Síndrome meníngea

15 Outubro, 2020
A síndrome meníngea é um grupo de sintomas que aparecem quando as meninges do corpo humano são afetadas. As causas podem ser variadas e o desfecho pode ser fatal. A seguir, veremos quais são os sinais de alerta e como detectá-los.

A síndrome meníngea não é uma doença em si, mas uma combinação de sintomas que indicam a existência de algum processo patológico nas meninges. As causas podem ser variadas, mas como regra devemos dizer que elas sempre requerem ação imediata.

Na medicina, uma síndrome é algo que define um grupo de sinais e sintomas que ocorrem juntos e são capazes de responder a várias etiologias. Isso significa que uma síndrome pode ser causada por uma variedade de doenças.

Na síndrome meníngea, o conjunto de sintomas de linha de base consiste em três fenômenos:

  • Cefaleia: dor de cabeça
  • Rigidez muscular: devido a contraturas musculares
  • Febre: que pode ou não estar presente, dependendo da origem ser infecciosa ou não

Os sintomas são evidentes em um paciente quando as meninges já estão inflamadas. As meninges são três camadas muito finas que recobrem as estruturas do sistema nervoso central dentro do crânio e da coluna. Como se fossem um papel, as meninges envolvem o cérebro e a medula espinhal.

Existem três meninges: dura-máter, pia-máter e aracnoide. A síndrome meníngea responde à inflamação das duas últimas, que a anatomia descreve como leptomeninges. Quando essas camadas ficam inflamadas, irritam o sistema nervoso central.

Causas da síndrome meníngea

Embora existam várias causas capazes de desencadear essa síndrome, as mais importantes são divididas em dois grupos: inflamatória e não inflamatória. Esta divisão geral não determina a gravidade do quadro clínico, como veremos a seguir.

Causas inflamatórias

Entre as causas inflamatórias, podemos citar:

  • Bactérias: Talvez a mais importante e conhecida seja a meningocócica, um microrganismo para o qual há vacinação específica capaz de prevenir a meningite que causa. Uma vez instalada a bactéria, a síndrome meníngea geralmente é completa, com todos os sintomas. Também é capaz de provocar surtos ou epidemias em populações que mantêm contato, razão pela qual as medidas de precaução são extremas quando um caso é detectado e confirmado.
  • Vírus: A meningoencefalite viral tem uma apresentação clínica mais insidiosa e varia de vírus relativamente comuns a microrganismos raros que causam doenças específicas com nome e sobrenome.
  • Fungos: Uma síndrome meníngea de causa micótica é rara, mas muito agressiva. Geralmente ocorre em pessoas que têm uma deficiência imunológica que, por causa das suas defesas enfraquecidas, tornam-se mais propensas ao ataque por fungos. O tratamento também é mais complicado.
  • Parasitas: A meningite parasitária é ainda mais incomum e há apenas três microrganismos que se escondem por trás de quase todos os casos. A transmissão ocorre de animais para humanos, por isso o risco é maior nos trabalhadores rurais.
Vacina contra a meningite
A vacinação está disponível para as causas mais comuns de meningite bacteriana.

Leia também: 6 sintomas de meningite que os pais não devem ignorar

Causas não inflamatórias

As outras causas são não inflamatórias, incluindo:

  • Hemorragias: Quando ocorre um derrame devido à ruptura de uma artéria no cérebro, o sangramento forma uma coleção de sangue que, se localizado perto das meninges, as inflama. O resultado é síndrome meníngea. No início dos sintomas, um derrame pode ser confundido com uma meningite bacteriana, inclusive pela presença de febre.
  • Trauma: Um traumatismo craniano, por choque ou acidente, é capaz de inflamar as meninges. Vários mecanismos traumáticos podem causar o acúmulo de fluido inflamatório entre o cérebro e as leptomeninges, irritando-as.
  • Neoplasias: Muitos tumores do cérebro, cerebelo e medula óssea não começam com sinais mais óbvios do que os da síndrome meníngea. A massa maligna empurra as meninges e acaba irritando-as, às vezes sem pressionar outras estruturas.
Hemorragia no cérebro
Os AVCs podem causar a síndrome meníngea devido ao acúmulo de sangue contra as meninges.

Talvez você possa se interessar: Metástase cerebral: o que é e qual é o seu tratamento?

Como reconhecer a síndrome meníngea?

Como a febre nem sempre está presente na síndrome meníngea, há dois sintomas que são considerados constituintes da mesma: dor de cabeça e contraturas musculares.

A dor de cabeça desses casos é uma dor que tende a ser intensa e persistente. Não é incomum o paciente gritar por causa da dor no crânio. Os locais predominantes são a região frontal e a occipital, ou seja, na altura da testa ou perto da nuca.

Esta dor de cabeça geralmente é acompanhada por uma intensificação diante de estímulos como luz ou ruídos. Quando intensificada pela luz, é chamada de fotofobia, e a pessoa é forçada a fechar os olhos. Quando a dor é pior diante da presença de sons, é chamada de algiacusia.

A outra característica são as contraturas musculares. Na síndrome em questão, os músculos da nuca, costas e membros inferiores podem ficar apertados e rígidos. A rigidez da nuca não permite que o queixo seja levado ao peito, por exemplo, enquanto as costas não permitem que os joelhos sejam levados ao peito. São sinais históricos e clássicos que a medicina tem associado à meningite há décadas.

Diante desses sintomas, é fundamental consultar um médico sem demora. O profissional solicitará os exames necessários, de sangue e imagens do sistema nervoso, incluindo a punção lombar para estudar o fluido cefalorraquidiano, se necessário. Obviamente, este não é um quadro que pode ser negligenciado, devido ao risco envolvido.

  • Goic, A., Chamorro, G., Reyes, H.; Semiología Médica; 2010; 3º Edición, Editorial Mediterráneo.
  • Leal, MC Rodríguez, et al. “Protocolo diagnóstico y tratamiento empírico del síndrome meníngeo agudo febril.” Medicine-Programa de Formación Médica Continuada Acreditado 12.54 (2018): 3222-3225.
  • Weiss, N. “Síndrome confusional y coma.” EMC-Tratado de Medicina 15.1 (2011): 1-8.