Tipos de doença celíaca e suas características

A doença celíaca é uma doença dependente da dieta que pode causar danos graves ao intestino. Explicaremos tudo que você precisa saber sobre ela e seus tipos de apresentação clínica a seguir.
Tipos de doença celíaca e suas características

Última atualização: 19 Fevereiro, 2021

A doença celíaca nem sempre se apresenta da mesma forma. Na verdade, há diferentes tipos de doença celíaca que foram estudados e classificados por médicos e pesquisadores.

Esta é uma doença autoimune relacionada ao glúten. O glúten é uma proteína presente em muitos alimentos, como os que contêm trigo ou cevada. Na Europa, estima-se que afete cerca de 1% da população.

O problema é que ela pode ser assintomática em um grande número de casos, o que torna o diagnóstico mais complexo e demorado. Portanto, neste artigo explicaremos tudo que você precisa saber sobre a doença celíaca e quais são seus principais tipos.

O que é a doença celíaca?

Como acabamos de apontar, a doença celíaca é uma doença autoimune na qual ocorre uma reação contra o glúten. Em outras palavras, ao ingerir essa proteína, uma resposta é gerada no intestino delgado pelo sistema imunológico. Essa reação acaba prejudicando a mucosa intestinal.

O glúten é uma proteína que está presente em diversos cereais, como o trigo, o centeio e a cevada. São alimentos que, em geral, estão muito presentes na dieta alimentar das pessoas., principalmente em pães e massas.

Os danos à mucosa intestinal fazem com que, ao longo do tempo, a absorção dos nutrientes seja afetada. Por esse motivo, em muitos casos ocorre perda de peso, anemia ou diminuição do crescimento infantil.

Embora ainda não se saiba exatamente o que causa os diferentes tipos de doença celíaca, sabe-se que a genética é decisiva. Além disso, geralmente ela está associada a outros tipos de doenças autoimunes. De acordo com um estudo publicado no Jornal Cubano de Alimentos e Nutrição, a doença celíaca e a diabetes mellitus tipo 1 podem estar relacionadas.

Grãos sem glúten
Existem alternativas sem glúten que ajudam os pacientes a lidar com a dieta rígida que precisa ser adotada pelos celíacos.

Tipos de doença celíaca

Existem diferentes formas clínicas de doença celíaca, dependendo dos sintomas e da evidência de certos exames complementares que permitem explorar o sistema digestivo. Isso dá origem aos tipos de doença celíaca e, de acordo com a Federação das Associações de Celíacos da Espanha, quase 75% dos pacientes não são diagnosticados.

Esse dado advém do fato de que, até recentemente, não se sabia que poderia haver casos sem sintomas. Os tipos de doença celíaca são os seguintes: assintomática, sintomática, potencial, latente e refratária. A seguir, explicamos suas principais características.

Subclínica ou assintomática

A doença celíaca assintomática ou subclínica, como o próprio nome sugere, é aquela em que não há sintomas. No entanto, ao realizar exames adicionais (como uma endoscopia para examinar o intestino), a presença da doença é revelada.

Clássica ou sintomática

Nesse tipo de doença celíaca, a pessoa afetada apresenta sintomas e resultados de exames positivos. Os sintomas são variados, e incluem diarreia, perda de peso, fadiga, vômitos e dor abdominal.

Em outros casos, em vez de diarreia, pode ocorrer uma constipação contínua. Outros sinais típicos são o atraso do crescimento em crianças, distensão abdominal e gases. Indiretamente, encontramos anemia e até irritabilidade constante.

Potencial doença celíaca

Esse tipo de doença celíaca se refere a pessoas que não apresentam sintomas, mas que demonstraram ter uma alta probabilidade de desenvolver a doença. Isso é conhecido por testes genéticos, como a determinação do gene HLA-DQ2 / DQ8.

No entanto, nesses pacientes, uma biópsia do tecido do intestino delgado não encontra evidências de doença celíaca. Segundo um artigo do Medical Journal of Chile, o ideal é acompanhar de perto essas pessoas, embora não seja necessário que sigam uma dieta estritamente sem glúten.

