Como as temperaturas extremas afetam o corpo humano?

A capacidade termorregulatória do corpo humano permite que ele lide com ambientes climáticos adversos. No entanto, a exposição constante pode ter grandes consequências.
Como as temperaturas extremas afetam o corpo humano?

Última atualização: 01 Julho, 2021

A exposição a temperaturas extremas pode causar graves consequências para a saúde, incluindo a morte. Esses ambientes climáticos costumam ser observados em países temperados, principalmente durante os meses de inverno e verão.

A temperatura corporal ideal é de cerca de 37 graus Celsius. Acima de 41, fala-se de hipertermia, e abaixo de 35 de hipotermia. As temperaturas extremas podem fazer com que ambos os estados sejam alcançados rapidamente.

Você tem interesse em saber um pouco mais sobre o assunto? Preparamos o seguinte artigo para falarmos sobre as principais dúvidas a esse respeito. Continue lendo!

Como o corpo consegue tolerar as mudanças de temperatura?

O ser humano possui diversos mecanismos biológicos de termorregulação. Estes são complementados pela nossa capacidade consciente de criar objetos e roupas projetadas para evitar perda ou ganho de calor, conforme o caso.

Graças à atividade de muitos órgãos e sistemas (como cardiovascular e neurológico), o corpo tem a capacidade de lidar com as condições climáticas adversas.

Por exemplo, em climas quentes, há uma perda de calor por evaporação, na qual os vasos sanguíneos localizados na superfície do corpo se dilatam para perder líquido na forma de suor. O contrário ocorre quando está muito frio, pois a distribuição do fluxo sanguíneo é direcionada para os órgãos vitais.

Como o corpo reage às temperaturas extremas no calor?

O calor extremo é uma condição climática adversa em que são atingidas temperaturas que, mantidas de forma sustentada, podem causar graves consequências à saúde. Essa temperatura varia dependendo de cada região. Os mecanismos de adaptação dependem do ambiente em que a pessoa geralmente se desenvolve.

Quando fica cerca de 10 graus acima do limite superior médio de uma determinada área, fala-se em calor extremo. Essas condições devem ser estáveis ​​por algumas semanas.

Sintomas e reações

Algumas das manifestações clínicas mais importantes durante uma onda de calor são as seguintes:

  • Dores musculares, abdominais e de cabeça.
  • Transpiração intensa.
  • Cansaço e desmaios.
  • Náuseas.
  • Aumento da frequência cardíaca.

Muitos desses sintomas são consequências naturais da desidratação. Diante deles, é aconselhável se dirigir o mais rápido possível a um serviço de urgência.

Como isso pode ser regulado e evitado?

Dada a possibilidade de onda de calor, é aconselhável seguir várias recomendações para evitar qualquer tipo de dano à saúde. As mais básicas são equipar a casa com ar-condicionado e ventiladores, o que pode exigir um investimento financeiro inicial.

Também é aconselhável comprar ou produzir defletores, caso você tenha muitas janelas em sua casa. Alguns podem ser feitos usando papelão e alumínio.

Consumir muita água e usar roupas frescas e folgadas são aspectos básicos que devem ser mantidos dentro e fora de casa. Caso seja necessário sair, priorize locais públicos com disponibilidade de ar condicionado ou assistência médica imediata, caso apresente algum dos sintomas acima mencionados.

Grupos de risco

Tanto os idosos quanto as crianças estão mais sujeitos a complicações médicas devido a temperaturas extremas. Os pacientes com doenças crônicas, principalmente aquelas que afetam os sistemas cardiovascular e renal, devem tomar mais precauções.

Como o corpo reage às temperaturas extremas no frio?

A definição de frio extremo é o oposto de calor extremo. Geralmente acontece em climas temperados e no contexto de algumas tempestades de inverno.

Sintomas e reações

As principais manifestações clínicas da exposição perigosa ao frio extremo são as seguintes:

  • Calafrios e cãibras musculares.
  • Formigamento.
  • Diminuição do estado de consciência.
  • Mudança de cor nas extremidades.

Todos esses sintomas, principalmente os dois últimos, implicam a necessidade de avaliação no pronto socorro mais próximo.

Como isso pode ser regulado e evitado?

Assim como acontece com as ondas de calor, seus efeitos negativos na saúde podem ser evitados na maioria dos casos. As recomendações são as seguintes:

  • Saia de casa o mínimo possível.
  • Tenha as ferramentas necessárias para remover a neve dos arredores.
  • Use várias camadas de roupas, incluindo proteção para as mãos, pés, orelhas, pescoço e cabeça.
  • Obtenha um sistema de aquecimento com bastante antecedência.
  • Estabeleça um plano de emergência para ir a um centro de saúde, se necessário.
  • Armazene comida enlatada suficiente para quedas de energia.

Grupos de risco

As idades extremas e os pacientes com doenças crônicas também são mais suscetíveis aos efeitos de uma onda de frio. Pessoas com mobilidade reduzida devem evitar sair de casa ainda mais devido aos possíveis obstáculos causados ​​pela queda de neve.

Atenção às temperaturas extremas

Todos os anos, a exposição a essas temperaturas extremas ceifa milhares de vidas, mais do que os desastres naturais. A maioria dos países desenvolvidos com clima temperado possui estratégias governamentais destinadas a reduzir as mortes por essa causa. Em caso de dúvida, é aconselhável consultar um médico de confiança.

Pode interessar a você...
Urticária ao frio: fatores de risco e prevenção
Melhor Com SaúdeLeia em Melhor Com Saúde
Urticária ao frio: fatores de risco e prevenção

A urticária ao frio é uma reação cutânea que ocorre em um curto período de tempo após a exposição ao frio. Causa vermelhidão e coceira.



  • Flouris, A. D. (January, 2011). Functional architecture of behavioral thermoregulation. European Journal of Applied Physiology, 111(1), 1-8.
  • Johnson, J. M., & Kellogg, D. L. (2010). Local thermal control of the human cutaneous circulation. Journal of Applied Physiology, 109(4), 1229-1238.
  • López A. Actualidad en termorregulación. Pensar en Movimiento 2014;12(2):1-36.
  • Nakamura, K. (2011). Central circuitries for body temperature regulation and fever. American Journal of Physiology. Regulatory, Integrative and Comparative Physiology, 301(5), R1207-1228.
  • Organización Panamericana de la Salud. Ola de calor y medidas a tomar – revisión preliminar. Biblioteca sede OPS.
  • Schepers, R. J., & Ringkamp, M. (February, 2010). Thermoreceptors and thermosensitive afferents. Neuroscience and Biobehavioral Reviews, 34(2), 177-184.