Mejor con Salud
 

Tratamento da doença de Lyme

A doença de Lyme é uma infecção que, inicialmente, só causa um eritema na pele. No entanto, se não for tratada, pode levar a complicações graves. Saiba todos os detalhes a seguir.
Tratamento da doença de Lyme

Última atualização: 30 Dezembro, 2020

O tratamento da doença de Lyme é um marco recente, pois essa patologia foi reconhecida pela primeira vez em 1975. É uma infecção por uma bactéria da família Borrelias, que é transmitida pela mordida do carrapato.

Para adquirir esse doença, portanto, é necessário ter contato com esses artrópodes. É mais comum em áreas de campo, onde há florestas ou gramados. No entanto, isso não significa que todos os carrapatos transmitam a doença de Lyme.

As consequências são complicações neurológicas graves se o tratamento não for instituído rapidamente. Além disso, os medicamentos variam dependendo da idade e gravidade do processo. Neste artigo, explicaremos tudo que você precisa saber sobre esta doença.

O que é a doença de Lyme?

Antes de começarmos a falar sobre o tratamento da doença de Lyme, vamos explicar no que ela consiste. Como já mencionamos, é uma infecção por uma bactéria transmitida pela picada de certos carrapatos.

Após a mordida, aparece um pequeno nódulo na região, que desaparece nos dias seguintes. Mais tarde, geralmente surge uma erupção cutânea na pele que se expande progressivamente. Essa erupção cutânea não dói ou coça, mas muda de lugar (os médicos a chamam de “eritema migratório”).

Além disso, muitas pessoas sentem desconforto geral, febre e dor de cabeça. O problema é que as complicações aparecem mesmo anos após a resolução dessas manifestações.

Por exemplo, é comum que os pacientes experimentem dores nas articulações, especialmente nos joelhos. Da mesma forma, pode progredir para uma meningite, paralisia de um lado da face, ou fraqueza nos membros. Em alguns casos, o ritmo cardíaco é alterado ou ocorre prejuízo de memória.

Tratamento da doença de Lyme
As picadas de carrapato desaparecem depois de um tempo, mas as complicações podem permanecer por meses ou anos.

Você pode se interessar: Cuidado com os carrapatos! Conheça a doença de Lyme e seus riscos

Qual é o tratamento da doença de Lyme?

O tratamento da doença de Lyme deve ser precoce, pois é a maneira mais eficaz de evitar todas as complicações que mencionamos. Como se trata de uma infecção bacteriana, os medicamentos usados são os antibióticos.

Tanto o tipo de tratamento escolhido quanto o desfecho do tratamento dependem da gravidade da infecção e de quando ela foi detectada. Isso é explicado em um artigo de revisão da Ata de Medicina Colombiana, que afirma que, quando a doença está avançada, o tratamento não costuma ser tão satisfatório quanto em casos leves.

Tratamento precoce da doença de Lyme

Quando a infecção é detectada precocemente, o tratamento pode ser feito oralmente. Os antibióticos mais usados são as tetraciclinas, especificamente a doxiciclina. A dose utilizada é de 200 miligramas por dia, entre 21 e 30 dias completos.

No entanto, de acordo com um estudo publicado na revista Medicina de Família, existem situações especiais em que a doxiciclina não pode ser usada, como em crianças e mulheres grávidas. Para crianças com menos de 9 anos de idade, recomenda-se o uso de outro tipo de antibiótico, como as penicilinas.

Em mulheres grávidas ou lactantes, o ideal é usar amoxicilina ou cefuroxima. Publicações recentes sugerem que o tratamento da doença de Lyme em menos de 21 dias também é eficaz.

Você pode gostar de ler: Óleo da árvore do chá para combater pulgas e carrapatos

Tratamento em estágio tardio ou mais grave

Quando o diagnóstico é tardio e as lesões já estão avançadas, os medicamentos utilizados são diferentes. O mais comum nesses casos é o uso de doxiciclina. A diferença é que o uso deve ser feito por via intravenosa ou por mais tempo, pois a infecção foi instalada nos tecidos e replicada.

O mesmo acontece quando ocorrem complicações, especialmente no sistema nervoso central. Como observado acima, pode ocorrer paralisia facial ou meningite. Nesta situação, também devem ser administrados antibióticos intravenosos.

Os medicamentos mais utilizados para tais complicações são as cefalosporinas. Embora o prognóstico seja bom, o tratamento deve ser iniciado o mais rápido possível. Mesmo nas pessoas em que isso é possível, os sintomas podem persistir ao longo do tempo.

Carrapato na pele

Tratamento precoce para reduzir complicações

O tratamento da doença de Lyme deve ser instituído precocemente, pois há um alto risco de complicações neurológicas ou articulares. Os medicamentos usados são os antibióticos.

Quando a infecção é detectada no início e as manifestações são leves, a doxiciclina costuma ser usada oralmente. No entanto, em crianças e gestantes, é melhor usar penicilinas, como a amoxicilina. Em estágios avançados, os fármacos devem ser administrados por via intravenosa.

A melhor coisa que você pode fazer é prevenir esta patologia. Evite os ambientes com carrapatos, remova-os de casa e tome todas as precauções durante suas férias de verão ou quando for acampar. Medidas simples podem reduzir muito o risco de contrair esta doença que, por vezes, é silenciosa.

Carrapatos, perigo para seres humanos e animais

Carrapatos, perigo para seres humanos e animais

Carrapatos são perigosos agentes transmissores de doenças que afetam tanto a humanos como a animais. Conheça os perigos que eles oferecem à saúde.



  • Fajardo, M., Fajardo, L., & Fajardo, D. M. (n.d.). La enfermedad de Lyme.
  • García Meléndez, M. E., Skinner Taylor, C., César, J., Alanís, S., & Candiani, J. O. (2014). Enfermedad de Lyme: actualizaciones Gaceta Médica de México. 2014;150:84-95 ARTÍCULO DE REVISIÓN Correspondencia. Gaceta Médica de México (Vol. 150).
  • Treatment | Lyme Disease | CDC. (n.d.). Retrieved August 13, 2020, from https://www.cdc.gov/lyme/treatment/index.html
  • Alonso Fernández, M. (2012). Enfermedad de Lyme. ¿Es tan infrecuente? Semergen, 38(2), 118–121. https://doi.org/10.1016/j.semerg.2011.06.007
  • Olmo Montes, F. J., Sojo Dorado, J., Peñas Espinar, C., & Muniáin Ezcurra, M. A. (2014). Infecciones producidas por borrelias: enfermedad de Lyme y fiebre recurrente. Medicine (Spain), 11(51), 3009–3017. https://doi.org/10.1016/S0304-5412(14)70731-0
  • Portillo, A., Santibáñez, S., & Oteo, J. A. (2014). Enfermedad de Lyme. Enfermedades Infecciosas y Microbiologia Clinica, 32(SUPPL.1), 37–42. https://doi.org/10.1016/S0213-005X(14)70148-X
  • Sanchez, Edgar, et al. “Diagnosis, treatment, and prevention of Lyme disease, human granulocytic anaplasmosis, and babesiosis: a review.” Jama 315.16 (2016): 1767-1777.
  • Touradji, Pegah, et al. “Cognitive decline in post-treatment Lyme disease syndrome.” Archives of Clinical Neuropsychology 34.4 (2018): 455-465.