Mejor con Salud
 

Tipos de epilepsia

A epilepsia é uma patologia que afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Conhecer os tipos de apresentação dessa doença é essencial para enfrentá-la de forma eficaz.
Tipos de epilepsia

Última atualização: 26 Novembro, 2020

A epilepsia é uma doença causada por um desequilíbrio na atividade elétrica dos neurônios em alguma área do cérebro, e tem diferentes tipos de apresentação. De acordo com a Comisión de Clasificación y Terminología de la Liga Internacional Contra la Epilepsia, caracteriza-se pelo aparecimento de convulsões recorrentes, que têm efeitos neurobiológicos, cognitivos e psicológicos.

Vários estudos ressaltam a importância dessa patologia, pois apesar de ser uma das doenças mais antigas da história, muitas das suas dinâmicas são desconhecidas. Por isso, foi essencial que a medicina classificasse os tipos e padrões de apresentação para saber lidar com ela de forma eficaz.

Sobre a epidemiologia da epilepsia

Tão importante quanto conhecer suas causas e tratamentos é saber como a doença se espalha pelo mundo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) fornece algumas estatísticas globais sobre a epilepsia. Os dados mostram o seguinte:

  • Estima-se que mais de 50 milhões de pessoas tenham sido diagnosticadas com epilepsia em todo o mundo.
  • Dependendo da idade dos pacientes e da localização geográfica do atendimento, a prevalência varia de 4 a 10 pacientes por cada 1000 pessoas. Esses números são dobrados em países de baixa renda.
  • Cerca de 80% dos pacientes com epilepsia vivem em locais onde a economia ainda está em desenvolvimento.
  • 70% das pessoas epilépticas poderiam viver sem convulsões se a doença fosse tratada adequadamente. Infelizmente, três quartos dos pacientes nunca foram tratados em certas regiões do mundo.
  • Pessoas com epilepsia têm três vezes mais chances de morrer em comparação com a população em geral.

Esses dados são, no mínimo, sombrios. A epilepsia pode ser tratada com medicamentos, mas muitas pessoas não têm acesso aos meios para aliviar a sua doença. Por todas essas razões, é essencial saber identificar a epilepsia e conscientizar a população a respeito dos seus efeitos.

Descargas cerebrais
A epilepsia tem seu foco no cérebro. Seus tipos são classificados com base na sua extensão.

Para saber mais: Tipos de crises epilépticas

Tipos de epilepsia

De acordo com a Ápice (Asociación Andaluza de la Epilepsia) e a Liga Internacional contra la Epilepsia (ILAE), existem duas variedades principais da patologia: uma definida por seu caráter geral e uma de natureza focal.

Crises generalizadas

Aqui estão os diferentes tipos de epilepsia generalizada:

  • Crise generalizada tônico-clônica: caracterizada por uma súbita perda de consciência. No início, causa rigidez corporal geral (fase tônica) e, em seguida, movimentos rítmicos (fase clônica). Efeitos associados, como mordidas da língua, expulsões de urina ou lesões, podem ocorrer durante essas convulsões. É a variedade mais óbvia e mais grave da doença.
  • De ausência: é caracterizada por uma perda de consciência com imobilidade e olhar fixo por alguns segundos. É de fácil tolerância, mas pode se repetir várias vezes durante o dia.
  • Mioclônica: com base em um espasmo repentino em todo o corpo ou em uma parte dele (especialmente nas extremidades superiores) que causa a queda do paciente.
  • Atônica: perda de tônus muscular, queda e ausência de consciência momentânea.

Com exceção da variedade tônico-clônica, as crises generalizadas restantes são instantâneas, com recuperações rápidas. Grande parte do perigo está na atividade que a pessoa está fazendo no momento da crise.

Convulsões epilépticas focais

Essas variedades dependem da área do cérebro onde ocorre o desequilíbrio elétrico neural. Existem vários tipos, de acordo com as suas manifestações:

  • Sem perturbação do conhecimento (simples convulsões parciais): choques rítmicos de uma parte do corpo por segundos ou minutos. Elas podem se manifestar com formigamento intenso, pensamentos estranhos ou surgimento de luzes no campo visual.
  • Com conhecimento alterado (crises parciais complexas): semelhante às anteriores, mas neste caso há perda de consciência. A diferença da generalizada é que a pessoa não cai no chão, pois não há perda de tônus muscular, mas uma intensa dissociação da realidade.
  • Convulsão bilateral: quando um evento epiléptico focado se amplia desde o foco a toda a superfície cerebral.

