Sintomas de uma DST que precisam ser controlados

04 Agosto, 2020
Existem vários sintomas principais que nos alertam para um possível contágio de uma DST. Quanto mais cedo os detectarmos, mais rápida será a recuperação. Aprenda a reconhecê-los e busque atendimento médico.

Você conhece os sintomas de uma DST? As doenças sexualmente transmissíveis são doenças transmitidas através do contato sexual. Isso inclui contato com sangue, sêmen, fluido vaginal ou outros fluidos corporais. Às vezes, essas infecções são transmitidas por vias não sexuais, como por exemplo:

  • De mãe para filho durante a gravidez ou o parto.
  • Agulhas compartilhadas sem esterilização, uma via comum de transmissão entre viciados em drogas.
  • Transfusões de sangue sem um estudo adequado da história clínica do paciente doador.

O problema é que muitos não sabem que contraíram esse tipo de infecção, pois elas nem sempre apresentam manifestações clínicas evidentes. Portanto, é importante descobrir os possíveis sintomas de uma DST e, é claro, consultar um especialista diante dos mesmos.

Doenças sexualmente transmissíveis (DSTs)

  • Os organismos que causam essas infecções são vírus, bactérias, fungos ou parasitas. Entre as mais comuns estão clamídia, gonorreia, HIV/AIDS e herpes genital.
  • Antibióticos, antimicóticos, fungicidas e vermífugos podem tratar e curar doenças causadas por bactérias, fungos e parasitas.
  • Atualmente, não existe medicamento capaz de curar doenças sexualmente transmissíveis causadas por vírus, mas existem medicamentos que podem aliviar os sintomas e manter a doença sob controle. Por esse motivo, o uso de preservativos, masculinos e femininos, é muito importante para reduzir o risco de contágio.
  • Não há como evitar completamente o risco de infecção se houver contato sexual.
Doenças de transmissão sexual
As doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) podem ser causadas por vírus, bactérias, fungos e outros tipos de micro-organismos. A melhor maneira de evitá-las é com o uso de preservativos.

Sintomas de uma DST

Há uma série de sintomas que costumam ser comuns a todas as doenças sexualmente transmissíveis, como:

No entanto, a diferenciação dos sintomas com base nas DSTs mais comuns facilitará a detecção e o tratamento adequado.

Quer saber mais? Então leia: Quais exames de DST você deve fazer e por quê?

1. Sintomas de clamídia

A clamídia é uma infecção bacteriana do trato genital. Se não for tratada adequadamente, pode causar infecções mais graves, além de cicatrizes nas trompas de Falópio nas mulheres e prostatite e epididimite em homens. No entanto, geralmente é fácil de curar se for detectada o mais cedo possível.

Às vezes, a clamídia não apresenta sintomas detectáveis ​​ou pode ser confundida com outras doenças mais cotidianas pelas pessoas infectadas. Portanto, é importante que, se você teve uma relação sexual de risco, ou seja, sem proteção, vá ao seu centro de saúde para realizar os exames pertinentes. Entre os sintomas característicos dessa infecção, destacam-se:

  • Micção dolorosa.
  • Corrimento vaginal atípico nas mulheres.
  • Sangramento entre os períodos menstruais.
  • Secreção anormal pelo pênis.
  • Dor na parte inferior do abdômen.
  • Dor com o contato íntimo.
  • Sensibilidade ou inflamação nos testículos.
  • Secreção ou sangramento ao redor do ânus.

2. Sintomas de gonorreia

Assim como a clamídia, a gonorreia é causada por bactérias. Portanto, os medicamentos indicados para o seu tratamento são antibióticos. Embora seja uma doença do aparelho genital, também pode ocorrer na boca, ânus, garganta e olhos.