Doença celíaca latente

O que acontece na doença celíaca latente é que a doença foi diagnosticada, mas nenhum sintoma ou alteração intestinal foi encontrado posteriormente. Por exemplo, alguém foi diagnosticado quando criança e, seguindo uma dieta completamente sem glúten, não volta a sofrer da doença, apesar de reintroduzir esta proteína na alimentação.

Refratária

A doença celíaca refratária caracteriza casos em que, apesar da dieta sem glúten, os sintomas ou sinais da doença continuam a aparecer. Para confirmar essa informação, é necessário que a pessoa esteja há mais de seis meses sem ter nenhum contato com a proteína.

Pães refinados
Para confirmar as formas refratárias da doença, é necessário que o paciente tenha permanecido mais de 6 meses sem nenhum contato com a proteína.

Existem muitos tipos de doença celíaca

O mais importante sobre este assunto é saber que existem diferentes formas de doença celíaca. Acima de tudo, é fundamental lembrar que as lesões intestinais podem ocorrer em pessoas que não expressam sintomas. Por isso, chegar ao diagnóstico não é uma tarefa fácil na maioria dos casos.

Confirmar antecipadamente a presença desta doença é essencial, uma vez que os danos à mucosa intestinal podem se tornar irreversíveis e ter graves consequências, levando à desnutrição ou ao atraso do crescimento em bebês.

Desta forma, diante da suspeita de sintomas gastrointestinais ao ingerir glúten, é sempre imprescindível consultar um médico. Os exames complementares são acessíveis e podem ser concluídos com relativa facilidade.

Pode interessar a você...
Aprenda a fazer um bolo sem trigo, açúcar nem laticínios
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Aprenda a fazer um bolo sem trigo, açúcar nem laticínios

Um bolo de chocolate delicioso feito com grão-de-bico, rico em proteína e fácil de preparar. Não contém glúten, lactose nem açúcar branco. Confira!



  • De La, G., Roselló, C. U., De La, C., Pérez Labrada, C., Delgado Mosquera, A. E., Ferreiro, R. Á., & Rosa Téllez Velázquez, D. (n.d.). CELIAQUÍA, ENFERMEDAD SISTÉMICA AUTOINMUNE.
  • Asociaciones entre la celiaquia y la Diabetes mellitus. La experiencia cubana | Santana Porbén | Revista Cubana de Alimentación y Nutrición. (n.d.). Retrieved September 29, 2020, from http://www.revalnutricion.sld.cu/index.php/rcan/article/view/768/pdf_129
  • ¿Qué es la enfermedad celiaca? | FACE. (n.d.). Retrieved September 29, 2020, from https://celiacos.org/enfermedad-celiaca/que-es-la-enfermedad-celiaca/
  • Cerda-Contreras, E., et al. “¿ Es posible una mejor identificación de la enfermedad celiaca en sujetos mexicanos por medio de HLA-DQ8 que de HLA-DQ2?.” Revista de Gastroenterología de México 83.4 (2018): 410-413.
  • Bejares, M., Oyarzún, A., Lucero, Y., Espinoza, N., Bascuñán, K., & Araya, M. (2015). Búsqueda activa de enfermedad celíaca en familiares de primer grado de casos celíacos. Revista Medica de Chile, 143(12), 1521–1526. https://doi.org/10.4067/S0034-98872015001200003
  • Muñoz Tello, Paola. “Prevalencia mundial de la enfermedad celíaca.” (2018).
  • Gil-Gulías, Lorraine, et al. “Enfermedad celiaca refractaria: cuando la dieta sin gluten no sana.” Revista Clínica de Medicina de Familia 9.2 (2016): 110-113.
  • Moscoso, Felipe, and Rodrigo Quera. “Enfermedad celíaca. revisión.” Revista médica de Chile 144.2 (2016): 211-221.
  • Parera Pinilla, Clara Luna, Bárbara M. Ochoa Fernández, and Concepción Bonet de Luna. “Enfermedad celíaca: quién sabe dónde.” Pediatría Atención Primaria 20.79 (2018): 269-276.