Causas e tratamento

As causas da epilepsia são múltiplas. Vários estudos refletem os avanços que a ciência tem feito nas últimas décadas em conhecer os mecanismos de ação e as razões subjacentes a essa patologia. A Organização Mundial da Saúde lista algumas das causas mais comuns:

  • Danos cerebrais causados por lesões pré-natais ou durante o parto em si.
  • Malformações congênitas no nível neurológico ou genético.
  • Trauma cranioencefálico.
  • Derrames (da corrente sanguínea) que limitam o suprimento de oxigênio necessário ao cérebro.
  • Infecções cerebrais como a cistérase (invasão de larvas de taenia solium que gera cistos entre neurônios).
  • Tumores cerebrais.

De acordo com o Livro Geral de Tratamento da Epilepsia, o tratamento básico de todos os pacientes é baseado no uso de medicamentos antiepilépticos. Estes tentam eliminar o início das convulsões com o número mínimo de efeitos colaterais.

Apesar de seu baixo custo, que em alguns casos não excede cinco dólares por ano, muitas pessoas nos países em desenvolvimento não podem pagar por eles. Além disso, sua administração é fácil, sem grandes complicações, o que deve facilitar a abordagem.

Exames cerebrais
Identificar a causa da epilepsia é a chave para o tratamento. Os estudos de imagem são um suporte adequado em casos de trauma e derrames.

Você pode estar interessado: 14 estranhos e desconhecidos transtornos psicológicos

O que lembrar sobre os tipos de epilepsia?

A epilepsia é baseada em um aumento da atividade elétrica em uma área cerebral generalizada ou focal. Como vimos, existem diferentes tipos de acordo com a sua natureza geral ou focal, além de outras classificações baseadas nos efeitos que os pacientes sofrem durante as crises.

Essa patologia está claramente correlacionada e condicionada pelo acesso a tratamentos de baixo custo, que ainda são negados a uma porcentagem significativa da população. Consciência, conhecimento e tratamento são a base para melhorar a qualidade de vida dos pacientes epilépticos.

Benefícios da vitamina B6

Benefícios da vitamina B6

A deficiência da vitamina B6 pode gerar problemas de saúde como a anemia e alterações cutâneas. Por que esta vitamina é tão importante? Saiba mais.



  • Banerjee, P. N., Filippi, D., & Hauser, W. A. (2009). The descriptive epidemiology of epilepsy—a review. Epilepsy research85(1), 31-45.
  • Epilepsia, Organización mundial de la salud (OMS). Recogido a 16 de julio en https://www.who.int/es/news-room/fact-sheets/detail/epilepsy
  • Commission on Classification and Terminology of the International League Against Epilepsy. Proposal for revised clinical and electroencephalographic classification of epileptic seizures. Epilepsia 22:489-501, 1981. Recogido a 16 de julio en https://web.archive.org/web/20090218004720/http://ilae-epilepsy.org/ctf/over_frame.html
  • Tipos de epilepsia, ApIce. Recogido a 16 de julio en https://www.apiceepilepsia.org/que-es-la-epilepsia/diferentes-tipos-de-crisis-epilepticas/
  • Engel Jr, J. (2006). ILAE classification of epilepsy syndromes. Epilepsy research70, 5-10.
  • Moshé, S. L., Perucca, E., Ryvlin, P., & Tomson, T. (2015). Epilepsy: new advances. The Lancet385(9971), 884-898.
  • Shorvon, S. (2010). Handbook of epilepsy treatment. John Wiley & Sons.
  • Carrera-García, Laura. “Ausencias sintomáticas, la etiología menos conocida de las crisis de ausencia.” Revista de Neurología 65.6 (2017): 263-267.
  • LUCCI, RODRÍGUEZ, Matías Alet, and Sebastián F. Ameriso. “Epilepsia asociada al accidente cerebrovascular.” MEDICINA (Buenos Aires) 78.2 (2018).