Geralmente, os primeiros sinais de infecção aparecem dez dias após o contágio. No entanto, às vezes pode não haver sintomas, de modo que se passam semanas ou meses até tomarmos conhecimento da infecção. Entre os principais sinais para a detecção desta infecção, destacamos os seguintes:

  • Corrimento espesso ou sangrento do pênis ou da vagina.
  • Inflamação e dor dos testículos.
  • Dor na parte inferior do abdômen.
  • Micção frequente e dolorosa.
A gonorreia apresenta vários sintomas
Alguns dos sintomas das DSTs podem ser confundidos com infecções do trato urinário ou do aparelho reprodutor. É importante buscar atendimento médico diante do seu surgimento.

3. Sintomas do HIV

O HIV é o vírus da imunodeficiência humana. Sua infecção faz com que o vírus se multiplique no organismo, deteriorando o sistema imunológico. A AIDS é uma doença crônica, causada pelo HIV, que aparece quando o sistema imunológico está muito fraco e quando a infecção não foi controlada através de tratamento, ou quando há uma infecção oportunista como motivo por trás da diminuição das células CD4 (linfócitos T).

Uma pessoa pode ser portadora desse vírus e não apresentar a doença, nem sintomas associados. Diferenciaremos os sintomas com base no tempo decorrido desde o contágio:

Sintomas iniciais do HIV

Esses sintomas geralmente desaparecem em poucas semanas e podem ser confundidos com os sinais típicos de qualquer doença viral, como gripe ou resfriado. Esses sinais incluem:

  • Febre
  • Dor de cabeça.
  • Dor de garganta.
  • Diarreia.
  • Erupções cutâneas.
  • Inflamação dos gânglios linfáticos.
  • Tosse e dificuldades respiratórias.

Não deixe de ler: As pessoas com HIV estão mais expostas ao coronavírus?

Sintomas tardios do HIV

Os sintomas mais persistentes podem levar anos para aparecer após o contágio. À medida que o vírus se multiplica e prejudica o sistema imunológico, os sintomas da infecção por HIV em estágio avançado aparecerão:

  • Fadiga persistente.
  • Suores noturnos e calafrios.
  • Inchaço dos gânglios linfáticos por um longo período.
  • Diarreia crônica.
  • Dores de cabeça persistentes.
  • Infecções oportunistas e incomuns.

Para terminar…

É importante ter em mente que os sintomas de uma DST podem variar em cada paciente, dependendo do tipo de infecção e do nível de resposta do organismo. Além das DSTs mencionadas, que geralmente são as mais comuns, a pessoa pode estar tendo outro tipo de infecção sexualmente transmissível.

Por esse motivo, para se cuidar adequadamente e em tempo hábil, é melhor consultar um médico assim que os sintomas forem percebidos. Dessa forma, o profissional pode avaliar os sintomas e realizar os exames pertinentes para obter um diagnóstico preciso.

  • Cirkel, C., Rody, A., Meneder, S., & Ahrens, T. (2018). Sexually transmitted diseases. Gynakologe. https://doi.org/10.1007/s00129-018-4249-x
  • Burstein, G. R., & Workowski, K. A. (2003). Sexually transmitted diseases treatment guidelines. Current Opinion in Pediatrics. https://doi.org/10.1097/00008480-200308000-00006
  • Frenkl, T. L., & Potts, J. (2008). Sexually Transmitted Infections. Urologic Clinics of North America. https://doi.org/10.1016/j.ucl.2007.09.003
  • Schweikardt C, Goderis G, Elli S, Coppieters Y. Prescription of Antibiotics to Treat Gonorrhoea in General Practice in Flanders 2009-2013: A Registry-Based Retrospective Cohort Study. J Sex Transm Dis. 2017;2017:1860542. doi:10.1155/2017/1860542
  • Bogaards, J. (2012). Sexually transmitted infections and sexually transmitted diseases. The Lancet Infectious Diseases. https://doi.org/10.1016/s1473-3099(12)70131-7
  • Sadeghi-Nejad, H., Wasserman, M., Weidner, W., Richardson, D., & Goldmeier, D. (2010). Sexually transmitted diseases and sexual function. Journal of Sexual Medicine. https://doi.org/10.1111/j.1743-6109.2009.01622.x
  • Biblioteca Nacional de Medicina de Estados Unidos. https://medlineplus.gov/spanish/ency/article/001345.htm