Quanto tempo um bebê prematuro deve ficar no hospital?

23 Julho, 2020
Um parto prematuro, por si só, gera estresse e dúvidas nos pais. O recém-nascido deve passar algum tempo no hospital até se recuperar, mas você sabe o que influencia a permanência hospitalar dos bebês prematuros? Descubra a seguir.

As dúvidas dos pais sobre o parto prematuro são inúmeras. Por exemplo, qual é o tempo de hospitalização do bebê prematuro? Embora todo bebê seja diferente e exija um diagnóstico personalizado, também existem algumas diretrizes gerais.

Neste artigo, falamos sobre parto prematuro e quanto tempo o bebê prematuro deve ficar no hospital. Essas informações ajudarão a esclarecer algumas dúvidas para os pais que vivem essa etapa com medo e incerteza.

O parto prematuro

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o nascimento prematuro é o nascimento que ocorre entre 20 e 37 semanas de gestação. Pode ter consequências adversas para a saúde do bebê a curto e a longo prazo, com alto risco de mortalidade neonatal.

Alguns fatores associados ao parto prematuro são os seguintes:

  • Anemia
  • Altos níveis de catecolamina na urina materna
  • Tabagismo
  • Ruptura prematura de membranas (RPM)
  • Hipertensão arterial (TH)
  • Sangramento vaginal
  • Infecções do trato urinário
  • Atendimento pré-natal inadequado ou nulo
  • Mãe com menos de 20 anos ou mais de 35
  • Baixo volume de líquido amniótico (oligoidrâmnio)
  • Antecedente de aborto induzido
  • Pré-eclâmpsia
  • Gravidez múltipla

Quer saber mais? Então leia também: 7 cuidados que um bebê prematuro precisa ter

Cuidados do bebê prematuro no hospital

O que determina o tempo de hospitalização do bebê prematuro?
Após um parto prematuro, a permanência na incubadora do hospital permitirá que o desenvolvimento correto do recém-nascido seja concluído.

Os cuidados médicos são essenciais para a saúde e a sobrevivência do bebê prematuro. Isso foi demonstrado pelas diferentes estatísticas de acordo com os recursos de cada país. Quais são esses cuidados?

  • Lactação materna imediata e apoio à alimentação
  • Manutenção da incubadora para garantir o equilíbrio térmico e minimizar o risco de infecção
  • Cuidados higiênicos do cordão e da pele do bebê
  • Assistência respiratória ou reanimação, se necessário
  • Tratamento imediato em caso de complicações, como icterícia, infecções, etc

Hoje, graças aos avanços médicos, o vínculo entre pais e recém-nascido é facilitado com diferentes técnicas. Entre elas, destaca-se o Método Mãe Canguru, que detalhamos a seguir.

Método Mãe Canguru

O Método Mãe Canguru é uma técnica de cuidado para o recém-nascido prematuro, baseada no contato pele a pele com a mãe e em tudo o que ela pode proporcionar: alimentação (lactação materna exclusiva sempre que possível), estímulo e proteção. Aliás, o pai ou outro adulto também pode fazer isso.

Com essa técnica, apesar de estar no hospital, é alcançado um tratamento muito mais humanizado e natural do bebê prematuro. Suas necessidades de temperatura, alimento e proteção são cobertas, bem como as questões emocionais (segurança e amor). Ao mesmo tempo, os pais estabelecem um vínculo emocional com o seu filho.

O Método Mãe Canguru pode ajudar a reduzir a internação hospitalar. Posteriormente, essa técnica pode ser mantida em casa após a alta, dependendo do progresso do bebê, quase sempre com acompanhamento ambulatorial em casa pelo tempo necessário.

Leia também: 8 benefícios da amamentação para a mãe e o bebê

Qual é o tempo de hospitalização do bebê prematuro?

Incubadora para o cuidado do recém-nascido prematuro
Alguns dos fatores considerados para a alta são a temperatura e o peso do bebê.

Para os pais, esse tempo no hospital sempre vai parecer uma eternidade. Após o susto inicial de um parto que eles não esperavam tão cedo, as dificuldades do dia a dia e a impaciência aumentam. No entanto, deve ficar claro que o hospital é o melhor local para o seu filho nesta fase.

Existem muitos fatores que determinarão o tempo de hospitalização do bebê. Entre eles, a capacidade de respirar e comer, a temperatura e a evolução do peso. Nesse sentido, os 2 kg são uma referência de peso padrão que o recém-nascido deve atingir para receber alta. A maioria dos bebês o atinge em 2 a 4 semanas.

Em resumo, estes são os três fatores que determinam quando será possível levar o bebê para casa:

  • O bebê consegue manter uma temperatura estável sem uma incubadora por 1 ou 2 dias.
  • É alimentado sem sondas, seja através da lactação materna ou mamadeira.
  • Ganha peso regularmente e atinge os 2 kg.

Agora já sabemos um pouco mais sobre o parto prematuro e os cuidados necessários para o bebê que nasceu antes da hora. Entretanto, cada bebê é único e a sua evolução vai depender de muitos fatores. É importante que você tenha a assistência necessária em todo momento, tanto física quanto emocional.

  • Lopez, G. L., Anderson, K. H., & Feutchinger, J. (2018). Transition of Premature Infants From Hospital to Home Life. Neonatal Network. https://doi.org/10.1891/0730-0832.31.4.207
  • Charpak, N., Ruiz, J. G., Zupan, J., Cattaneo, A., Figueroa, Z., Tessier, R., … Worku, B. (2005). Kangaroo Mother Care: 25 Years after. Acta Paediatrica, International Journal of Paediatrics. https://doi.org/10.1080/08035250510027381
  • Sandler, A. D. (2003). Comparison of skin-to-skin (Kangaroo) and traditional care: Parenting outcomes and preterm infant development. Journal of Developmental and Behavioral Pediatrics. https://doi.org/10.1097/00004703-200302000-00028