Tipos de alopecia

A alopecia androgenética é a causa mais comum de calvície na população geral. No entanto, existem outros tipos de queda de cabelo com diferentes motivos subjacentes. Descubra-os aqui.
Tipos de alopecia

Última atualização: 30 Novembro, 2020

Existem vários tipos de alopecia, que é a queda anormal de cabelo. Segundo estudos científicos, essa patologia é dividida em classes de acordo com a sua velocidade de apresentação, antecedentes, acompanhamento de doenças e critérios clínicos, como a extensão, características do cabelo e o nível de afetação da pele subjacente.

Artigos de revisão bibliográfica estimam que a alopecia androgenética (variante mais comum) afeta de 6% a 12% das mulheres de 20 a 30 anos e 55% dos homens com mais de 70 anos de idade. Devido à sua alta prevalência, ao valor estético que muitos lhe atribuem e à possível manifestação de outras doenças subjacentes, é necessário conhecer seus tipos para saber interpretá-la.

Tipos de alopecia

A variedade de tipos de alopecia é tão grande que é impossível falar sobre padrões e sintomas gerais. Sua extensão é global, com particularidades raciais e geograficamente diversas.

A alopecia é definida como perda de cabelo de qualquer tipo e em qualquer lugar da superfície da pele. Para facilitar seu algoritmo de diagnóstico, os clínicos dividem essa patologia em dois grandes grupos, que são os seguintes:

  1. Aquelas com couro cabeludo normal ou saudável (não cicatricial).
  2. Aquelas com couro cabeludo de natureza patológica (cicatricial).
Homem com queda de cabelo
A alopecia androgenética é a mais comum e ocorre em homens de meia-idade.

Alopecias não cicatriciais

A característica comum de todas as variantes mostradas abaixo é que, nelas, a queda de cabelo não é causada pelo aparecimento de um tecido fibroso que anula o folículo. Nesses casos, o folículo piloso não é destruído, mas sofre várias mudanças.

Alopecia androgenética

A alopecia androgenética é a variante mais comum da calvície, pois vários estudos relatam que ela é responsável por essa patologia em 95% dos casos. Como dissemos antes, até 55% dos homens sofrem com isso, enquanto o percentual em mulheres é de cerca de 10%.

Os periódicos dermatológicos relatam que existem duas causas principais dessa doença:

  • Andrógenos e pele: O aumento da ação dos hormônios masculinos (testosterona) em certas áreas do couro cabeludo promove uma diminuição na atividade do folículo piloso até que ele atrofie.
  • Mecanismo celular: responde ao componente hereditário de cada pessoa. A atividade da polimerase de RNA, enzima essencial para a síntese proteica, é condicionada por certos fatores genéticos. Isso pode modificar os padrões de crescimento capilar.

Existem diversos tratamentos para aliviar a alopecia androgenética, como o uso de minoxidil, melatonina, finasterida e laserterapia. Alguns desses medicamentos têm uma eficácia de até 90% ao frear a queda. O recrescimento do folículo piloso, por outro lado, é uma tarefa mais complicada.

Alopecia areata

Pesquisas mostram que esse tipo de calvície, caracterizada pelo aparecimento de manchas redondas em áreas focadas, é uma patologia muito pouco conhecida. Acredita-se que vários fatores condicionem sua aparição:

  • Genética: A presença de alopecia areata no histórico familiar promove o aparecimento da doença nos descendentes em até 40% dos casos.
  • Imunológica: Há indícios de que há uma ligação entre essa patologia e doenças imunológicas, como doenças da tireoide ou vitiligo (destruição de melanócitos da pele). Ela também tem sido ligada a doenças como anemia, diabetes ou artrite reumatoide.
  • Essa doença também parece estar relacionada a fatores emocionais como estresse, agentes infecciosos e variações neurológicas.

Outros tipos de alopecias não cicatricais

Descrevemos os dois tipos mais importantes de alopecias não cicatriciais. Há muitos outros, mas vamos comentá-los apenas de uma forma superficial. Aqui estão alguns exemplos:

  • Alopecia traumática: ocorre provocando danos contínuos ao couro cabeludo, com base em tensões de tração e pressão, como tranças ou coques.
  • Difusa: é a queda de cabelo reversível generalizada. Pode ocorrer de forma aguda ou crônica.
  • Falta ou excesso de vitaminas, drogas ou medicamentos: estudos mostram que a deficiência de vitamina D ou o excesso de vitamina A podem causar queda de cabelo.

