Tosse crônica: sintomas, causas e tratamento

09 Julho, 2020
A tosse crônica costuma ter causas perfeitamente administráveis. Os casos associados a doenças graves são poucos. Recomenda-se consultar um profissional de saúde se a tosse persistir por mais de seis semanas.
 

A tosse crônica é muito mais do que um simples incômodo para a saúde. Muitas vezes interrompe o sono e também pode atacar no momento mais inoportuno, por exemplo, ao falar em público. Nos casos mais graves, deixa a pessoa completamente exausta e pode levar a vômitos e até fraturas.

Este é um sintoma frequente na prática clínica devido a diferentes causas. Uma das mais comuns é fumar. Estima-se que os fumantes tenham três vezes mais chances de desenvolver tosse crônica em algum momento de suas vidas do que os não fumantes ou ex-fumantes.

Outros fatores incidentes nesse problema são a poluição ambiental, asma, refluxo gástrico e gotejamento pós-nasal. O ponto positivo disso tudo é que, assim que a causa é detectada e tratada, a tosse crônica geralmente desaparece.

O que é a tosse crônica?

Mulher tossindo na rua

Fala-se em tosse crônica quando ela dura mais de três semanas. Se durar mais de oito semanas, uma consulta médica é indicada. Estima-se que até 23% dos não fumantes saudáveis ​​tenham períodos de tosse crônica por diferentes razões.

A tosse é um ato reflexo ou voluntário que visa expulsar secreções ou elementos estranhos. Esses elementos podem estar alojados na laringe ou no trato respiratório. Portanto, a tosse é um mecanismo de defesa do corpo para realizar a limpeza em determinadas áreas quando há necessidade.

 

Todos nós tossimos alguma vez sem que isso significasse um problema de saúde. No entanto, se isso acontece com muita frequência e dura várias semanas, trata-se de uma tosse crônica. Ocasionalmente, esse tipo de tosse está associada a sérios problemas de saúde.

Sintomas

O principal sintoma é, obviamente, uma tosse persistente que permanece presente por um longo tempo. A tosse crônica costuma ser acompanhada pela presença de muco. Se a tosse não desaparecer e for acompanhada pelos seguintes sintomas, é necessário ir ao médico:

Geralmente, o médico faz um exame físico levando em consideração o seu histórico de saúde. Muitos estão acostumados a iniciar o tratamento para a tosse crônica sem fazer testes de diagnóstico.

Se o paciente não reagir favoravelmente, o especialista pode solicitar exames como radiografia, tomografia computadorizada, espirômetro, exames laboratoriais e de escopo.

Causas da tosse crônica

Jovem espirrando

Fumar é a principal causa da tosse crônica. 90% dos não fumantes têm esse problema devido a basicamente três motivos: asma, refluxo e gotejamento pós-nasal. Nos 10% adicionais, as causas são muito diversas. Estas variam desde a ação de certos medicamentos a problemas pulmonares graves.

 

Estima-se que 75% das pessoas com asma neutrofílica também tenham tosse crônica. Da mesma forma, a bronquite bacteriana persistente dá origem a esse sintoma. Nesses casos, fala-se de tosse crônica com envolvimento das vias aéreas inferiores (pulmões).

A tosse crônica também está associada a condições das vias aéreas superiores, como rinossinusite crônica, rinite alérgica, apneia obstrutiva do sono, disfunção das cordas vocais e refluxo laringofaríngeo ou gastroesofágico. Quanto a este último, a tosse aparece após 50% dos episódios de refluxo.

Tratamento

O tratamento depende da causa da tosse. Geralmente começa com um tratamento conservador, que inclui medidas caseiras e administração de anti-histamínicos, glicocorticoides e descongestionantes. É o tratamento de escolha para alergias e gotejamento pós-nasal.

Se a tosse estiver associada à asma, geralmente são usados ​​glicocorticoides e broncodilatadores, que são absorvidos pela inalação. Estes diminuem a inflamação e permitem a abertura das vias aéreas. Os antibióticos são usados ​​apenas se houver uma infecção bacteriana. Se a tosse estiver associada ao refluxo, é provável que seja prescrito um bloqueador de ácido.

As medidas caseiras são eficazes em muitos casos. É bom beber bastante líquido, umedecer o ar, evitar a fumaça do cigarro e chupar pastilhas para a tosse. Também é aconselhável fazer lavagens nasais com solução salina e tomar infusões de plantas ricas em mucilagens.

 
  • Damiá, A. D. D., Moral, V. P., Gil, V. G., Alonso, J. I., Viña, A. L., Miret, J. M., & Vega, A. P. (2002). Tos crónica. Archivos de Bronconeumología, 38(5), 236-245.
  • Pacheco, A., de Diego, A., Domingo, C., Lamas, A., Gutierrez, R., Naberan, K., … López Vime, R. (2015). Tos crónica. Archivos de Bronconeumología. https://doi.org/10.1016/j.arbres.2015.03.019
  • Portillo, N. A. (2002). Estudio del paciente con tos crónica. Archivos De Bronconeumologia.