são os seguintes:

  • Calafrios
  • Mal-estar geral.
  • Febre alta (que ocorre de repente).
  • Lesão cutânea, que geralmente é evidenciada em vermelho, inchada, com uma borda elevada.
    • As bolhas também ocorrem na área afetada e, quando a erisipela afeta a área facial, a região inflamada geralmente inclui o nariz e as duas bochechas.

Por outro lado, as erisipelas também causam inflamação das glândulas. Isso é um grande desconforto para o paciente com essa condição, pois causa dor.

Tratamento de erisipela

A penicilina continua sendo a primeira opção para o tratamento dessa doença.

A penicilina administrada por via oral ou intramuscular é suficiente para a maioria dos casos de erisipela clássica. Deve ser administrada por 5 dias, mas se a infecção não melhorar, a duração do tratamento deve ser prolongada.

Uma cefalosporina de primeira geração pode ser usada se o paciente for alérgico à penicilina. As cefalosporinas podem ter uma reação cruzada com a penicilina. Portanto, devem ser usadas ​​com cautela em pacientes com histórico de alergia grave à penicilina.

A clindamicina continua sendo uma opção terapêutica, embora os estreptococos do grupo B sejam resistentes a ela. A cobertura de Staphylococcus aureus geralmente não é necessária para infecções típicas. Contudo, deve ser considerada em pacientes que não melhoram com penicilina ou que apresentam formas atípicas de erisipela, incluindo erisipela bolhosa.

A penicilina pertence à família dos beta-lactâmicos (β-lactâmicos). Sua descoberta representou um fato de grande relevância para a medicina.

Outras opções

Alguns autores acreditam que as erisipelas faciais devem ser tratadas empiricamente com um antibiótico resistente à penicilinase, como dicloxacilina ou nafcilina. O objetivo seria abranger uma possível infecção por S. aureus, mas não há evidências para apoiar essa recomendação.

Roxitromicina e pristinamicina são extremamente eficazes no tratamento de erisipelas. Vários estudos demonstraram maior eficácia e menos efeitos adversos com esses medicamentos em comparação à penicilina.

Food and Drug Administration dos EUA (FDA) não aprovou esses medicamentos nos Estados Unidos, mas eles estão em uso na Europa.

O FDA aprovou três antibióticos: oritavancina (Orbactiv), dalbavancina (Dalvance) e tedizolida (Sivextro), para o tratamento de infecções bacterianas agudas e da estrutura da pele.

Esses agentes são ativos contra Staphylococcus aureus (incluindo isolados resistentes à meticilina), Streptococcus pyogenes, Streptococcus agalactiae e Streptococcus anginosus, entre outros.

Cirurgia

A cirurgia é necessária apenas quando progride rapidamente e causa a morte de tecido saudável (necrose). Uma operação cirúrgica pode ser necessária para retirar o tecido morto.

Embora a maioria dos casos de erisipela seja resolvida sem sequelas após teria antibiótica adequada, o tratamento imediato é crucial.

cirurgia

Tratamento sintomático da dor e febre

Além da administração de antibióticos, o atendimento ao paciente inclui o seguinte:

  • Compressas frias.
  • Hidratação (ingestão oral, se possível).
  • Elevação do membro afetado. Recomenda-se para reduzir a inflamação e a dor.
  • Curativos salinos úmidos, que devem ser aplicados a lesões ulceradas e necróticas e trocadas de 2 a 12 horas, dependendo da gravidade da infecção.

Além disso, é recomendável consumir frutas (cerca de 20% das refeições por dia), bem como a manutenção de uma dieta que exclua completamente frituras e carne. Em vez disso, é recomendável comer peixe e ovos.

Essa dieta deve ser mantida por 6 meses com pequenos intervalos, de acordo com o acompanhamento do médico.



  • Davis LMD. Erysipelas Treatment & Management. Medscape 2018.
  • FICA C ALBERTO. Celulitis y erisipela: Manejo en atención primaria. Rev. chil. infectol.  [Internet]. 2003;  20 (2): 104-110. http://dx.doi.org/10.4067/S0716-10182003000200004.
  • Lucht F. Which treatment for erysipelas? Antibiotic treatment: drugs and methods of administering. PubliMed.gov 2001;128(3,2):345-7.
  •  T. Everything you need to know about erysipelas. 2017.
  • Synonyms of Erysipelas. National Organization for Rare Disorders (NORD).
  • Nitto DA, Idiazabal GM, Rodriguez VM y Rossi G.Erisipelas de miembros inferiores. Flebología y Linfología / Lecturas Vasculares 2007(5):221-284