Alopecias cicatriciais

De acordo com artigos científicos, as alopecias de tecido cicatricial são caracterizadas pela queda de cabelo permanente, que é substituída por fibrose ou colágeno hialinizado. Esse tipo de patologia é responsável por 3% das alopecias observadas em centros dermatológicos, por isso sua importância clínica é relativamente baixa.

Aqui estão alguns dos fatores que podem promover esse tipo de calvície:

  • Causas físicas: queimaduras, congelamentos e traumas, entre outros. Quando o folículo piloso é destruído, ele é substituído por tecido cicatricial, impedindo que o cabelo cresça novamente.
  • Tumores: qualquer tumor que afete a pele, benigno ou maligno, pode apresentar como efeito colateral o aparecimento dessa patologia.
  • Infecções: hanseníase ou tuberculose de pele, doenças que danificam permanentemente a pele, também podem causar este problema.
  • Processos inflamatórios crônicos: lúpus eritematoso e outras doenças não infecciosas que causam lesões cutâneas podem danificar o folículo piloso.
Tipos de alopecia
A alopecia areata é uma forma de queda de cabelo que precisa ter suas causas descobertas para ser diagnosticada com precisão.

O que lembrar sobre os tipos de alopecia?

Conforma explicado nas linhas anteriores, as alopecias podem ser divididas em não cicatriciais e cicatriciais. As primeiras têm tipos diferentes, dependendo do foco da queda de cabelo e dos motivos subjacentes, mas geralmente são condicionadas por fatores genéticos e hormonais. As cicatriciais são completamente diferentes, pois geralmente ocorrem devido a traumas e feridas que dão origem a uma cura no local do folículo piloso.

O que está claro é que a calvície androgenética é a variante mais comum desta doença, que afeta principalmente homens de meia-idade. Felizmente, há cada vez mais tratamentos para aliviar e retardar a queda dos cabelos.

Pode interessar a você...
4 hábitos que ajudam a deter a queda de cabelo
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
4 hábitos que ajudam a deter a queda de cabelo

Para deter a queda de cabelo é muito importante cuidar dele tanto a nível externo quanto interno. Também devemos controlar o estresse e ansiedade.



  • González-Guerra, E., & López-Bran, E. (2018). Protocolo diagnóstico de la alopecia. Medicine-Programa de Formación Médica Continuada Acreditado12(48), 2864-2867.
  • Guzmán-Sánchez, D. A. (2015). Alopecia androgenética. Dermatología Revista Mexicana59(5), 387-394.
  • Guerra-Tapia, A., & González-Guerra, E. 18. Alopecia androgenética masculina (MAGA).
  • Pelo, E. Alopecia androgenética Calvicie¿ Problema médico o cosmético?.
  • Madani, S., & Shapiro, J. (2000). Alopecia areata update. Journal of the American Academy of Dermatology42(4), 549-566.
  • Morales-Miranda, A. Y., & Ruiz-Guillén, Á. I. (2020). Niveles de vitamina D en pacientes con alopecia areata en la Unidad de Especialidades Médicas. Revista de Sanidad Militar73(5-6), 297-302.
  • Abal-Díaz, L., Soria, X., & Casanova-Seuma, J. M. (2012). Alopecias cicatriciales. Actas Dermo-Sifiliográficas103(5), 376-387.
  • Stoehr, Jenna R., et al. “Off-label use of topical minoxidil in alopecia: a review.” American journal of clinical dermatology 20.2 (2019): 237-250.
  • Olivares, Liliana, et al. “Formas infrecuentes de tuberculosis cutáneas; a propósito de 2 casos.” Dermatología Argentina 18.6 (2013): 459-463.
  • De la Torre, María del Carmen, Daniela Gutiérrez-Mendoza, and Sonia Toussaint-Caire. “Alopecia en parches asociada con lupus eritematoso sistémico: diagnóstico diferencial con alopecia areata.” Dermatología Revista mexicana 59.5 (2015): 361-367.